Notícias: O ACESSO AO FÓRUM POR MEIO DE TABLETS E CELULARES FICOU MAIS FÁCIL. AGORA VOCÊ PODE NAVEGAR PELO MUNDO FOTOGRÁFICO VIA TAPATALK, NAS PRINCIPAIS PLATAFORMAS MÓVEIS. EXPERIMENTEM.

Autor Tópico: [ARTIGO] Reflexões sobre a fotografia de espetáculos  (Lida 17637 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão vendo este tópico.

Offline B.Gomes

  • Qualificações: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.558
    • http://Bruno Gomes FotoConceito
[ARTIGO] Reflexões sobre a fotografia de espetáculos
« Online: 02 de Junho de 2007, 17:51:40 »
O texto que segue foi elaborado por mim a partir de trechos de conversas que já tive aqui e em outros fóruns, com o acréscimo de mais algumas coisas que venho pensando ultimamente sobre as características e especificidades da fotografia de espetáculos. Espero que gostem.



Reflexões sobre a fotografia de espetáculos

O presente texto não tem a pretensão de ser uma palavra definitiva sobre a fotografia de espetáculos, mas apenas de compartilhar, com aqueles que tiverem interesse no tema, algumas idéias que me parecem centrais nesse ramo da fotografia. Não se trata de uma “aula”, nem tampouco de uma “receita” sobre como deve ser feito este trabalho, mas de compartilhar alguns princípios, alguns fundamentos que eu considero importantes quando se pensa em fotografar um espetáculo, seja ele dança, show ou teatro.

Inicialmente gostaria de destacar que, quando comparada a outras modalidades, como estúdio e publicidade, por exemplo, a fotografia de espetáculos me parece uma fotografia menos "exata", menos previsível e mais subjetiva. Também é uma fotografia onde nos encontramos fortemente submetidos às condições de trabalho oferecidas pelo ambiente e pelos profissionais envolvidos, e nossas escolhas são sempre balizadas por aquilo que temos diante de nós (o espaço, a distribuição e o tipo de público, as características dos artistas, a iluminação, etc.). Estamos trabalhando em conjunto com a produção, os artistas, o iluminador, o ambiente e o público; ou seja, de antemão, temos um trabalho que não depende só de nós, da nossa capacidade enquanto fotógrafos e do nosso equipamento. Cada um tem seu papel, e todos precisam trabalhar bem para que os melhores resultados apareçam. 

Mas no que consistiriam esses “melhores resultados”? Pra mim, na fotografia de espetáculos nós temos que encontrar uma linguagem que dê conta do "clima" de cada apresentação específica e que se relacione bem com o ambiente proposto pela produção (vista aqui no conjunto palco+iluminação+artistas+estilo, tipo de som, performance, etc). É aí que entra a subjetividade de cada um, a sensibilidade que teremos ou não para captar a essência do que está sendo proposto e assim fotografar em harmonia com o conjunto do espetáculo. Ou seja, para fazer "aquele" show, "aquela" cobertura fotográfica marcante, há um conjunto de coisas que precisam "funcionar" bem na hora, no instante exato da apresentação, e nem todas estão dentro das nossas possibilidades de controle racional e planejamento.

Mas não termina aí: captando a idéia-chave do espetáculo e estabelecendo uma linguagem adequada, temos também que dar uma contribuição "nossa". Devemos propor, em termos fotográficos, abordagens e interpretações das cenas que constituam não um mero "registro", mas um depoimento, uma “interferência” do fotógrafo naquele espetáculo específico. Aí entram coisas genéricas e de difícil mensuração e controle exato, como criatividade, sagacidade (no sentido de perceber rapidamente a importância de uma cena e o momento exato em que deve ser clicada, por exemplo) e maturidade no tema. É nesse campo, na esfera da abordagem criativa, que o fotógrafo vai encontrar (ou não) a sua “marca”, a sua especificidade, em suma, aquilo que fará a diferença entre ele e os outros profissionais da área.

Uma outra questão que considero importante diz respeito à relação entre o fotógrafo e o público presente no espetáculo. Na minha visão, o fotógrafo que trabalha em shows, teatro, dança, etc, precisa em primeiro lugar ter um profundo respeito pelos artistas que estão no palco, pela proposta do espetáculo e pelo público que pagou ingresso e saiu de casa para assisti-lo. Nesse sentido, se os "silêncios" são importantes na constituição do que está sendo apresentado (e, se eles existem, é porque o são), devem ser respeitados na medida do possível.

