Autor Tópico: Fujifilm - GFX100 IR anunciada  (Lida 715 vezes)

André Sena

  • SysOp
  • Trade Count: (25)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.338
  • Sexo: Masculino
  • café & fotografia
Online: 25 de Novembro de 2020, 07:56:33
Fujifilm - GFX100 IR anunciada

https://www.fujirumors.com/fujifilm-introduces-fujifilm-gfx100-ir-infrared-version-large-format-mirrorless-digital-camera/



Previsão para 01/12/2020.


Citar


Press release:

Fujifilm Introduces FUJIFILM GFX100 IR (Infrared) Large Format Mirrorless Digital Camera

Valhalla, N.Y., November 25, 2020 – FUJIFILM North America Corporation is pleased to announce the launch of FUJIFILM GFX100 IR digital camera (GFX100 IR), a uniquely specialized version of its GFX100 large format mirrorless digital camera, now with infrared image-making capabilities, which can be produced upon order for professionals in forensic, scientific, and cultural preservation fields. Infrared images can now be made at 100MP - and even at 400MP through GFX100 IR’s new Pixel Shift Multi-Shot function - to reveal intricate details within a subject or scene that can only normally be seen through the infrared spectrum.

GFX100 IR also includes the ability to:

Make images in the infrared spectrum at an incredible 100MP or 400MP of resolution

Images made of a subject within the infrared spectrum can reveal details that a regular (non-IR) digital camera or the naked eye cannot see. For example, in the field of forensics, this can be an important tool in helping to identify counterfeit documents. For individuals working in cultural preservation, GFX100 IR can be used to analyze pigments in works of art and historical artifacts, even if they have degraded over time. Using the Pixel Shift Multi-Shot feature on GFX100 IR can create 400MP images with incredible detail and little-to-no color fringing.

“Using GFX100 IR with the Pixel Shift Multi-Shot feature is invaluable for cultural research because reviewing images in infrared could lead to unlocking the secrets of some of history's most treasured artifacts,” said Victor Ha, senior director of marketing and product development for FUJIFILM North America Corporation. “It can also be an incredibly powerful tool for researchers using the images to evaluate works of art or pieces of evidence.”

Use special filters to make images within specific wavelengths

Different IR filters in front of the camera lens can be used to make images at various wavelengths, which can reveal different details within a subject. However, using the appropriate IR cut filter will allow GFX100 IR to be used normally (i.e. in the same manner as the standard FUJIFILM GFX100 digital camera) to make regular, color images within the visible spectrum.

Additionally, when the camera is set in a fixed position and paired with Capture One or a similarly compatible software application to engage tethered capture functionality, users can create images with the same angle of view. This enables them to maintain a simple capture to output workflow for maximum efficiency.

Availability

GFX100 IR is designed for forensic, scientific, and cultural preservation applications, and the product will not be made available to general photographers or customers for personal use. GFX100 IR will only be offered by specific, Fujifilm authorized retailers, and sales of GFX100 IR will be subject to a GFX100 IR User Agreement, which sets out the specific terms of use for the camera. GFX100 IR is currently expected to be available in the first quarter of 2021.
André Sena
@sena_andre


Ernesto

  • Mecenas
  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 10.398
Resposta #1 Online: 25 de Novembro de 2020, 08:27:49
Puxa...será que era essa a "nova" GFX ?
"You can fool some of the people all of the time, and all of the people some of the time, but you can not fool all of the people all of the time."
Abraham Lincoln


André Sena

  • SysOp
  • Trade Count: (25)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.338
  • Sexo: Masculino
  • café & fotografia
Resposta #2 Online: 25 de Novembro de 2020, 08:51:10
Puxa...será que era essa a "nova" GFX ?

:ponder:

Estranho não é?

Eu também estava torcendo por uma GFX100R similar com corpo similar a 50R.

Segundo o site Fuji Rumors essa não é a câmera esperada para Q1/2021.
« Última modificação: 25 de Novembro de 2020, 09:02:05 por André Sena »
André Sena
@sena_andre


felipemendes

  • Trade Count: (9)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.946
  • Sexo: Masculino
  • A teoria sem a prática vira "verbalismo".
    • Meu Flickr
Resposta #3 Online: 26 de Novembro de 2020, 04:12:38
Bom, se puder trocar o filtro com facilidade, deve ser bem possível usar pra astrofotografia, não é?  :ponder:

Isso considerando uma montagem equatorial enorme pra caber um telescópio com abertura de MF+uma câmera dessas que não deve ser leve.
« Última modificação: 26 de Novembro de 2020, 04:14:16 por felipemendes »
Felipe


