Autor Tópico: O declínio da fotografia no Brasil?  (Lida 8983 vezes)

Leo Terra

  • SysOp
  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.750
  • Sexo: Masculino
  • “Deus disse: 'Haja luz'. E houve luz.” (Gen 1,3)
    • http://www.leoterra.com.br
Online: 28 de Novembro de 2017, 10:18:53
Caros, nos últimos tempos eu tenho a impressão que a fotografia no Brasil está morrendo. Que nós, aqui no MF, somos um foco de resistência de um mercado em falimentar que cada dia mais caminha para se limitar à produção de fotos de qualidade duvidosa em uma escala quase industrial.
Além da queda brutal na qualidade dos trabalhos fotográficos, também temos assistido um grande declínio no interesse pela fotografia em todo o país. As comunidades fotográficas em português no Facebook não crescem e mesmo as maiores, ainda são menores e menos ativas do que as muitas que tínhamos na época do Orkut. A que deu origem ao MF, por exemplo, chegou a ter mais de 100mil membros. Nos fóruns vemos o mesmo desinteresse. Dos 4 grandes fóruns brasileiros da área, só sobrou o Mundo fotográfico. Este desinteresse também pode ser visto no mercado de câmeras, com declínio das lojas da Fuji e da Sony e a saída da Nikon do país.
O que sinto, inclusive vendo as postagens aqui no fórum, é que a fotografia se tornou uma grande commodity no Brasil. As pessoas estão fazendo foto por fazer e não é uma mera questão de equipamento, mas de interesse pela qualidade do que se produz, mesmo.
Aí pergunto... O que podemos fazer para mudar isso? Para trazer de volta o glamour da fotografia nacional?
Vendo o que está acontecendo, até mesmo a redução das postagens de fotos no fórum, estamos tentando aumentar a difusão das fotos de qualidade, feitas por usuários do fórum, com nossa foto do mês. Mas isso é só uma pequena gota em um oceano de problemas que a fotografia tem vivido hoje. Quem ama fotografia e pretende vê-la enquanto uma arte em progresso, tem que ligar o alerta vermelho e notar que o que estamos vivendo é um colapso da própria arte, causado por nós mesmos. Somos nós, os amantes da arte, que temos que iniciar um trabalho de revalorização da fotografia. Todo esse processo passa por uma revitalização e difusão ampla daquilo que tem qualidade. Isso envolve a produção de bons textos sobre arte e técnica fotográfica, a difusão sistemática de trabalhos fotográficos com discussões construtivas sobre os mesmos, tudo isso trazendo mais e mais fotógrafos profissionais, amadores e novatos, para se engajarem no processo.
Penso que muito da própria desvalorização da arte se deve ao corporativismo (que é comum no Brasil), associado ao medo que muitos fotógrafos tinham de que os novatos, sedentos por conhecimento, roubassem seu mercado. A postura de tentar bloquear o mercado acabou sendo o maior tiro no pé da própria área. Em nome de uma reserva de mercado, desvalorizou-se a arte que depende de novos quadros chegando, aprendendo e se apaixonando por ela a cada dia. Até para que se estabeleça uma capacidade crítica para distinguir o que é bom e o que é ruim.
Todo grande artista precisa deixar discípulos, isso ocorre desde os tempos das renascença. Se você não deixa discípulos sua arte morre contigo.
Diante do exposto, deixo aqui uma reflexão... Será que estamos fazendo a coisa certa? Será que não temos que repensar como estamos preparando as novas gerações de fotógrafo? Será que não devemos criticar menos e ensinar mais? Será não devemos atrair mais novatos e valorizá-los?
Se ainda pensamos em ter a fotografia como uma manifestação artística importante em nosso país, os indícios mostram que temos que repensar tudo o que fizemos e estamos fazendo para que ela se mantenha viva e energizada pelas próximas gerações...

Para encerrar, deixo aqui uma pergunta... O que você fez hoje, para motivar um futuro fotógrafo?
Leo Terra

CURSOS DE FOTOGRAFIA: www.teiadoconhecimento.com



ATENÇÃO: NÃO RESPONDO DÚVIDAS EM PRIVATIVO. USEM O ESPAÇO PÚBLICO PARA TAL.
PARA DÚVIDAS SOBRE O FÓRUM LEIA O FAQ.


lee.