Já tive algumas experiências assim e procuro fazer da seguinte forma: em primeiro lugar, respeito o silêncio e não fotografo; entretanto, se há muitos espaços de silêncio com cenas importantes para a fotografia, faço apenas um ou dois cliques na cena, e escolho bem qual é o silêncio que vou "atrapalhar", tentando causar a mínima interferência possível. Aí entra a importância da concentração e precisão técnica: fazendo apenas um ou dois cliques de uma determinada cena, devemos ter máxima atenção na fotometria, composição e velocidade de disparo, pois a foto tem que ser "certeira".

Geralmente dá pra conciliar uma fotografia mais "solta" nos momentos em que o barulho do obturador não atrapalha a cena e o público com um ou dois cliques pontuais em uma ou outra cena de silêncio. Mas se a peça for totalmente silenciosa, ou o silêncio for muito preponderante na apresentação, o ideal é fazer uma apresentação só para a fotografia, sem público.

Da mesma forma que não devemos atrapalhar a apresentação com cliques em momentos indesejados, também não devemos atrapalhar o público com a nossa movimentação. Devemos, sim, andar sempre em busca de novos ângulos, mas isso deve ser feito sem atrapalhar aos presentes. Se vai fotografar na “boca do palco” em um teatro, por exemplo, fique bem abaixado; se precisa atravessar de um lado para o outro, passando na frente do público, também ande abaixado e fazendo o mínimo de barulho possível. Tais atitudes demonstram profissionalismo e respeito aos demais, e isso é fundamental.

Na minha visão, os parágrafos escritos até aqui constituem aquilo que é a essência dessa fotografia, os princípios básicos sobre o que se espera de um profissional que deseja trabalhar com fotografia de espetáculos. Entretanto, gostaria também de tecer alguns comentários gerais sobre equipamentos e configurações apropriadas para tal tipo de trabalho.

Em termos de equipamento, é necessário ter objetivas “claras”, com abertura de f/2.8 pra cima. Eu trabalho com uma 17-55mm (em digital com crop 1,6) para as tomadas gerais e composições mais abertas, e uma 70-200 para detalhes e closes dos artistas. Em termos de câmeras, é bom ter uma com boa qualidade em iso 1600 e, se possível, iso 3200 também (estou falando de digitais). Se a pretensão é trabalhar mesmo na área, recomendo ter duas câmeras, uma com uma GA/meia-tele e outra com uma tele, pois isso agiliza muito o trabalho e diminui a margem de erro por perda de momentos importantes do espetáculo (e que não se repetem ao longo da apresentação). Ter duas câmeras também dá mais segurança de que o trabalho será realizado e entregue conforme o combinado, pois se uma das câmeras resolver pifar, temos a outra para garantir.

Mas qual é o razão de termos lentes “claras” e câmeras com boa qualidade em iso alto? Em fotografia de espetáculos, o comando básico é a velocidade. Regulando a velocidade você controla como será feito o registro da movimentação e expressão dos artistas, e isso é o fundamental. Como geralmente as condições de luz não são favoráveis ao uso de velocidades altas, é preciso ter uma boa abertura do diafragma e uma alta sensibilidade iso para possibilitar uma margem mais ampla no controle da velocidade do obturador. Tendo isso em mente, o fotógrafo deve analisar qual é a menor velocidade exigida para congelar os movimentos e expressões dos artistas (e isso varia de acordo com o tipo do espetáculo e estilo dos artistas), e a partir daí ajustar os demais comandos da câmera.

Partindo desse princípio, o fotômetro nem sempre deve ser "respeitado". Se a luz for ruim, não adianta ele indicar, por exemplo, iso 1600, f/2.8 (se esta for a maior abertura da sua lente) e velocidade 1/15 em uma apresentação de ballet, pois vai sair tudo borrado, com posições coreográficas mal definidas, pés e mãos “arrastados”, etc. Nesse caso, a opção deve ser sempre pela velocidade mínima de segurança para congelar os movimentos, deixando para fazer depois as devidas compensações na exposição (nem que precise “puxar o iso” na conversão). Velocidade baixa, nesse tipo de fotografia, só mesmo para efeitos.

