Autor Tópico: Digitais x Filme 35mm  (Lida 8097 vezes)

Ivan de Almeida

  • Trade Count: (1)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.297
  • Sexo: Masculino
  • . F o t o g r a f i a .
    • Fotografia em Palavras
Resposta #30 Online: 30 de Março de 2005, 17:30:32
Fernando, um adendo sobre escaneamento:

Depois de ter comprado a Kiev escaneei 5 filmes.

Grosso modo, considerando que quando se começa a ver o grão já não há detalhe a recuperar (isto é, o scanner começa a mostrar o grão como se fosse detalhe), e tendo feito esses escaneamentos em 6mp e em 26mp  usando como scanner o Noritsu QSS 32 (o mais novo disponível por aí), cheguei às seguintes conclusões:

Filme negativo: O primeiro de ISO 100 eu escaneei em 26mp. No entando, usando o critério de ser a resolução efetiva o dobro daquela onde paramos de ver grão ou ruído (regra dos 50% de visualização), um filme de USO 100 tipo ProImage equivale a algo entre 6 e 9mp. Um de ISO 200, 6mp. Um de ISO 400, menos que isso no geral (referência, escaneamento em 6mp de uma Kodak Portra 400).

Cromo: Kodak Ectachrome E100SW revelado em E6 e escaneado em 26mp. Deixa de mostrar defeitos (grão) em cerca de 12 a 14mp.

Então, não é a resolução mais a questão. Sem nenhuma dúvida lhe digo que a s7000 resolve pelo menos tão bem quanto um filme negativo. As vantagens ainda existentes do filme são de outra ordem.


Paulo Machado

  • Trade Count: (6)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.015
  • Sexo: Masculino
Resposta #31 Online: 30 de Março de 2005, 17:51:33
When words become unclear, I shall focus with photographs. When images become inadequate, I shall be content with silent.  - Ansel Adams


FernandoPaes

  • Trade Count: (17)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.522
  • Sexo: Masculino
  • Fernando Paes - Fotógrafo
    • Fernando Paes - Fotógrafo de Casamentos
Resposta #32 Online: 30 de Março de 2005, 18:14:45
Ivan,

Realmente, as imagens vão no limite da fotometria. Eu confesso que me agradei muito da fotografia do Museu. Pensei inclusive em fazer uma ampliação pois fiquei muito satisfeito com o resultado alcancado com ela.

Como voce mesmo disse, o ponto passa a não ser a resolução em si, mas sim os recursos que o uso do filme ainda oferece.

A coisa é: usar a tecnologia em prol da qualidade. Eu acredito que extrair o melhor dos filmes está ligado com a qualidade que voce alcança com o trabalho de scaneamento também.

Puxa eu confesso que estou com uma vontade de bater umas fotos com filme e mandar scanear só pra ver como fica! :)

Em tempo....

Paulo, gostei muito do link. Infelizmente sem tempo agora para ler as informações, no entanto, me pareceu muito completo.

Abraço a todos,
Fernando
 
Fernando Paes - Fotógrafo de Casamentos - SP
Visite meu Website: http://www.fernandopaes.com.br

Conheça nosso podcast para fotógrafos sociais!


Ivan de Almeida

  • Trade Count: (1)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.297
  • Sexo: Masculino
  • . F o t o g r a f i a .
    • Fotografia em Palavras
Resposta #33 Online: 30 de Março de 2005, 18:23:22
Paulo:

O site é interessantíssimo, mas exige leitura extensa também -risos.

Meu depoimento é empírico e se baseia em algumas premissas simples, a principal delas ser a exibição em 50% aquela que separa o joio do trigo, isto é, a que define qual a qualidade que se terá no papel. Minha experiência é que consigo ver no papel os defeitos que vejo em 50% e não consigo ver no papel os defeitos que não vejo em 50%. Então, para estabelecer para mim qual a resolução equivalente vou diminuindo a imagem a´te parar de ver o grão, por exemplo. Do mesmo modo, vou diminuindo a imagem da digital até parar de ver o ruído.

Há uma permissa oculta aí, de ser a resulução extinta pelo ruído, e essa premissa é mais ou menos verdadeira, isto é, não totalmente verdadeira, mas bastante razoável prncipalmente no caso da s7000. Por exemplo, uma foto feita em cromo eu a reduzi até quando deixei de ver grão. No entando nesse ponto, mesmo eu não vendo mais grão numa foto digital de igual tamanho, na em cromo eu fia certos detalhes muito definidos na região do foco, e não via na digital. Por outro lado, a complicação fica ainda maior, pois como a profundidade de campo da digital é maior, ela dá impressão de oferecer maior detalhamento, pois o detalhamento da 35mm é grnade somente nas cercanias do plano de foco, enquanto o da digital se estende por muito mais profundidade.