Ernesto

  • Mecenas
  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 10.398
Resposta #4 Online: 26 de Novembro de 2020, 06:48:09
Bom, se puder trocar o filtro com facilidade, deve ser bem possível usar pra astrofotografia, não é?  :ponder:

Isso considerando uma montagem equatorial enorme pra caber um telescópio com abertura de MF+uma câmera dessas que não deve ser leve.

imagino q sim

Mas acho que sensores com maior densidade de pixels, tendem a entregar um resultado melhor
« Última modificação: 26 de Novembro de 2020, 06:48:51 por Ernesto »
"You can fool some of the people all of the time, and all of the people some of the time, but you can not fool all of the people all of the time."
Abraham Lincoln


Ernesto

  • Mecenas
  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 10.398
Resposta #5 Online: 26 de Novembro de 2020, 07:13:32
Para astrofotografia, tb tem a questão de q ela é CMOD e os CCD temsensibilidade maior em IR e UV

Tb tem a questão dos sensores sem microlentes (e o aumento da sensibilidade em IR e UV)

tb tem a questão dos sensores sem filtro bayer

Muito exigente ?  :ponder:

Não.

Pq essa GFX custa 10mil USD e não vai ter a performance de uma câmera específica de astrofotografia de 3mil USD

---

Para que esta câmera, então ?
Para fotografia P&B IR mesmo: Paisagens, pessoas, etc.  Onde ela será incrivel  :worship:
« Última modificação: 26 de Novembro de 2020, 07:18:23 por Ernesto »
"You can fool some of the people all of the time, and all of the people some of the time, but you can not fool all of the people all of the time."
Abraham Lincoln


cxpostal

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.012
  • Sexo: Masculino
Resposta #6 Online: 26 de Novembro de 2020, 08:55:40


Não é a primeira incursão da Fuji nesta área:

https://en.m.wikipedia.org/wiki/FinePix_IS_Pro

Carlos


André Sena

  • SysOp
  • Trade Count: (25)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.338
  • Sexo: Masculino
  • café & fotografia
Resposta #7 Online: 26 de Novembro de 2020, 09:14:55
Não é a primeira incursão da Fuji nesta área:

bem lembrado :ok:
André Sena
@sena_andre


Fábio Kruschewsky Lemos

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 477
Resposta #8 Online: 26 de Novembro de 2020, 13:37:13

Não é a primeira incursão da Fuji nesta área:

https://en.m.wikipedia.org/wiki/FinePix_IS_Pro



Também não é a segunda incursão:

https://www.dpreview.com/articles/4180583057/fujifilm-announces-x-t1-ir-for-infrared-photography

https://www.fujifilm.com/us/en/consumer/digitalcameras/ir-camera



FUJIFILM X-T1 IR (Infrared) is the first advanced infrared X Series mirrorless camera that delivers high performance in demanding fields for technical experts, law enforcement, medical research and scientific communities. Sharing nearly identical specifications with the award-winning FUJIFILM X-T1, the FUJIFILM X-T1 IR adds advanced infrared technology to see light from the ultraviolet (UV), visible and infrared (IR) portions of the light spectrum (approximately 380nm – 1,000nm). The X-T1 IR is a premium mirrorless camera specifically designed for professionals, designed to pair seamlessly with high quality FUJINON XF lenses for reliable and outstanding forensic results.



Fábio Kruschewsky Lemos

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 477
Resposta #9 Online: 26 de Novembro de 2020, 14:28:37


Pq essa GFX custa 10mil USD e não vai ter a performance de uma câmera específica de astrofotografia de 3mil USD

---

Para que esta câmera, então ?
Para fotografia P&B IR mesmo: Paisagens, pessoas, etc.  Onde ela será incrivel  :worship:

Assim como ocorreu com a X-T1 IR em 2015, a GFX100 IR será utilizada para:

. Investigação Forense (perícia etc.);

. Museologia (Registro e preservação de obras de arte, artefatos históricos etc.);

. Aplicações científicas que requeiram o uso do infravermelho.

Segundo a própria Fuji:  "...Images made of a subject within the infrared spectrum can reveal details that a regular (non-IR) digital camera or the naked eye cannot see. For example, in the field of forensics, this can be an important tool in helping to identify counterfeit documents. For individuals working in cultural preservation, GFX100 IR can be used to analyze pigments in works of art and historical artifacts, even if they have degraded over time...".