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.813
  • Sexo: Masculino
  • fotógrafo desde 2009
    • electromacore
Resposta #1 Online: 28 de Novembro de 2017, 10:47:59
Acho que o fórum é um formato "complicado" demais pra nova geração. Meio antiquado vamos assim dizer. Igual quando as comunidades de orkut, que eram super populares na época, simplesmente acabaram (por culpa do facebook, whatsapp, instagram, etc).

O ato de abrir um PC, navegar em um fórum pra discutir diversos temas em diversos tópicos é coisa de nicho. Sempre foi. É que antes a gente não tinha tanta concorrência com outras mídias sociais além do orkut. E nem quero comparar. Já nas demais plataformas vc não consegue desenvolver nada, como tentar debater pelo whats e instagram. O papo é sempre raso, às vezes surge uns momentos de brilho mas se apaga em poucos instantes...

O mundo está cada vez mais "cada um por si". Excelentes fotógrafos tem aos montes aqui no Brasil. Só não estão afim de participar de comunidade virtual nenhuma. Não há nada de errado pq ninguém é obrigado mas não deixa de ser triste pra quem gostaria de poder trocar idéia com esses caras.

Outra coisa é que a pessoa ta saturada de mídia social... Não tem como administrar e tbm não há tempo. É facebook, whats, instagram, twitter, snapchat (morrendo por causa do stories do instagram), telegram, etc.

Não dá. Imagina mexer tudo nisso e ainda participar em discussões mais cabreras em um fórum? Com família pra sustentar, trabalho abocanhando 8-10h em média por dia.  :(
"Not sharper photographs, not larger photographs, but better photographs — photographs that say something, that mean something, even if only to us."
________________________________________________________
Canon 5D Mark.II | Fujifilm X100 T | https://www.instagram.com/electroma.core | https://www.electromacore.com


AFShalders

  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.370
  • Sexo: Masculino
  • "Bela câmera, mas mostre as fotos..."
    • Old Good Light
Resposta #2 Online: 28 de Novembro de 2017, 10:51:29
Acho que muitas pessoas entraram para esses foruns simplesmente por entrar ou por curiosidade, sem tem lá muito vínculo ou afinidade com a fotografia. É natural que depois de um tempo, quem não tem isso no sangue, saia.

Outra coisa é que tudo fica muito repetitivo. As questões e assuntos debatidos são quase sempre os mesmos, o que realmente enjoa. Eu gostava muito do Esquina da Foto por ser bem menor e por dar mais enfase em coisas que eu considerava mais interessantes e não debates longuissimos sobre A x B, discussões pseudo filosoficas e afins.

Uma saida interessa para evitar ou diminuir a repetição infinita dos mesmos assuntos seria ter uma ferramenta de busca decente. É dose pra leão usar a que existe no momento, eu simplesmente não tenho paciencia e desisto.

Minha contribuição está na forma de um blog muito singelo que apresenta a informação do meu ponto de vista de uma forma muito compacta e direta, sem a menor pretensão de se tornar uma referência ou algo do tipo.
Ética não é negociável.

Viciado em Fotografia desde 1980
www.oldgoodlight.blogspot.com
www.flickr.com/groorj


lee.

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.813
  • Sexo: Masculino
  • fotógrafo desde 2009
    • electromacore
Resposta #3 Online: 28 de Novembro de 2017, 10:58:09
E sinto q tem uma diferença enorme pra um novato hoje e um novato há 10 anos atrás

10 anos atrás qualquer comunidade online, seja fórum ou não, servia bem pra aprender com outras pessoas, quando o mesmo não tinha amigos fotógrafos, bons contatos, livros (preguiça) e sem dinheiro pra pagar um curso ou faculdade de fotografia.

Hoje o cara aprende um monte de coisas através do youtube, sites especializados (mais bem elaborados, bonitos e completos que décadas atrás) e não depende de uma comunidade pra aprender. Caso contrário, procuram um curso de esquina pouco qualificado ao invés de aprender em alguma comunidade online com conteúdo extremamente rico (como esse).

O novato de hoje sabe mais inglês que o novato de dez anos atrás, uma vez q se popularizou e mto mais pessoas foram aprender a falar a língua estrangeira. Aí o cara se depara com 4 vezes mais conteúdo. Pra que entrar no fórum? O meu caso é força do hábito. Sempre participei desde pequeno fóruns de diversos assuntos e sempre achei melhor, mesmo em pleno 2017.