Grosso modo, essas minhas concluões, que são coerentes com o que já encontrei em outros lugares quanto á resolução, me indicam que ampliando uma foto feita em negativo acima de, digamos, o tamanho de 8mp eu começaria a ficar incomodado com o grão.


Ivan de Almeida

  • Trade Count: (1)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.297
  • Sexo: Masculino
  • . F o t o g r a f i a .
    • Fotografia em Palavras
Resposta #34 Online: 30 de Março de 2005, 18:42:43
Fernando.

Essa é uma das grandes diferenças para mim entre o JPEG/TIFF e o RAW. Se eu usasse na foto de Boa Esperança a mesma fotometria em JPEG ela estouraria a nuvem bastante. Mas com RAW eu exponho o máximo possível sem deixar estourar somente, isto é, num contexto sem altas luzes eu faço algo que poderia ser chamado de superexposição. Desde que não estoure nda, depois eu chego no tom certo e tenho a captura na melhor relação sinal/ruído. É por isso que a foto de Boa Esperança é tão limpa se comparada com outras da s5000. Estico a fotometria até o limite, e no momento estou tentando estabelecer para a s7000 qual é esse limite, que na s5000 é exatamente 2,5 pontos. No museu me dei bem, mas ainda estou tateando. Outro dia fiz uma foto de uma rosa e também peguei bem a fotometria, bem levada ao limite.

Se quiser imprimir, fique à vontade. Eu fiz impressão do jeito que está aí num Noritsu, que tem um papel exatamente deste tamanho. Eu te mandei a imagem pronta para impressão.

Faça uns filmes -risos. É divertido. Eu tenho feito alguns e gostado prá caramba, e já cheguei à conclusão que prefiro filmes despretensiosos como o Fuji Superia ou o Kodak ProImage, pois do contrário complica muito.


Leo Terra

  • SysOp
  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.768
  • Sexo: Masculino
  • “Deus disse: 'Haja luz'. E houve luz.” (Gen 1,3)
    • http://www.leoterra.com.br
Resposta #35 Online: 30 de Março de 2005, 21:49:34
Essa discução de resolução vai muito além Ivan, não podemos comparar uma câmera digital compacta com a imagem de um filme uma vez que não sabemos as diferenças entre as lentes, a comparação ideal seria entre câmeras digitais com lentes iguais a câmeras 35mm, ai sim o fator lente seria elminado e poderiamos comparar resoluções, em testes empíricos que fiz o nível de detalhes nas digitais de 6MP é até maior que nos negativos de 35mm, isso nos casos de uma latitude bem pequena de luz no ambiente, pois se a latitude subir ai a coisa complica geral para a digital, pois a perda de detalhes nas baixas e altas luzes se torna muito intensa :(.
Em resolução eu não tenho dúvidas que as digitais estão a frente, mas ainda restam problemas como ruído em alto ISO e latitude que precisam ser contornados.
:/
 
Leo Terra

CURSOS DE FOTOGRAFIA: www.teiadoconhecimento.com



ATENÇÃO: NÃO RESPONDO DÚVIDAS EM PRIVATIVO. USEM O ESPAÇO PÚBLICO PARA TAL.
PARA DÚVIDAS SOBRE O FÓRUM LEIA O FAQ.


Zeiss

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 698
    • Melhor pra Deus
Resposta #36 Online: 31 de Março de 2005, 00:36:27
B) Help meus amigos
Confesso que no digital estou engatinhando. Já comprei o livro que o Fernando indicou de Photoshop e busco uma hora para começar a estudar. Meu filho usa muito o pc para jogar on line aí complica.
Hoje conversei com um rapaz de uma loja sobre scanear negativo e ele explicou o seguinte sobre o equipamento usado aqui nas lojas de Fortaleza:
1. Os minalabs Noritsu possuem qualidade ruim em scan jpeg alta res. onde um scan para 20x30 só presta para copiar 15x21;
2. Como solução o pessoal scaneia com proporção para copiar 20x30 mas em TIFF, aí a qualidade fica boa;
3. Os minilabs Frontier só scaneiam em jpeg mas com qualidade para uma saída a 300dpi o que, segundo ele, faz um 20x30 perfeito.
Minha dúvida:
Vou scanear com a finalidade de, principalmente fazer algo de arte, como desfoques localizados, suavização, p/b, etc., enfim tornar algumas fotos interessantes com os recursos do Photoshop que for descobrindo. As fotos serão manipuladas para voltarem ao lab. e serem copiadas 20x30 que é o tamanho que entrego. Se quiser uma composição mais agradável eu corto tudo a 20x28 na guilhotina do lab. e quando a encadernadora aparar as bordas fica com uma boa proporção(isso se não tiver acertado que seria 20x30 real).
O que vcs acham que é o melhor: trabalhar com um arquivo leve do Frontier (jpeg) ou dispor da grande informação do TIFF (ela será útil?)
Uso um Athlon XP 2400(Asus A7V8X) com 512 Mb de RAM a 333Mhz(Samsung), HD 40Gb a 7.200rpm e placa de vídeo Asus GeForce FX5200 128Mb. Dá pra usar TIFF sem custar uma eternidade?
Bye, aguardo a orientação dos colegas.
« Última modificação: 31 de Março de 2005, 00:37:23 por Zeiss »
João Bosco
Sony Alpha A100+18-70+F56AM
Sony NEX F3 Black+18-55
Panasonic Lumix TZ10
boscovieira@hotmail.com-Fortaleza-CE