Assim como ocorreu com a X-T1 IR, esta nova câmera será um produto controlado, com venda restrita. E, para as áreas mencionadas, quem compra o equipamento são as instituições que atuam nelas.  Dessa forma, os clientes para esta câmera serão museus e órgãos públicos como instituições científicas, forças policiais etc.

Segundo a própria Fuji: "...GFX100 IR is designed for forensic, scientific, and cultural preservation applications, and the product will not be made available to general photographers or customers for personal use. GFX100 IR will only be offered by specific, Fujifilm authorized retailers, and sales of GFX100 IR will be subject to a GFX100 IR User Agreement, which sets out the specific terms of use for the camera..."

É um público restrito? Sim, porém trata-se de um público (instituicional) que trabalha com uma demanda constante e permanente.

Em relação à mercados, a X-T1 IR nunca foi disponibilizada no Brasil, até onde consigo lembrar.  Não deverá ser diferente com esta nova câmera! 

É uma ferramenta muito específica, para um público específico / restrito.  E a Fuji sempre procurou atender este mercado.


cxpostal

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.012
  • Sexo: Masculino
Resposta #10 Online: 26 de Novembro de 2020, 14:37:55

De fato, o problema destas câmeras é que ficam restritas a um público específico, para captura do tipo *full spectrum*. Usar elas em um modo *normal* requer a compra de um filtro *ir-cut* de terceiros para ser colocado na frente ou atrás da lente. Como estes filtros tem respostas (curvas) de corte de comprimentos de onda diferentes entres os fabricantes, nem sempre o casamento com o sensor produz os mesmos resultados que o filtro original retirado produziria.  Sofro isto com uma câmera sem o filtro original que não consigo substituir.

A Sigma tem um esquema bem prático para resolver este problema. Ao invés de colocar o filtro colado ao sensor, posicionou ele de forma removível logo atrás do encaixe da objetiva, como mostra a foto abaixo. Modo *full scpectrum* com ele modo *normal* com ele.


<foto de internet>

Carlos


Ernesto

  • Mecenas
  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 10.398
Resposta #11 Online: 26 de Novembro de 2020, 15:31:33
Assim como ocorreu com a X-T1 IR em 2015, a GFX100 IR será utilizada para:

. Investigação Forense (perícia etc.);

. Museologia (Registro e preservação de obras de arte, artefatos históricos etc.);

. Aplicações científicas que requeiram o uso do infravermelho.

...

 :ok:

Eu vi que você respondeu sobre a minha opinião, então vou embasar minha resposta sobre sites especializados e não em sites de marketing.

Veja o trabalho que o marketing de certas marcas trás para empresas especializadas, obrigando que estas, criem artigos específicos para desmentí-los.

Aqui listo vários sites para estudar o assunto (fora do mundo yutubico e do marketing tendencioso):


Forensics, Medicina, Botânica e Arqueologia:

A Dalsa que tem os dois produtos CCD e CMOS e trabalha atendendo aplicações militares, e cientistas esclarece porque o CCD é mais adequado:
https://www.teledynedalsa.com/en/learn/knowledge-center/ccd-vs-cmos/

A Kolari que atua muito em UV (Forensics, Medicina e Arqueologia), se obriga a escrever um artigo específico para a Fuji, explicando porque a modidicação da Fuji não é suficiente
https://kolarivision.com/is-your-uv-bandpass-filter-really-creating-ultraviolet-images/

A MaxMax (tb especializada em forensics), também tem no site um artigo específico sobre a Fuji, explicando que a Fuji os chamou para fazer a X-T1 IR, mas eles não quiseram atendê-la
Aqui eles falam da necessidade de retirar as microlentes (e se dizem ser a única no mundo, credenciada, a fazê-lo sob normas ISO 9000).
https://maxmax.com/maincamerapage/uvcameras

Aqui a DT que é especializada em museus, também se vê obrigada a fazer um artigo específico sobra a Fuji, explicando porque as marcas deixadas pelos pixels phase, atrapalham.
https://www.dtcommercialphoto.com/battle-of-the-bands-phase-one-iq4-150mp-vs-fujifilm-gfx-100/
Agora se imagine analisando digitais de um crime com essas marcas no meio...