Acredito que enquanto idéias gerais, enquanto reflexões sobre a fotografia de espetáculos, este pequeno artigo pode ser útil para quem está começando na área – como é o meu caso – e também servir como ponto de partida para diálogos com quem já possui experiência e que, a partir da sua trajetória particular, pode concordar ou discordar das idéias expressas aqui. Sintam-se, portanto, à vontade para questionar, discordar ou fazer observações complementares ao texto.

Bruno Gomes, 02/06/2007.
« Última modificação: 21 de Julho de 2008, 22:22:54 por Kika Salem »
Bruno Gomes - Porto Alegre
----------------------------------

www.brunogomes.com.br

Offline Ricardo Foto

  • Qualificações: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 102
  • Sexo: Masculino
    • Ricardo de Sá
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #1 Online: 03 de Junho de 2007, 13:02:12 »
Eu faço um pequeno acréscimo ao seu comentário sobre a postura do fotógrafo que é em relação ao traje do fotógrafo, devendo ser o mais escuro possível, ou seja, roupa preta.
  Outro dia mesmo estive no Pq. Villa Lobos, aqui em SP, num show do Milton Nascimento, Vanessa da Mata e Margarete Menezes, e um dos fotógrafos que cobriam o evento ( acredito que sim pois tinha permissão para estar no palco ), trajava uma roupa muito clara ( todo o staff do show, inclusive os integrantes da banda e da orquestra estavam de preto ) e se posicionava atrás do baterista disparando o flash inúmeras vezes.  Para mim foi bem chato.
 

Offline B.Gomes

  • Qualificações: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.558
    • http://Bruno Gomes FotoConceito
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #2 Online: 03 de Junho de 2007, 14:00:09 »
Citar
Eu faço um pequeno acréscimo ao seu comentário sobre a postura do fotógrafo que é em relação ao traje do fotógrafo, devendo ser o mais escuro possível, ou seja, roupa preta.
  Outro dia mesmo estive no Pq. Villa Lobos, aqui em SP, num show do Milton Nascimento, Vanessa da Mata e Margarete Menezes, e um dos fotógrafos que cobriam o evento ( acredito que sim pois tinha permissão para estar no palco ), trajava uma roupa muito clara ( todo o staff do show, inclusive os integrantes da banda e da orquestra estavam de preto ) e se posicionava atrás do baterista disparando o flash inúmeras vezes.  Para mim foi bem chato.
Com  certeza, tinha esquecido de falar sobre a roupa. Tem que ser o mais discreta possível e, num ambiente escuro, o mais discreto é mesmo o preto. E flash nem pensar, mata a iluminação do show, quebrando o clima proposto pela produção, e ainda atrapalha artistas e espectadores.
Valeu pela lembrança. :thmbup:  
Bruno Gomes - Porto Alegre
----------------------------------

www.brunogomes.com.br

Offline Ricardo Foto

  • Qualificações: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 102
  • Sexo: Masculino
    • Ricardo de Sá
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #3 Online: 03 de Junho de 2007, 15:25:59 »
Bruno, em algumas situações onde quero capturar alguns detalhes, closes, etc, eu não dispenso o uso de um monopé junto com a 100-400mm que utilizo.  Conforme você disse, a prioridade é a velocidade de exposição e para uma imagem em 400mm não tremer em situações de pouca luz onde 1/400s seria difícil, o monopé é muito bem vindo.
 
PS: trabalho com Zuiko 14-54mm  f2.8-3.5  e  50-200mm  f2.8-3.5

Abraço.

Offline clicpress

  • Qualificações: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 57
  • Sexo: Masculino
    • http://www.barrocopress.com.br
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #4 Online: 03 de Junho de 2007, 16:00:14 »
É isso aí Bruno e Ricardo! Estas informações são preciósas para fotógrafos de todos os níveis.
Se todos fotógrafos respeitacem estas nórmas discutidas por vcs, o trabalho  ficaria menos dificil para todos nós.