Ivan de Almeida

  • Trade Count: (1)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.297
  • Sexo: Masculino
  • . F o t o g r a f i a .
    • Fotografia em Palavras
Resposta #37 Online: 31 de Março de 2005, 07:25:33
Minha configuração é um pouquinho inferior à sua, a mesma placa mãe, amemsa qualtidade de RAM, mas processador 2200+ e GeForce de 64mb. Não apenas dá perfeitamente para rodar e tratar TIFF como o faço com TIFF 16 bits de imagens de 12mp. Pode escanear tranquilo em TIFF, que aliás é a melhor plataforma para os tratamentos que você deseja.

Só tenha cuidado com as cores da foto, pois o monitor regulado para textos é geralmente muito claro e cyan, e as fotos podem sair escuras e avermelhadas se você se basear num monitor descalibrado. Isso já aconteceu comigo, e é interessante que passei mais de um ano mostrando na rede fotos escuras e avermelhadas sem que uma só alma caridosa me advertisse sobre o monitor, preferindo todas criticar minha fotometria  e dizer que eu subexpunha as fotos -risos.

Só depois de ter visto o resultado em papel me toquei, e depois, num passio por labs com um amigo de outra lista vi o que era realmente um monitor calibrado e pude acertar o meu razoavelmente.
« Última modificação: 31 de Março de 2005, 09:01:06 por Ivan de Almeida »


marsteffen

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 35
    • http://
Resposta #38 Online: 31 de Março de 2005, 20:59:23
Ivan, percebi a mesma coisa esses dias quando mandei imprimir pela primeira vez minhas fotos digitais. No computador estava bom, mas no papel saiu mais escuro do que queria.


Ainda estou engatinhando aqui, então pelo que entendi, a latitude é a capacidade de filme/sensor captar uma gama maior de tonalidades antes de se perder no branco estourado ou escuro total. É isso?


Ivan de Almeida

  • Trade Count: (1)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.297
  • Sexo: Masculino
  • . F o t o g r a f i a .
    • Fotografia em Palavras
Resposta #39 Online: 31 de Março de 2005, 23:48:34
É exatamente isso. Latitude é a quantidade de valores de exposição que um meio admite entre o branco total e o preto total.

Por exemplo. Uma digital como a s5000 ou a s7000 tem 5 pontos de latitude. Então se eu centralizar o fotômetro com uma relação de f4 e 1/200s, e a parte mais clara da foto pudesse ter o fotômetro centaçizado em 1/1000, então essa parte não estoura, está bem no limite, porque a cada vez que se dobra a velocidade é um ponto, e 1/1000 está a pouco mais de 2 pontos de 1/200 (1/400=1ponto, 1/800=2 pontos, 1/1000=pouco mais de 2 pontos). Mas se a parte mais clara da foto precisar de 1/1600s, então ela vai ficar branca totalmente.

Já um filme negativo colorido tem 12 pontos. Isso quer dizer que as luzes mais altas podem se afastar 5,5 pontos da média sem estourar. É coisa prá caramba, não é?

Em compensação o filme cromo (slide) tem 4 pontos com muito favor, aguns menos e outros chegam a 4.5 em em algumas cores e menos em outras (pois a latitude também varia para cada cor).

Quanto ao monitor, pegue uma foto teste, mande fazer no lab, e depois tente fazer seu montor chegar perto dela usando os métodos que falei. Se não tiver uma foto-teste, me mande um email que eu lhe mando uma com as cores fundamentais.

Não vai ficar perfeito, mas vai ficar próximo, e você pode pegar a foto que fez e comparar com o monitor depois e antes da calibragem para ver se ficou mais próximo.

Ivan