« Última modificação: 28 de Novembro de 2017, 11:06:55 por lee. »
"Not sharper photographs, not larger photographs, but better photographs — photographs that say something, that mean something, even if only to us."
________________________________________________________
Canon 5D Mark.II | Fujifilm X100 T | https://www.instagram.com/electroma.core | https://www.electromacore.com


Rick99

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.985
  • Sexo: Masculino
  • Amador
Resposta #4 Online: 28 de Novembro de 2017, 11:08:39
* Se eu escrever besteiras, desconsiderem.  :D *

Minha humilde opinião:

- O número de participantes ativos no fórum e até no Face caíram, mas o de inscritos nos canais de fotografia do Youtube aumentaram. Acredito que as pessoas preferem ver vídeos teóricos e práticos ao invés de ficar só na leitura.

- Não me importo em tirar dúvidas. Participo de um grupo no Face sobre fotografias de action figures, e quase sempre coloco fotos dos bastidores. Só não respondo perguntas que tem no manual de instruções da câmera. Aí tem que largar a mão de ser preguiçoso.

- Este fórum é um "oásis" no que diz respeito a fotografia, pois nos grupos do Facebook, a qualidade das discussões são de baixíssimo nível. Só aí dá pra se ter uma ideia sobre a preocupação do Leo Terra sobre a queda brutal da qualidade das fotos atuais.

- A crise econômica no país tbm desestimulou o setor. Até 2014 o fórum "bombava", principalmente a parte dos equipamentos e classificados. Hoje está parado.


kleberpicui

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 857
  • Sexo: Masculino
    • Shutterstock
Resposta #5 Online: 28 de Novembro de 2017, 11:19:38
Não acho razoável atrelar a ideia de declínio da fotografia como arte com a redução de engajamento em fóruns ou redes sociais.

Eu me preocuparia com esse declínio se parasse de ter exposições em museus, se parasse de ver livros em livrarias ou até mesmo se as matérias jornalísticas não fossem ilustradas com fotografias. Nada disso está acontecendo, pelo contrário.

No Instagram mesmo pipocam projetos autorais dignos de corredores de galerias. E isso está acessível de uma forma jamais vista. Posso estar enganado, mas em fóruns e grupos de Facebook o que vemos geralmente é a produção de clichês ou discussões de técnica. Salvo raríssimas exceções, os profissionais que estão fazendo diferença na fotografia-arte não estão aqui.

Mas concordo que seria realmente enriquecedor tentar transformar um espaço onde normalmente se encontram "fotógrafos médios" e tentar estimular assuntos mais artísticos. Quem sabe por aqui também teríamos fazedores de arte?

Kléber

Vender fotos na internet: http://submit.shutterstock.com/?ref=976367


Raphael Sombrio

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.906
  • O RAW é um diamante...bruto
Resposta #6 Online: 28 de Novembro de 2017, 11:31:28
Bem pertinente a reflexão e os comentários, que trouxeram à tona realidades com as quais nos deparamos mas na correria nem paramos pra pensar direito. Mas eu acho que a fotografia só cresce, talvez não a sua qualidade na mesma proporção, mas...

Acho que tudo é consequencia da globalização da informação e do modo como as novas gerações absorvem as coisas, um modo sempre superficial ao meu ver, em relação a tudo, tudo importa, nada importa a fundo, ai vemos uma ampla superfície de conhecimento, ampla porém rasa, muita mesmice, tudo meio pronto, meio bom, meio explicado, meio ensinado, e no fim, meio aprendido. Então essa meia compreensão vai sendo usada para produzir muitas vezes sem verdadeiro conhecimento de causa sobre o que se deseja.

Ainda temos o agravante do imediatismo, o tudo meio pronto está tbm contido nos equipamentos que proporcionam atitudes meio impensadas, inconsequentes, e porque não, vazias. A pressa: o de a poucos segundos já foi, há algo novo a cada segundo, os 15 minutos de fama viraram 15 segundos, tudo é superficial, há muita informação, muito de tudo, e dessa forma sentimo-nos saturados, esgotados, confusos.