Um abraço,
                 Neno Vianna.
« Última modificação: 21 de Julho de 2008, 22:10:53 por Kika Salem »
Cadastramento de fotógrafos avançados para serviços fotojornaísticos, editoriais e publicidade.
http://www.mundofotografico.com.br/forum/index.php?topic=18553.0

=>Corpo Canon EOS 1Ds Mark II
=>Corpo Canon EOS 40D e Grip
=>Corpo Canon EOS 1V
=>Corpo Mamya 645 Super Pro
=>Canon EF 50mm Macro
=>Life Size EF Converter
=>Canon EF 16-35mm f/2.8L II USM
=>Canon EF 70-200mm IS f/2.8L USM
=>Flash Speedlite 580 EX II

Offline B.Gomes

  • Qualificações: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.558
    • http://Bruno Gomes FotoConceito
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #5 Online: 03 de Junho de 2007, 20:57:04 »
Citar
Bruno, em algumas situações onde quero capturar alguns detalhes, closes, etc, eu não dispenso o uso de um monopé junto com a 100-400mm que utilizo.  Conforme você disse, a prioridade é a velocidade de exposição e para uma imagem em 400mm não tremer em situações de pouca luz onde 1/400s seria difícil, o monopé é muito bem vindo.
 
PS: trabalho com Zuiko 14-54mm  f2.8-3.5  e  50-200mm  f2.8-3.5

Abraço.
É, em 400 na mão fica complicado mesmo... Eu uso a 70-200 (com crop 1.6 da 30D) e consigo segurar até 1/80 em 200mm, mas tenho que me concentrar bastante para não tremer. Aí deixo o monopé em casa, até porque ele acaba limitando um pouco os movimentos. Mas se usasse uma 400mm não teria jeito, só com monopé mesmo.

Um abraço!
Bruno Gomes - Porto Alegre
----------------------------------

www.brunogomes.com.br

Offline Paulo Machado

  • Qualificações: (6)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.019
  • Sexo: Masculino
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #6 Online: 05 de Junho de 2007, 09:15:05 »
Parabéns, Bruno, ótima iniciativa de passar a sua experiência.
When words become unclear, I shall focus with photographs. When images become inadequate, I shall be content with silent.  - Ansel Adams

Offline clicpress

  • Qualificações: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 57
  • Sexo: Masculino
    • http://www.barrocopress.com.br
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #7 Online: 05 de Junho de 2007, 13:55:43 »
Citar
Citar
Bruno, em algumas situações onde quero capturar alguns detalhes, closes, etc, eu não dispenso o uso de um monopé junto com a 100-400mm que utilizo.  Conforme você disse, a prioridade é a velocidade de exposição e para uma imagem em 400mm não tremer em situações de pouca luz onde 1/400s seria difícil, o monopé é muito bem vindo.
 
PS: trabalho com Zuiko 14-54mm  f2.8-3.5  e  50-200mm  f2.8-3.5

Abraço.
É, em 400 na mão fica complicado mesmo... Eu uso a 70-200 (com crop 1.6 da 30D) e consigo segurar até 1/80 em 200mm, mas tenho que me concentrar bastante para não tremer. Aí deixo o monopé em casa, até porque ele acaba limitando um pouco os movimentos. Mas se usasse uma 400mm não teria jeito, só com monopé mesmo.

Um abraço!
Bruno Gomes, vi algumas fotos suas no fotografiabrasil e fiquei imprecionado com a qualidade de seu trabalho.

 :clap:  :clap:  :clap:  
Cadastramento de fotógrafos avançados para serviços fotojornaísticos, editoriais e publicidade.
http://www.mundofotografico.com.br/forum/index.php?topic=18553.0

=>Corpo Canon EOS 1Ds Mark II
=>Corpo Canon EOS 40D e Grip
=>Corpo Canon EOS 1V
=>Corpo Mamya 645 Super Pro
=>Canon EF 50mm Macro
=>Life Size EF Converter
=>Canon EF 16-35mm f/2.8L II USM
=>Canon EF 70-200mm IS f/2.8L USM
=>Flash Speedlite 580 EX II

Offline B.Gomes

  • Qualificações: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.558
    • http://Bruno Gomes FotoConceito
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #8 Online: 06 de Junho de 2007, 00:15:26 »
Citar
Parabéns, Bruno, ótima iniciativa de passar a sua experiência.
Obrigado, Paulo. Estou sempre aprendendo muita coisa nos fóruns dos quais participo, então é natural que eu compartilhe algumas coisas com o pessoal também, né?
Um abraço!
Bruno Gomes - Porto Alegre
----------------------------------

www.brunogomes.com.br

Offline B.Gomes

  • Qualificações: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.558
    • http://Bruno Gomes FotoConceito
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #9 Online: 06 de Junho de 2007, 00:21:34 »
Citar
Citar
Citar
Bruno, em algumas situações onde quero capturar alguns detalhes, closes, etc, eu não dispenso o uso de um monopé junto com a 100-400mm que utilizo.  Conforme você disse, a prioridade é a velocidade de exposição e para uma imagem em 400mm não tremer em situações de pouca luz onde 1/400s seria difícil, o monopé é muito bem vindo.
 
