Autor Tópico: [Artigo] Astrofotografia para iniciantes  (Lida 12474 vezes)

felipemendes

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.441
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Online: 18 de Junho de 2020, 17:31:42
Estou reformulando este tópico de forma a colocar todo o conteúdo junto. Alguns tópicos iniciam com perguntas e comentários, e espero que o formato do fórum permita dar os devidos créditos em cada caso. Quem sabe este conteúdo não vira um livro em algum momento?

O artigo em si ficará no segundo post, e este primeiro post ficará dedicado a descrição das edições feitas no artigo. Como eu criei quatro posts em sequência, os seguintes ficarão reservados caso seja necessária alguma divisão mais significativa entre os assuntos.

31/7/2022:
Juntado todo o conteúdo no segundo artigo.
« Última modificação: 31 de Julho de 2022, 18:24:02 por felipemendes »


felipemendes

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.441
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #1 Online: 18 de Junho de 2020, 17:42:35
Como vimos, é importante manter o ISO bem controlado. E para ver coisas distantes, são necessárias lentes (e telescópios) longos, e são necessárias longas exposições. Neste aspecto, é necessário o uso de algum mecanismo para mover a câmera ao contrário do movimento de rotação da Terra, de forma que a câmera fique parada em relação às estrelas. O mecanismo mais simples seria um desses aqui: https://en.wikipedia.org/wiki/Barn_door_tracker . O conceito original usa um parafuso controlado manualmente e estende a exposição de uns poucos segundos até cerca de um minuto. Depois disso, erros inerentes ao mecanismo provocam divergência.

Um conceito mais refinado funciona com um relógio mecânico. Um desses já permite exposições de vários minutos:



Para se conseguir exposições de vários minutos, é necessário um alinhamento cuidadoso com o eixo de rotação da Terra. Isto é conseguido por meio de alinhamento polar, que é auxiliado por meio daquele tubinho preto, mostrado em primeiro plano acima. Aquilo é um telescópio polar. Normalmente ele possui marcações que, de acordo com a data e hora, prevê a exata localização do polo, seja no hemisfério Norte ou Sul. Isso é o que se vê quando se olha por dentro de um telescópio polar:



Neste caso, o círculo, Cassiopeia e Big Dipper são visíveis no hemisfério Norte, e as Octans são (mal) visíveis no hemisfério Sul. O alinhamento polar é essencial para o sucesso deste tipo de fotografia.

É necessário também um cuidadoso controle da rotação do mecanismo, de forma a seguir o movimento dos astros. Notar que um dia não possui 24 horas exatas, mas sim 23 horas, 56 minutos e 4.09 segundos. Este controle pode variar de controle manual, baseado no ponteiro dos segundos do relógio até motores dedicados, com câmeras auxiliares que seguem as estrelas pixel a pixel (chamadas auto-guide).

Acima das montagens manuais e mecânicas, há as elétricas, com motores de passo e entradas para a tal câmera auxiliar citada acima. Estas são classificadas, entre outras coisas, pela capacidade de carga. Montagens mais simples, como essa aqui, possuem capacidade de carca de 3 a 5 kg, não contando com o contrapeso.  Na foto, meu SkyWatcher Star Adventurer, câmera Fuji X-H1 e telescópio refrator SkyWatcher Evostar 72ED. Este conjunto já está no limite da capacidade deste tipo de equipamento.



Esta montagem possui um motor para rotação (que acompanha o movimento da Terra) e um mecanismo manual para declinação (perpendicular à rotação da Terra). Possui ainda funções de avanço “rápido” (que é bem lento, na verdade, só pra movimentações precisas), acompanhamento solar e planetário. Mas boa parte do enquadramento e acompanhamento é puramente manual.

Acima deste tipo, tem as montagens equatoriais computadorizadas (go-to equatorial mount). Eu uso uma Celestron AV-X, com capacidade de carga de 30 libras, ou cerca de 13.6 kg. Isso é suficiente para um telescópio de 8” (203mm) de diâmetro com câmeras, viewfinder e auto-guide.



Este tipo de montagem tem um banco de dados e, quando alinhado e calibrado corretamente, depois pode apontar pra maioria dos corpos celestes já catalogados. A calibração neste caso significa que, após o alinhamento, a montagem pede que se apnte pelo menos uma estrela e se centralize com o equipamento ótico (câmera, ocular, etc) para que a montagem defina as correções das coordenadas celestes para todos os astros.