Eu, um ilustre desconhecido, apenas sigo com a minha fotografia, faço o que faço porque é a minha vida, independente de isso influenciar ou não outras pessoas. Mando a minha mensagem, se é certo, se é bom, se tem qualidade, não sei.


Claudio Rombauer

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.487
  • Sexo: Masculino
Resposta #7 Online: 28 de Novembro de 2017, 11:39:59
Ótima reflexão Leo.

Não tenho capacidade pra responder no mesmo nível, mas posso dar minha opinião humilde sobre o que me fez diminuir a atividade fotográfica nos últimos anos.

Eu fotografava profissional e amadoramente, tinha um grande grupo de amigos que se encontravam frequentemente para fotografar, em Curitiba, em viagens, etc.

Minha fotografia profissional diminuiu muito em volume. Os valores pagos pelo trabalho caíram pra 1/3 do que eu conseguia praticar antes de 2014, eu teria que trabalhar com volume pra viver disso. Como minha atividade como publicitário e designer gráfico rende muito mais para o meu sustento, resolvi não abaixar os valores de fotografia publicitária como o mercado pediu e os trabalhos diminuíram mesmo. Meu estúdio fica fechado boa parte do mês, uso ele umas 2 ou 3 vezes em um mês. Pra vc ter uma idéia, uma grande fabricante de maquinário industrial, líder mundial de mercado, me consultou para fotografar uma séria de peças grandes, de 200 a 500 kg cada, tendo que montar o estúdio dentro da fábrica. Comecei pedindo, como de costume, cerca de 500 reais a foto, baixei para 300, 200, 100... Nada adiantou, eles conseguiram fechar por 18 reais a foto. Não é mentira, DEZOITO REAIS. E sabe o que é mais assustador? As fotos ficaram excelentes, o profissional era muito competente e provavelmente foi obrigado a se submeter a estes valores pra sobreviver. Não posso julgar, em um momento de crise. Além disso, os mecanismos automáticos de fornecimento de fotografias como bancos de imagem evoluíram e se tornaram acessíveis, tirando mais mercado ainda. Mas isso é só o lado da fotografia comercial, que está em declínio no mundo todo, acredito eu, ainda mais em países em crise econômica.

Sobre a fotografia amadora, esta mais atuante nos fóruns e mais importante até na vida das pessoas, não sei ao certo porque está sendo abandonada. Nosso grupo parou de se encontrar por medo de assaltos, foram vários incidentes, a insegurança nos prende em casa, nos tira a liberdade. Eu tenho fotografado muito mais em viagens ao exterior do que em Curitiba, onde realmente morro de medo de sair com equipamento. Não sei até que ponto essa insegurança geral nas pessoas pode impactar na fotografia como um hobby, no meu caso, sem dúvidas.



arthurbr

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 94
  • Sexo: Masculino
    • Flickr - Arthur Mendes
Resposta #8 Online: 28 de Novembro de 2017, 12:14:41
Acho que o declínio é porque as pessoas preferem discutir sobre qual a melhor câmera em vez de estudar e treinar para melhorar a própria competência.


Leo Terra

  • SysOp
  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.750
  • Sexo: Masculino
  • “Deus disse: 'Haja luz'. E houve luz.” (Gen 1,3)
    • http://www.leoterra.com.br
Resposta #9 Online: 28 de Novembro de 2017, 12:25:57
Acho que o fórum é um formato "complicado" demais pra nova geração. Meio antiquado vamos assim dizer. Igual quando as comunidades de orkut, que eram super populares na época, simplesmente acabaram (por culpa do facebook, whatsapp, instagram, etc).

O ato de abrir um PC, navegar em um fórum pra discutir diversos temas em diversos tópicos é coisa de nicho. Sempre foi. É que antes a gente não tinha tanta concorrência com outras mídias sociais além do orkut. E nem quero comparar. Já nas demais plataformas vc não consegue desenvolver nada, como tentar debater pelo whats e instagram. O papo é sempre raso, às vezes surge uns momentos de brilho mas se apaga em poucos instantes...

O mundo está cada vez mais "cada um por si". Excelentes fotógrafos tem aos montes aqui no Brasil. Só não estão afim de participar de comunidade virtual nenhuma. Não há nada de errado pq ninguém é obrigado mas não deixa de ser triste pra quem gostaria de poder trocar idéia com esses caras.