Eu entendo o exagero do marketing em certos sites. Para vender a qualquer custo para não-profissionais mas, isso só os queima nas áreas especializadas, pois, obrigam que as empresas especializadas tenham que abrir artigos específicos sobre a marca, para desmentí-los


----


Enfim, a GFX IR é excelente câmera para fotos P&B IR  :clap:  :worship: Eu compraria se tivesse grana sobrando :ok:
« Última modificação: 26 de Novembro de 2020, 15:46:39 por Ernesto »
"You can fool some of the people all of the time, and all of the people some of the time, but you can not fool all of the people all of the time."
Abraham Lincoln


Fábio Kruschewsky Lemos

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 477
Resposta #12 Online: 26 de Novembro de 2020, 22:49:52
:ok:

Eu vi que você respondeu sobre a minha opinião, então vou embasar minha resposta sobre sites especializados e não em sites de marketing.

Veja o trabalho que o marketing de certas marcas trás para empresas especializadas, obrigando que estas, criem artigos específicos para desmentí-los.

Aqui listo vários sites para estudar o assunto (fora do mundo yutubico e do marketing tendencioso):


Boa Noite :ok:

Agradeço se me informar quais são os "sites" de marketing a que se refere.  O único "site" que consultei foi o do fabricante da câmera

https://fujifilm-x.com/global/global-news/2020/1125_3827303/



Forensics, Medicina, Botânica e Arqueologia:

A Dalsa que tem os dois produtos CCD e CMOS e trabalha atendendo aplicações militares, e cientistas esclarece porque o CCD é mais adequado:
https://www.teledynedalsa.com/en/learn/knowledge-center/ccd-vs-cmos/


Lí o artigo deles e, sim, concordo que o CCD é superior em algumas situações:

"...At the risk of stating the obvious, imagers that are already on the market will cost much less than a full custom imager, regardless of whether it is a CMOS or a CCD imager. If customization is necessary, unless the change is minor, it is generally cheaper to develop a custom CCD than it is to develop a custom CMOS imager. CMOS imager development is generally more expensive because CMOS uses more expensive deep submicron masks. There is also much more circuitry to design in a CMOS device. As a result, even in applications where a custom CMOS imager clearly has better performance, the value proposition can still favor a custom CCD..." 

Porém, no mesmo artigo também está escrito que:

"...Although the cost to develop a new CMOS imager is higher, CMOS imagers that can leverage from larger economies of scale will have lower unit cost. With high volumes, a low unit cost can be financially more important than a low development cost..." (destaque meu)

E, não menos importante:

"...It is very costly to be left with a product that is designed around an imager that is discontinued. In spite of a better value proposition, it may be wiser to choose the company which is best able to produce the imager – CMOS or CCD – long term..." (destaque meu)

CCD é superior mas existe uma disponibilidade muito maior de CMOS no mercado.  E ai temos a questão do custo menor devido a maior disponibilidade de um determinado produto. É a questão da "economia de escala".  Adicionalmente, uma "supply chain" robusta é mais crítica para a sobrevivência de um negócio do que a superioridade técnica de um determinado produto caso não se consiga obtê-lo no momento e na quantidade necessários.

Aproveitei para olhar o catálogo deles e.... não produzem sensores de 44 x 33mm, infelizmente.  Uma pena  :no:

https://imaging.teledyne-e2v.com/content/uploads/2020/07/44031_Teledyne-e2v_CMOS_Sensor-Guide_June20_GM_v1_AW_WEB.pdf


A Kolari que atua muito em UV (Forensics, Medicina e Arqueologia), se obriga a escrever um artigo específico para a Fuji, explicando porque a modidicação da Fuji não é suficiente
https://kolarivision.com/is-your-uv-bandpass-filter-really-creating-ultraviolet-images/


A Kolari não testou a câmera e sim o "pacote de filtros" que fazia parte do "kit forense" que era vendido com a X-T1:

"...We noticed that the Fuji X-T1 forensics bundle included an old B+W 403 UV bandpass filter in their kit built for UV and IR forensic photography. Knowing the limitations of these style UV filters, we set out to test it and see if it actually works for UV photography..."

Naturalmente, compararam a solução da Fuji (kit de filtros) com as que eles vendem.

https://kolarivision.com/product/uv-bandpass-lens-filter/

Ao final do artigo, oferecem seu próprio sistema que é, obviamente, muito melhor!  :assobi:

https://kolarivision.com/product/canon-eos-rp-full-spectrum-uv-ir-camera-forensics-kit/





Business as usual



A MaxMax (tb especializada em forensics), também tem no site um artigo específico sobre a Fuji, explicando que a Fuji os chamou para fazer a X-T1 IR, mas eles não quiseram atendê-la
Aqui eles falam da necessidade de retirar as microlentes (e se dizem ser a única no mundo, credenciada, a fazê-lo sob normas ISO 9000).
https://maxmax.com/maincamerapage/uvcameras


Link errado!  Estamos falando de câmeras IR (infravermelho) e não UV (ultravioleta)

Acredito que o link certo seja este: https://maxmax.com/maincamerapage/infrared-cameras

Depois que vi as páginas abaixo, imagino que não seria realmente um bom negócio para eles "fazer a X-T1 IR":

https://maxmax.com/shopper/category/9238-ir-only-cameras

https://maxmax.com/shopper/category/9535-fuji-ir-only


Uma X-T30 IR por $ 1.599,00.  Interessante...