Mesmo montagens caras não acompanham, por si só, a rotação da Terra com precisão. Ruído elétrico, tolerâncias mecânicas e até mesmo uma leve brisa podem fazer com que a montagem erre no rastreio dos astros. Este pequeno erro em uma exposição de 4 minutos (por exemplo) significa 4 minutos perdidos na exposição geral. Este problema é resolvido com um auto-guider, que é o próximo assunto.


felipemendes

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.441
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #2 Online: 18 de Junho de 2020, 17:48:43
O auto-guide pode controlar a montagem equatorial diretamente, por uma porta dedicada que usa um conector chamado ST-4, ou via portas USB de um computador. Ele é basicamente uma câmera pequena, de baixa resolução e boa sensibilidade, acoplada a um pequeno telescópio, fixado ao telescópio principal.

Existem kits prontos para isso, como esse aqui, que são leves e muito bons:


Eu comprei um kit igual ao acima em abril que ainda não chegou, e nem saiu da China até hoje (18/6). Como solução “barata”, mas que funcionou surpreendentemente bem, fiz um arranjo que consiste em um módulo de câmera Sony IMX290, montado em um case impresso em impressora 3d, cinza brilhoso (projeto meu, muito obrigado), e acoplada ao telescópio por um encaixe Vixen (também projetado por mim, branco e cinza brilhoso), um padrão de rabo-de-andorinha muito usado em equipamento de astronomia):



O equipamento completo fica assim:



O auto-guide (ou auto-guider, ou autoguider) permite exposições de duração indefinida, desde que não hajam perturbações, tais como ventos fortes ou nuvens. Enquanto a câmera principal fica capturando a imagem desejada durante vários minutos, a câmera auxiliar do auto-guide faz fotos muito mais curtas (1 a 2 segundos) e, a cada mudança de posição detectada das estrelas, ele faz as correções necessárias, por meio de software rodando em um PC, conectado tanto à câmera quanto ao mount:



A linha azul mostra os desvios na rotação paralela à Terra, e a linha vermelha, em relação ao eixo perpendicular. As barras mostram as correções feitas pelo software. No arranjo que mostrei acima, mostrando meu PC, digitar levemente no computador já causa aumento significativo das correções. No alto, a imagem mostrada pela câmera do auto-guide.
« Última modificação: 11 de Dezembro de 2020, 12:00:45 por felipemendes »


felipemendes

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.441
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #3 Online: 18 de Junho de 2020, 17:52:13
Finalmente, vamos falar sobre as câmeras!!!

A princípio, qualquer câmera moderna pode ser usada pra astrofoto. Como já visto, bom desempenho em ISO elevado não é necessariamente importante, embora facilite em tornar a atividade mais rápida. Mais importante é a sensibilidade ao espectro de luz. A maioria das câmeras normais é sensível ao espectro visível (do vermelho ao violeta), e capta bem as estrelas; isso inclui boa parte das galáxias (Via Láctea inclusive). Porém existe uma grande quantidade de objetos celestes cuja cor está no limite do espectro visível, pois é emitida por partículas de hidrogênio-alfa (hα), que é a transição entre dois níveis específicos de energia dos átomos de hidrogênio, e compõe a maior parte das nebulosas. Este fenômeno ocorre quando matéria (átomos de hidrogênio) se forma a partir de prótons e elétrons. Quando eles começam a "dançar" juntos, luz é emitida.

Para capturar esta luz específica, ou se usa câmeras full-spectrum, cujo filtro passa-banda é removido na frente do sensor, em conjunto com filtros especiais; ou câmeras dedicadas. Canon e Nikon possuem câmeras dedicadas para este tipo de fotografia; estas câmeras permitem uma passagem maior de luz na cor vermelha/infra-vermelho.



Pode-se usar câmeras comuns também, mas a capacidade de absorver esta luz específica é menor que em uma câmera dedicada. Ao usar uma câmeras dedicada no “mundo real”, a cor da imagem será avermelhada, sendo necessário usar um filtro específico para o uso destas câmeras para fotografia normal.