PS: trabalho com Zuiko 14-54mm  f2.8-3.5  e  50-200mm  f2.8-3.5

Abraço.
É, em 400 na mão fica complicado mesmo... Eu uso a 70-200 (com crop 1.6 da 30D) e consigo segurar até 1/80 em 200mm, mas tenho que me concentrar bastante para não tremer. Aí deixo o monopé em casa, até porque ele acaba limitando um pouco os movimentos. Mas se usasse uma 400mm não teria jeito, só com monopé mesmo.

Um abraço!
Bruno Gomes, vi algumas fotos suas no fotografiabrasil e fiquei imprecionado com a qualidade de seu trabalho.

 :clap:  :clap:  :clap:
Muito obrigado! :thmbup:

Qual é o nick que você usa lá?

Um abraço!
Bruno Gomes - Porto Alegre
----------------------------------

www.brunogomes.com.br

Offline clicpress

  • Qualificações: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 57
  • Sexo: Masculino
    • http://www.barrocopress.com.br
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #10 Online: 06 de Junho de 2007, 00:45:07 »
Citar
Citar
Citar
Citar
Bruno, em algumas situações onde quero capturar alguns detalhes, closes, etc, eu não dispenso o uso de um monopé junto com a 100-400mm que utilizo.  Conforme você disse, a prioridade é a velocidade de exposição e para uma imagem em 400mm não tremer em situações de pouca luz onde 1/400s seria difícil, o monopé é muito bem vindo.
 
PS: trabalho com Zuiko 14-54mm  f2.8-3.5  e  50-200mm  f2.8-3.5

Abraço.
É, em 400 na mão fica complicado mesmo... Eu uso a 70-200 (com crop 1.6 da 30D) e consigo segurar até 1/80 em 200mm, mas tenho que me concentrar bastante para não tremer. Aí deixo o monopé em casa, até porque ele acaba limitando um pouco os movimentos. Mas se usasse uma 400mm não teria jeito, só com monopé mesmo.

Um abraço!
Bruno Gomes, vi algumas fotos suas no fotografiabrasil e fiquei imprecionado com a qualidade de seu trabalho.

 :clap:  :clap:  :clap:
Muito obrigado! :thmbup:

Qual é o nick que você usa lá?

Um abraço!
Uso clicpress. É  que não tem mais clicks disponíveis. :mf_w00t2:

Sempre agêncio bons fotografos por esse mundão, e gostaria de saber em que estado vc trabalha, e quando aparecer algum trabalho por suas bandas, gostaria de contar com sua hablilidade se estiver disponível.
 :thmbup:

 
Cadastramento de fotógrafos avançados para serviços fotojornaísticos, editoriais e publicidade.
http://www.mundofotografico.com.br/forum/index.php?topic=18553.0

=>Corpo Canon EOS 1Ds Mark II
=>Corpo Canon EOS 40D e Grip
=>Corpo Canon EOS 1V
=>Corpo Mamya 645 Super Pro
=>Canon EF 50mm Macro
=>Life Size EF Converter
=>Canon EF 16-35mm f/2.8L II USM
=>Canon EF 70-200mm IS f/2.8L USM
=>Flash Speedlite 580 EX II

Offline B.Gomes

  • Qualificações: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.558
    • http://Bruno Gomes FotoConceito
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #11 Online: 06 de Junho de 2007, 12:35:02 »
Citar
Citar
Citar
Citar
Citar
Bruno, em algumas situações onde quero capturar alguns detalhes, closes, etc, eu não dispenso o uso de um monopé junto com a 100-400mm que utilizo.  Conforme você disse, a prioridade é a velocidade de exposição e para uma imagem em 400mm não tremer em situações de pouca luz onde 1/400s seria difícil, o monopé é muito bem vindo.
 
PS: trabalho com Zuiko 14-54mm  f2.8-3.5  e  50-200mm  f2.8-3.5

Abraço.
É, em 400 na mão fica complicado mesmo... Eu uso a 70-200 (com crop 1.6 da 30D) e consigo segurar até 1/80 em 200mm, mas tenho que me concentrar bastante para não tremer. Aí deixo o monopé em casa, até porque ele acaba limitando um pouco os movimentos. Mas se usasse uma 400mm não teria jeito, só com monopé mesmo.