Outra coisa é que a pessoa ta saturada de mídia social... Não tem como administrar e tbm não há tempo. É facebook, whats, instagram, twitter, snapchat (morrendo por causa do stories do instagram), telegram, etc.

Não dá. Imagina mexer tudo nisso e ainda participar em discussões mais cabreras em um fórum? Com família pra sustentar, trabalho abocanhando 8-10h em média por dia.  :(

Lee o ponto é que não é o fórum que está declinando, é a fotografia como um todo. Mesmo os grupos de facebook são pequenos perto do que foram os grupos do Orkut, por exemplo. Na época do Orkut era comum grupos de fotografia com centenas de milhares de pessoas (havia ao menos 8 grupos com mais de 100mil usuários). Hoje o maior que temos está na casa de 161mil pessoas. Os demais possuem menos pessoas do que temos cadastrados no MF.
Para vc ter uma idéia, eu tenho um grupo de facebook com 10mil membros para discutir a raça Husky Siberiano. Este grupo só é superado por 7 grupos de fotografia em Português. Ou seja, uma raça rara de cachorro consegue atrair mais gente do que muitos grupos genéricos de fotografia que é uma grande área.
O declínio nas lojas e sites especializados em português também é notável. As discussões estão mais pobres, o número de interessados na área caindo dramaticamente. Antigamente você encontrava gente para todo lado querendo ser fotógrafo. Hoje quase não se escuta mais falar nisso. O número de pessoas com boas câmeras em viagens etc também caiu. Lembro em 2013, quando estive em Noronha, que todos tinha uma câmera ao menos razoável. Esse ano estive por lá e o que notei é que a maioria tirava uma ou outra selfie com celular e boa...
Não sinto que é um problema apenas de plataforma, porque ao que parece todas as plataformas estão concentrando menos interessados na área. Me cheira mais a um esgotamento da própria área. Veja os sites e fóruns que discutem smartphones, por exemplo, que você verá que eles estão indo bem, pois o tema desperta interesse.
Leo Terra

CURSOS DE FOTOGRAFIA: www.teiadoconhecimento.com



ATENÇÃO: NÃO RESPONDO DÚVIDAS EM PRIVATIVO. USEM O ESPAÇO PÚBLICO PARA TAL.
PARA DÚVIDAS SOBRE O FÓRUM LEIA O FAQ.


Leo Terra

  • SysOp
  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.750
  • Sexo: Masculino
  • “Deus disse: 'Haja luz'. E houve luz.” (Gen 1,3)
    • http://www.leoterra.com.br
Resposta #10 Online: 28 de Novembro de 2017, 12:27:09
Acho que muitas pessoas entraram para esses foruns simplesmente por entrar ou por curiosidade, sem tem lá muito vínculo ou afinidade com a fotografia. É natural que depois de um tempo, quem não tem isso no sangue, saia.

Outra coisa é que tudo fica muito repetitivo. As questões e assuntos debatidos são quase sempre os mesmos, o que realmente enjoa. Eu gostava muito do Esquina da Foto por ser bem menor e por dar mais enfase em coisas que eu considerava mais interessantes e não debates longuissimos sobre A x B, discussões pseudo filosoficas e afins.

Uma saida interessa para evitar ou diminuir a repetição infinita dos mesmos assuntos seria ter uma ferramenta de busca decente. É dose pra leão usar a que existe no momento, eu simplesmente não tenho paciencia e desisto.

Minha contribuição está na forma de um blog muito singelo que apresenta a informação do meu ponto de vista de uma forma muito compacta e direta, sem a menor pretensão de se tornar uma referência ou algo do tipo.
Então, mas a ferramenta anterior era menos eficaz do que a que usamos hoje e ainda demandava uma insanidade de recursos do servidor. Qual seria a sugestão?
E como isso tornaria a arte fotográfica, em si, mais atrativa?
Porque não adianta termos uma grande ferramenta de busca e as pessoas continuarem se desinteressando pela fotografia.
« Última modificação: 28 de Novembro de 2017, 12:27:59 por Leo Terra »
Leo Terra

CURSOS DE FOTOGRAFIA: www.teiadoconhecimento.com



ATENÇÃO: NÃO RESPONDO DÚVIDAS EM PRIVATIVO. USEM O ESPAÇO PÚBLICO PARA TAL.
PARA DÚVIDAS SOBRE O FÓRUM LEIA O FAQ.