Desta forma, é necessário saber o que se quer fotografar para usar a melhor combinação câmera e filtros. O telescópio Hubble, por exemplo, fez duas fotos dos Pilares da Criação, em luz visível e em infravermelho. Olha a diferença:
Infravermelho:


Hidrogênio (vermelho), Oxigênio (azul) e Sódio (amarelo):



Além dos aspectos de imagem da câmera, há os aspectos de controle da mesma. Aqui na verdade está a maior diferença entre as marcas. A Canon está claramente à frente neste assunto, fornecendo farta base para controle da câmera por um computador. É possível automatizar as rotinas de fotos por software, e é possível analisar as imagens para indetificar astros e auxiliar no enquadramento de objetos distantes: imagine ter que enquadrar corretamente uma imagem usando um telescópio de 2500mm de distância focal sem analisar as imagens…

A Fuji, que eu uso, está bastante atrás neste aspecto. Apesar de permitir o tethering, este é bastante dificultado: ao fazer tethering, não consigo usar o intervalômetro embutido, e o modo bulb não funciona. Além disso, o sensor X-Trans é rico em verde, em detrimento do azul e vermelho das outras marcas. Há relativamente pouco verde no Universo. A Nikon está em algum lugar no meio: não tem tanta flexibilidade quanto a Canon, mas definitivamente mais que a Fuji.

Depois continuo, falando sobre tipos de telescópios e sobre técnicas de processamento de imagens.
« Última modificação: 11 de Dezembro de 2020, 12:05:45 por felipemendes »


AFShalders

  • Trade Count: (28)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.621
  • Sexo: Masculino
  • слава україна !!!
    • Old Good Light
Resposta #4 Online: 18 de Junho de 2020, 19:29:18
Show Felipe !

É bom para mostrar pra galera queAstrofoto não é simplesmente apontar a camera para o céu !


Lindsay

  • Trade Count: (19)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.001
  • Sexo: Masculino
Resposta #5 Online: 18 de Junho de 2020, 22:17:51
Show Felipe !

É bom para mostrar pra galera queAstrofoto não é simplesmente apontar a camera para o céu !
Éhhh e quem sabe o meu amigo Antonio se anima pra colocar um pouco do que sabe pra fora, não???
 :ok:
Conhecimento importa mais que equipamento.


Lindsay

  • Trade Count: (19)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.001
  • Sexo: Masculino
Resposta #6 Online: 18 de Junho de 2020, 22:19:15
Dando início a esta série sobre astrofoto, vou falar um pouco sobre equipamentos e técnicas sobre o assunto. Vamos começar com equipamentos simples, e evoluir pros casos mais sofisticados.

Pra começar em astrofoto...
Muito bom Felipe, tenho que ler com calma, muita informação, obrigado!!!
Conhecimento importa mais que equipamento.


AFShalders

  • Trade Count: (28)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.621
  • Sexo: Masculino
  • слава україна !!!
    • Old Good Light
Resposta #7 Online: 19 de Junho de 2020, 00:07:03
Éhhh e quem sabe o meu amigo Antonio se anima pra colocar um pouco do que sabe pra fora, não???
 :ok:

Haha não sou nenhum expert na área e já tem anos que não brinco mais com essas coisas, fiz bastante coisa em filme mas deu fungo em tudo, fazia em Petrópolis onde é úmido pra caramba. Fiz só umas brincadeiras com digital, mais de campo amplo.

Tive três telescópios, um refrator japonês de 60mm de diâmetro com CF de 900mm que era ótimo para observações planetárias, depois um refletor Meade de 114mm / 600mm que era uma bosta e o último foi um Celestron C90 Mak bem compacto mas muito fresco para ajustar. Os dois primeiros eu dei, e o último vendi, mais por morar no Rio e aqui ser impossível ver alguma coisa, muita luz, poluição e névoa marítima.

De vez em quando vou la para o planalto de Itatiaia e assim dá para fotografar alguma coisa interessante mesmo com digital.

Um objeto bem desafiador, que pode ser fotografado com uma teleobjetiva é a nuvem molecular de rho ophiucus. Com uma 150mm 2.8 já dá para conseguir imagens interessantes. Quando saem direitas são de um colorido incrível ! Tem dois aglomerados globulares bem na ponta da cauda do escorpião bem bacanas mas aí já precisa de uma ampliação bem maior ou um crop.