Um abraço!
Bruno Gomes, vi algumas fotos suas no fotografiabrasil e fiquei imprecionado com a qualidade de seu trabalho.

 :clap:  :clap:  :clap:
Muito obrigado! :thmbup:

Qual é o nick que você usa lá?

Um abraço!
Uso clicpress. É  que não tem mais clicks disponíveis. :mf_w00t2:

Sempre agêncio bons fotografos por esse mundão, e gostaria de saber em que estado vc trabalha, e quando aparecer algum trabalho por suas bandas, gostaria de contar com sua hablilidade se estiver disponível.
 :thmbup:
Legal, estou lhe passando as informações por MP.

Um abraço!
Bruno Gomes - Porto Alegre
----------------------------------

www.brunogomes.com.br

Offline renatofreitas

  • Qualificações: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 6
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #12 Online: 06 de Junho de 2007, 13:51:09 »
Citar
Tais atitudes demonstram profissionalismo e respeito aos demais, e isso é fundamental.
 
Ninguém merece fotógrafos mal educados... Esses dias fui num show em que os "fotógrafos" (uns 3) dispararam flashes do começo ao fim, de pé, na frente do palco. Além de não aproveitarem a iluminação do palco, atrapalharam o artista e a platéia.

 :boos2:

Ah, parabéns pelo texto, muito interessante!
« Última modificação: 06 de Junho de 2007, 13:51:53 por renatofreitas »
Renato Freitas
FlickR

Offline Guto Marc

  • Qualificações: (10)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.457
    • http://www.gutomarcondes.com.br
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #13 Online: 06 de Junho de 2007, 13:59:17 »
Citar
Citar
Tais atitudes demonstram profissionalismo e respeito aos demais, e isso é fundamental.
 
Ninguém merece fotógrafos mal educados... Esses dias fui num show em que os "fotógrafos" (uns 3) dispararam flashes do começo ao fim, de pé, na frente do palco. Além de não aproveitarem a iluminação do palco, atrapalharam o artista e a platéia.

 :boos2:

Ah, parabéns pelo texto, muito interessante!
Se dispara flash não é fotógrafo... é apertador de botão.
Em todos os shows e peças que cubro NUNCA uso flash....... E muitos produtores de show q cobri ( Ex: Pato Fu, Jota Quest, etc ) sempre exigem que vc não use flash.....
** NÃO TRABALHO MAIS COM SEGURO DE EQUIPAMENTOS **

Visitem meu blog sobre fotografia : http://www.gutomarcondes.com.br/blog e conheçam mais sobre a profissão no dia a dia. Conheçam também http://www.fotografosocial.com.br e http://www.gutomarcondes.com.br
Não respondo MP com dúvida de equipamentos/fotografia. Abra um tópico pois isso é importante para o fórum !

Offline astronauta

  • Qualificações: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 350
Reflexões sobre a Fotografia de Espetáculos
« Responder #14 Online: 11 de Junho de 2007, 22:01:45 »
é isto ai B.gomes .... sou muito fã do seu trabalho ...
Falou tudo ...gostei muito ...

A principio tirar foto de show , espetaculo , teatro pareçe tudo igual mas com o tempo aumenta sua sensibilidade e sua capacidade de realizar melhores fotos...
Cada tipo de espetauculo requer ter um conhecimento minimo previo do mesmo ....ja fiz algumas tentativas e se cobrisse o mesmo espetaculo faria muito melhor , entao o minimo é ir previnido ... lente fixas em um espetaculo que vc nao conhece é quase suicidio ...
Quanto ao tripe acho necessario apatir de uns 150mm pois pela regrinha da velocidade pela distancia teria que usar velocidades mais rapidas que 1/150 ... e isto acaba afetando e muito a quantidade de luz que chega ... cada caso é um caso mas uma boa velocidade é em torno dos 1/90
Um estabilizador de imagem tambem seria util na situacao acima ... ganha em mobilidade mas é bem mais caro ...
Um recurso necessario tb é um redutor de ruido ...como o noiseninja
Se tiver o privilegio de ter duas cameras usaria a com o melhor iso na com a objetiva com maior tele pois esta é usada no extremo da velocidade para congelar o movimento ...