Aqui a DT que é especializada em museus, também se vê obrigada a fazer um artigo específico sobra a Fuji, explicando porque as marcas deixadas pelos pixels phase, atrapalham.
https://www.dtcommercialphoto.com/battle-of-the-bands-phase-one-iq4-150mp-vs-fujifilm-gfx-100/
Agora se imagine analisando digitais de um crime com essas marcas no meio...


Agradeço se me explicar o que fotografia de paisagem com baixa luz tem a ver com fotografar digitais de um crime.

Outra coisa; essa história dos "...5 stop push..." só para ficar vendo marcas de sensor PDAF já deu!  Uso mirrorless com PDAF  desde 2014 e nunca ví estas marcas nas fotos que faço.  Ok, também nunca fiz "...5 stop push..." no tratamento, talvez pelo fato de nunca ter tido necessidade de fazer isto.

Vamos lá, voltando ao assunto. Fotografando impressões digitais: 

https://spexforensics.com/applications/tips-and-tricks-for-photographing-images-with-a-forensic-light-source#:~:text=%20Tips%20and%20Tricks%20for%20Photographing%20Images%20with,camera.%20For%20Through%20the%20Lens%20%28TTL%29...%20More%20



Eu entendo o exagero do marketing em certos sites. Para vender a qualquer custo para não-profissionais mas, isso só os queima nas áreas especializadas, pois, obrigam que as empresas especializadas tenham que abrir artigos específicos sobre a marca, para desmentí-los


Agradeço novamente se me informar quais são os "sites" de marketing a que se refere.  Como escrevi lá no começo, o único "site" que consultei foi o do fabricante da câmera. 

Falando em marketing, todos as "empresas especializadas" que mencionou também possuem páginas na quais apresentam (e tentam vender) suas "soluções".  Se isto não é marketing, então não sei o que é...


Enfim, a GFX IR é excelente câmera para fotos P&B IR  :clap:  :worship: Eu compraria se tivesse grana sobrando :ok:

A questão aqui não é "ter grana sobrando" mas sim ser "elegível" para comprar um determinado produto. A não ser que você tenha seu domicílio (ou sede, se for pessoa jurídica) na América do Norte, Europa, Ásia e Oceania e que trabalhe na área forense, museológica etc; não conseguirá compra-la ainda que possa pagar por ela.  É como funciona o mercado para produtos controlados.  :ok:


« Última modificação: 26 de Novembro de 2020, 22:52:41 por Fábio Kruschewsky Lemos »


Ernesto

  • Mecenas
  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 10.398
Resposta #13 Online: 26 de Novembro de 2020, 23:34:16
Acho que vc apelou para a ironia. Uma pena.

A ciência não mudará  :ok:

Quem quiser, estude mais sobre a Kolari, MaxMax, Dalsa e DT. Empresas que atendem o mercado científico e não yutubico :ok:

Quem não quiser, fique no yutubi com seu terraplanismo, negação da COVID e achando que as eleições dos USA são tão frágeis quanto as da Venezula  :ok:


O mundo é livre  :ok:

O forum não é. Você pode falar o que quiser para defender essa marca mas, sabe que ela tem proteção e pode se esbanjar. Só pelo fato dela ter proteção tão forte, já deveriamos desconfiar...

E já me arrisquei demais  :ok:

Aqui, nem um fio de cabelo pode ser levantado sobre essa marquinha dodói que nem no Japão faz sucesso mas, aqui...arrassa  :ok:



Lhe desejo que compre uma e trabalhe com IR e UV  :ok: Será legal trocar experiências  :ok:

Boas fotos de impressões digitais ! Você já fez ? Eu já fiz !  :ok:

« Última modificação: 26 de Novembro de 2020, 23:49:30 por Ernesto »
"You can fool some of the people all of the time, and all of the people some of the time, but you can not fool all of the people all of the time."
Abraham Lincoln