Meus "alvos favoritos"

- M45 (Pleiades, em Touro)
- M32 (Galáxia de Andromeda)
- M42 (Neb. de Orion)
- M8 (Neb. Lagoa)
- NGC 3372 (Neb. Carina)
- M6, M7 (Aglomerados globulares, cauda do escorpiao)
- NCG5139 (Omega Centauri)
- 47 Tuc

Hoje em dia com stacking fica relativamente fácil de fotografar.


Lindsay

  • Trade Count: (19)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.001
  • Sexo: Masculino
Resposta #8 Online: 19 de Junho de 2020, 11:08:22
Tem alguma coisa que possa ser fotografado de uma cidade grande como Sampa???
Conhecimento importa mais que equipamento.


Vinicius Lima

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 540
  • Sexo: Masculino
Resposta #9 Online: 19 de Junho de 2020, 11:16:10
Muito bacana, parabéns pela iniciativa. :clap:

Acompanharei atentamente. :)


felipemendes

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.441
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #10 Online: 19 de Junho de 2020, 21:26:10
Tem alguma coisa que possa ser fotografado de uma cidade grande como Sampa???

Ter, tem. Mas é bem difícil, fotografia em banda estreita. Como entra pouca luz, é difícil focar, enquadrar e as exposições são mais demoradas.


LeandroR

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.504
    • Dilone Fotografia
Resposta #11 Online: 19 de Junho de 2020, 21:56:48
Muito bacana Felipe!! Ótima iniciativa e parabéns pelo conteúdo de alto nível  :clap:


AFShalders

  • Trade Count: (28)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.621
  • Sexo: Masculino
  • слава україна !!!
    • Old Good Light
Resposta #12 Online: 20 de Junho de 2020, 09:42:18
Ter, tem. Mas é bem difícil, fotografia em banda estreita. Como entra pouca luz, é difícil focar, enquadrar e as exposições são mais demoradas.

Fora o pós processamento depois. Acho muito trabalho para pouco resultado. Em grandes cidades geralmente tem o problema de poluição atmosférica, névoa, etc.

Se morar em prédio então, aí tem vibração garantida.


AFShalders

  • Trade Count: (28)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.621
  • Sexo: Masculino
  • слава україна !!!
    • Old Good Light
Resposta #13 Online: 20 de Junho de 2020, 09:52:27
Muitos anos atrás cheguei a fazer alguns dos meus instrumentos mas é algo que demanda muito tempo e técnica, cheguei a preparer espelhos e lentes.

Um amigo da minha mãe, falecido em 2018 era engenheiro ótico e foi alto funcionário da DF Vasconcellos. Me ensinou várias coisas, cara legal. Ele tinha em casa equipamento para polir lentes, espelhos e uma câmara de vácuo e evaporador para coating, uns brinquedinhos interessantes. Mas o equipamento já não estava mais em condições de uso, nem sei o que a família fez com essas coisas depois.

Tem uma turma DIY braba em astronomia, que faz tudo que usa, mas aí tem que ter uma grana preta. Fora a parte ótica, que eu compraria pronta em partes, tem toda a parte eletrônica e mecânica que eles fazem, tipo peças feitas em equipamento CNC, corte a laser e por ai vai.

A parte ótica eu gostava muito desses caras aqui: https://www.edmundoptics.com/
Eles fabricam espelhos, lentes, suportes e tem umas oculares tipo RKE excelentes.

Resumindo dá para se divertir muito, mas exige tempo e grana.


felipemendes

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.441
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #14 Online: 21 de Junho de 2020, 03:49:16
Muitos anos atrás cheguei a fazer alguns dos meus instrumentos mas é algo que demanda muito tempo e técnica, cheguei a preparer espelhos e lentes.

Estranho a gente nunca ter se esbarrado na faculdade (pra quem não sabe, eu e o AFShalders fomos da mesma faculdade, em cursos parecidos, na mesma época). Eu cheguei a propor um projeto final conjunto: eu iria propor uma máquina pra polir espelhos, e um amigo iria propor um sistema go-to pro telescópio que iríamos fazer. No final das contas, fizemos projetos mais fáceis, pra sair logo da faculdade.

Hoje em dia eu fabrico vários dos meus adaptadores, mas nada ótico. Tudo em impressora 3d.