Rodrigo Verona

  • Trade Count: (1)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 610
  • Sexo: Masculino
Resposta #11 Online: 28 de Novembro de 2017, 12:38:00
Sou professor de fotografia há pelo menos 5 anos. Nesses últimos anos (2 anos) o número de inscritos nos cursos de fotografia em todos os níveis nunca esteve tão alto. Fechamos pelo menos 6 turmas de 30 alunos todos os bimestres. Motivo disso, são várias hipóteses.
1. Crise financeira- a procura por cursos de fotografia pode estar relacionada com o desemprego ou busca por algo independente, tendo em vista que, o trabalho com carteira assinada está mais difícil. Dessa forma, o que pode atrair esse número de matrículas pode ser a necessidade e não o aprimoramento profissional ou paixão pela arte.
2. Segunda fonte de renda. Vários alunos buscam os cursos para agregar renda, tornando a fotografia como um bico. Possuem seu emprego oficial e fazem bicos aos fins de semana para complementar a renda.
3. Aprimoramento profissional. Poucos alunos que procuram os cursos buscam melhorar seu conhecimento. Recebo inúmeros "profissionais" que não tem base teórica nenhuma. Fotografam em JPEG direto, não tratam as fotos, não sabem o que é composição, não conhecem regras, história fotográfica, não possuem referências, não conhecem grandes fotógrafos nacionais e quem dirá internacionais.
Esses, quando entram nos cursos mudam sua maneira de fotografar e, melhoram muito seu produto final.
Enfim, o que vejo nos últimos anos é que, apesar do número de alunos e interessados em fotografia ter aumentado, a qualidade dos profissionais está em queda. A fotografia está muito superficial. Na época do filme, a fotografia era mais pensada, imaginada, inspirada. Talvez a facilidade do digital tenha deixado essa preocupação do pensar, compor, imaginar, criar de lado. Isso vem acontecendo creio que em todas as áreas, apesar do grande volume de informações disponíveis por aí, em qualquer mídia, as pessoas estão imediatistas e superficiais.
Pode ser que a diminuição da atividade em fóruns tenha caído por:
1. Instagram, Flickr, Facebook são mais rápidos e tem uma visualização melhor. As pessoas imediatistas querem likes e elogios, não críticas.
2. A maioria não possue conhecimento para discutir em fóruns. Não entendem de composição, de tratamento, de técnica fotográfica, o que discutimos em fóruns.
3. Até tentam postar uma foto em fóruns, porém, quando vem a crítica, que é o grande benefício do fórum, não vêem como oportunidade para aprender e simplesmente perdem o interesse.

Enviado de meu XT1032 usando Tapatalk

Nikon d7000 + Nikkor 28mm 1.8g + Nikkor 35mm 1.8g + Nikkor 50mm 1.8g + Nikkor 85mm 1.8g + Flash Nikon Sb 700.


Leo Terra

  • SysOp
  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.750
  • Sexo: Masculino
  • “Deus disse: 'Haja luz'. E houve luz.” (Gen 1,3)
    • http://www.leoterra.com.br
Resposta #12 Online: 28 de Novembro de 2017, 12:43:58
E sinto q tem uma diferença enorme pra um novato hoje e um novato há 10 anos atrás

10 anos atrás qualquer comunidade online, seja fórum ou não, servia bem pra aprender com outras pessoas, quando o mesmo não tinha amigos fotógrafos, bons contatos, livros (preguiça) e sem dinheiro pra pagar um curso ou faculdade de fotografia.

Hoje o cara aprende um monte de coisas através do youtube, sites especializados (mais bem elaborados, bonitos e completos que décadas atrás) e não depende de uma comunidade pra aprender. Caso contrário, procuram um curso de esquina pouco qualificado ao invés de aprender em alguma comunidade online com conteúdo extremamente rico (como esse).

O novato de hoje sabe mais inglês que o novato de dez anos atrás, uma vez q se popularizou e mto mais pessoas foram aprender a falar a língua estrangeira. Aí o cara se depara com 4 vezes mais conteúdo. Pra que entrar no fórum? O meu caso é força do hábito. Sempre participei desde pequeno fóruns de diversos assuntos e sempre achei melhor, mesmo em pleno 2017.

Concordo. O fórum é mais profundo em termos de discussão. Mas isso sempre foi característica dos fóruns. Não penso que no passado era diferente neste sentido. Eu uso youtube e sites para aprender sobre outras áreas há tempos. Mas sempre mantive o fórum como um canal para discussões. Pois nele a comunicação ocorre nos dois sentidos. E essa demanda por comunicação nos dois sentidos existe. Vejo isso pelo meu canal no youtube, onde muita gente tenta tirar dúvidas por lá, como se fosse um fórum.
Mas isso não sana a questão da queda do interesse pela fotografia. Ao que me parece, todo aquele ímpeto trazido pelo digital, tem se esvaziado. Estamos voltando a ter uma área de nicho e não uma área popular, como tínhamos antes.

* Se eu escrever besteiras, desconsiderem.  :D *

Minha humilde opinião:

- O número de participantes ativos no fórum e até no Face caíram, mas o de inscritos nos canais de fotografia do Youtube aumentaram. Acredito que as pessoas preferem ver vídeos teóricos e práticos ao invés de ficar só na leitura.

- Não me importo em tirar dúvidas. Participo de um grupo no Face sobre fotografias de action figures, e quase sempre coloco fotos dos bastidores. Só não respondo perguntas que tem no manual de instruções da câmera. Aí tem que largar a mão de ser preguiçoso.

- Este fórum é um "oásis" no que diz respeito a fotografia, pois nos grupos do Facebook, a qualidade das discussões são de baixíssimo nível. Só aí dá pra se ter uma ideia sobre a preocupação do Leo Terra sobre a queda brutal da qualidade das fotos atuais.

- A crise econômica no país tbm desestimulou o setor. Até 2014 o fórum "bombava", principalmente a parte dos equipamentos e classificados. Hoje está parado.


Acho que vc pegou o espírito da minha preocupação. O que percebo é exatamente isso. Em 2004, quando o fórum começou, havia o Orkut e o nível das discussões era absurdamente raso. Nos primórdios do fórum não era diferente. O nível era bem baixo. Aí veio o boom, especialmente a partir de 2007. Todos os fóruns bobaram, as comunidades bombavam e o nível subiu muuuuito das discussões. Mas de 2014 para cá a coisa voltou a esfriar em todos os locais. O nível das discussões voltaram a cair novamente. Não se tem mais discussões profundas em nenhum tópico da área. Não vejo mais boas discussões sobre arte, sobre técnica, até mesmo sobre câmera. Vejo as discussões de hoje nos grupos de FB, parece um retorno a 2004, quando ninguém entendia muito do assunto e estava todo mundo engatinhando na era digital.
Me sinto como se estivesse vivendo o movimento da Terra Plana na fotografia. Rs.

Ainda temos o agravante do imediatismo, o tudo meio pronto está tbm contido nos equipamentos que proporcionam atitudes meio impensadas, inconsequentes, e porque não, vazias. A pressa: o de a poucos segundos já foi, há algo novo a cada segundo, os 15 minutos de fama viraram 15 segundos, tudo é superficial, há muita informação, muito de tudo, e dessa forma sentimo-nos saturados, esgotados, confusos.

Esse é um ponto interessante. Como professor universitário eu sinto isso na pele. Estamos formando uma geração rasa em vários aspectos do conhecimento. São incapazes de refletir e construir algo. :/
Eu penso todos os dias em como mudar isso na área de economia e gestão, mas não tinha pensado em como isso pode ter reflexo na fotografia e em sua profundidade.

Minha fotografia profissional diminuiu muito em volume. Os valores pagos pelo trabalho caíram pra 1/3 do que eu conseguia praticar antes de 2014, eu teria que trabalhar com volume pra viver disso. Como minha atividade como publicitário e designer gráfico rende muito mais para o meu sustento, resolvi não abaixar os valores de fotografia publicitária como o mercado pediu e os trabalhos diminuíram mesmo. Meu estúdio fica fechado boa parte do mês, uso ele umas 2 ou 3 vezes em um mês. Pra vc ter uma idéia, uma grande fabricante de maquinário industrial, líder mundial de mercado, me consultou para fotografar uma séria de peças grandes, de 200 a 500 kg cada, tendo que montar o estúdio dentro da fábrica. Comecei pedindo, como de costume, cerca de 500 reais a foto, baixei para 300, 200, 100... Nada adiantou, eles conseguiram fechar por 18 reais a foto. Não é mentira, DEZOITO REAIS. E sabe o que é mais assustador? As fotos ficaram excelentes, o profissional era muito competente e provavelmente foi obrigado a se submeter a estes valores pra sobreviver. Não posso julgar, em um momento de crise. Além disso, os mecanismos automáticos de fornecimento de fotografias como bancos de imagem evoluíram e se tornaram acessíveis, tirando mais mercado ainda. Mas isso é só o lado da fotografia comercial, que está em declínio no mundo todo, acredito eu, ainda mais em países em crise econômica.

Isso é uma realidade geral que tem relação com a própria queda da demanda e o fato da fotografia ser supérflua. Em momentos de crise a demanda cai drasticamente. Pode sim ser um fator inibidor para a atividade comercial na fotografia que vai afetar especialmente aqueles que não possuem alternativas, além da fotografia. Mas isso não deveria ter impacto sobre quem faz fotografia por paixão.
Eu, por um acaso do destino, deixei a fotografia profissional há algum tempo. Mas ainda fotografo e busco aprender sobre a arte. Até mesmo para fotografar com celular (hoje meu objetivo é entender os limites e a potencialidade artística de meu smartphone). Mas nem isso percebo nas gerações atuais. Tudo se resume a um filtro e o resto não importa... :(
Leo Terra

CURSOS DE FOTOGRAFIA: www.teiadoconhecimento.com



ATENÇÃO: NÃO RESPONDO DÚVIDAS EM PRIVATIVO. USEM O ESPAÇO PÚBLICO PARA TAL.
PARA DÚVIDAS SOBRE O FÓRUM LEIA O FAQ.


amador47sc

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (16)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.190
  • Sexo: Masculino
  • Aperfeiçoando o olhar em busca da melhor imagem
Resposta #13 Online: 28 de Novembro de 2017, 13:40:39
Bacana a questão levantada, Leo. Ótimo o nível dos comentários que me antecederam  :ok:

Na minha opinião, a facilidade em fotografar com celulares cada vez melhores, o acesso (basta pegar no bolso, apontar e shot), a liberdade de tirar 'x' fotos descompromissadas sem custo algum... Lembrando que 2007 ~2010 a qualidade fotográfica desses aparelhos era questionável e o número de usuários bem menor.

há alguns anos o acesso a esse tipo de conteúdo era mais na mídia escrita. Hoje a popularização dos vídeos youtube e outros meios tornou muito simples você conhecer os princípios básicos da fotografia, ajustes, tipos de câmeras e técnicas fotográficas. E é justamente essa mídia imediata que muitos procuram. Ao invés de entrar em comunidades onde a informação desejada demanda bastante leitura, a pessoa digita o que procura no youtube e vários criadores de conteúdo estão a seu dispor.

Porém, hoje temos uma facilidade enorme em registrar nosso cotidiano. Até os meus 12 anos tenho apenas meia dúzia de fotos, enquanto que meu filho deve ter 1000 vezes mais do que isso.

Sobre a fotografia profissional (que não é o meu caso), vejo que o próprio mercado se ajusta. Aqui na minha cidade deve ter uns 30 fotógrafos (a maioria fruto do boom de 2013, 14), só que apenas desses  4 ou 5 são contratados para os melhores eventos, casamentos, etc. Os demais, ficam com as sobras. Aliás, é o que ocorre na maioria das áreas onde os melhores dominam e os outros vão se canibalizando.

Agora sobre alternativas... Continuar investindo na qualidade de conteúdo, facilidade de acesso e incentivo à arte fotográfica. Mas lógico que isso é muito genérico. só o tempo dirá


RFP

  • Colunista
  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • *****
  • Mensagens: 645
  • Sexo: Masculino
Resposta #14 Online: 28 de Novembro de 2017, 13:46:24
É isso mesmo. O hype acabou, passou. Câmera dedicada vai virar artigo de nicho, para fotografia profissional. Mas a fotografia como arte continua forte. Só que o interesse massificado em discutir fotografia ficou pra trás. Não tem o que fazer, segue o jogo!