Autor Tópico: Fotos no modo Av e no modo Tv da Canon  (Lida 21853 vezes)

Cleber Carvalho

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 31
Online: 31 de Agosto de 2008, 10:21:42
 :( Olá pessoal estou apanhando :fight: da minha Canon 40d :fight:..quase todoas as vezes que fotográfo no modo Tv e Av as fotos ficam sobrexposta(camiseta branca,reflexo do sol no chão e etc)  :ponder:....O que fazer ?
Comprei  a camera algumas semanas atrás,estou aprendendo tudo com vcs e lendo alguns livros citado no MF...
Esse é o meu  primeiro post, procurei algo a respeito no site mas não axei...
Desde já obrigado....
« Última modificação: 31 de Agosto de 2008, 20:01:15 por Kika Salem »


Chello

  • Trade Count: (15)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.638
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo Chello Photo Professional
Resposta #1 Online: 31 de Agosto de 2008, 10:41:22
Olá, Cleber!

Primeiramente bem-vindo ao MF!

Em primeiro lugar coloco minha opinião pessoal, a qual sei que muitos amigos foristas aqui corroboram: Fotografar em qualquer um dos modos de automatismo da cam, tira do fotógrafo o controle sobre o resultado preciso de sua foto. E é justamente isso que acontece, pois usando AV (prioridade de abertura) ou TV (prioridade de velocidade) você só é capaz de definir um dos parâmetros de exposição e com isso a cam assume o controle na decisão do restante e acredite, ela erra e muito.

Por isso, é fundamental (principalmente para você que está começando) direcionar seus estudos para utilizar a cam no modo totalmente manual.

A questão da superexposição se deve ao excesso de luz que sensibiliza a mídia, no caso o sensor da sua 40D, e assim "estoura" as altas luzes da foto.

Dê uma pesquisada primeiramente no item "fotometria". Aqui no fórum existe muito material de excelente qualidade que irá te proporcionar um excelente aprendizado. Para começar faço uso novamente (é a 3a vez este mês..rs) do texto bem esclarecedor do amigo Ivan de Almeida sobre a fotometria.

Este é o fundamento principal para você ter fotos expostas de maneira correta e não acabar caindo neste problema que por enquanto te aflinge, por enquanto!

Fotometria, Fernando, é o ato de medir a luz de um contexto com o objetivo de relacioná-la com a sensibilidade do filme ou do CCD através de regulagens de velocidade e abertura da câmera.

Alguns conceitos são importantes para se entender a fotometria. O primeiro deles é que há uma ajuste de sensibilidade esperada para uma luz referencial em todos os filmes e CCDs, exceto para os filmes Infrared ou coisa assim. Esse ajuste referencial é o chamado cinza 18%, o qual seria, grosso modo, a média esperada de reflexão dos objetos em um contexto ao ar livre. Em relação a este cinza 18% é que as sensibilidades são atribuídas.

Quando você deixa sua cãmera no automático, ela mede a média da luminosidade do quadro e seu software supõe que esta média representa o cinza 18% (é claro que pode representar ou não), e regula-se em função disso.

Nos contextos normais de iluminação isso dá certo, porém nos clássicos exemplos de objeto branco sobre fundo preto, objeto preto sobre fundo preto, objeto branco sobre fundo branco, objeto preto sobre fundo branco, o fotômetro supõe que algo seja o cinza 18% e esse algo não é absolutamente o cinza 18%. Por isso fotografar em praias, na neve ou no escuro exige outro tipo de fotometria.

Quando você, em função da medição, regula a câmera, velocidade e abertura, está na realidade fixando um EV ou Valor de Exposição, isto é, uma quantidade de luz, ou de fótons que entrará na câmera e sensibilizará o filme. O mesmo valor de exposição pode ser obtido com regulagens distintas de velocidade e abertura, desde que ao se diminuir a velocidade se reduza a abertura. Assim, a quantidade de luz permanece a mesma com uma velocidade baixa e diafragma fechado, ou com velocidade alta e diafragma aberto, mas, naturalmente, não é o mesmo resultado fotográfico o que se obtém -mas isso é outra explicação.

Voltando ao ponto, se o automático da câmera faz isso, você fará exatamente a mesma coisa no modo Manual se aceitar a fotometria da cãmera no meio certinho do fotômetro (se ele for de ponteirinho ou de barrinha). Se você aceitar a fotometria indicada, na verdade estará fazendo o papel de automático, somente que escolhendo a abertura e a velocidade. Isso também ocorre nos modos automáticos chamados Prioridade de Abertura e Prioridade de Velocidade (são modos automáticos porque embora seja você que escolha um dos parãmetros, a fotometria é feita pela cãmera).

Porém a boa fotometria não é essa, e sim a fotometria intepretativa. Você tem certa intenção ao fotografar, e regulará a cãmera não para uma exposição equivalente à automática, mas para uma exposição mais escura ou mais clara dependendo da intenção. Por exemplo: se você tiver um ratinho branco sobre fundo preto e fizer a leitura pela média, ao disparar o preto se tornará cinza claro, perto dos 18%, e o branco se tornará estourado. É preciso interpretar. Normalmente se faz isso usando a fotometria pontual e fotometrando o rato branco. Aí a câmera cometerá outro erro: pensará que o branco do ratinho é o cinza 18%. Para ficar certinho ou voc~e dará uma compensada nesse engano ou então tem na sua mochila um cartão 18% para dservir de referência, e ao invés de fotometrar o rato branco ou o fundo preto fotometrará pontualmente o cartão cinza. Se fizer isso sua foto sairá certa, o rato branco, o fundo preto.

Mas muitas vezes não temos nem o cartão nem um fotômetro pontual. O que fazer? Pois bem, isso acontece comigo muitas vezes quando fotografo com minha Kiev rangefinder, que tem fotômetro externo e medindo a luz ambiental. O que eu faço?

Pois bem, o tal cinza 18% corresponde mais ou menos à luminosidade refletida pela grama clara, ou pelo capim, ou por qualquer vegetação clara disponível. Então eu chego minha câmera perto da grama, viro o fotômetro para ela sem fazer sombra e meço a luz. E se não tiver grama? Então faço a mesma coisa com a palma da minha mão, garantindo que a palma esteja recebendo a mesma luz do ambiente que quero fotografar (sem sombra), e depois diminuo 1 ponto ou pouco menos a exposição. Parece tosco, mas sempre dá certo. Algumas vezes, quando há partes no sol e partes na sombra, faço duas medições, vejo qual é mais importante para mim e regulo em função da mais importante, mas um pouco para o lado da outra.

O que quero mostrar com isso é que não existe fotometria certa, mas sim fotometria em função do que você quer conseguir. Algumas câmeras, como as Canons compactas, mostram no LCD uma imagem e funcionam na base do "what you see is what you get". Aí é fácil conseguir interpretar. Basta colocar a fotometria em modo spot e ir passeando o centro da lente pelo quadro, observando a mudança das cores e tons da imagem até ela ficar a gosto.

Deu para entender?

Pesquise, estude bastante e continue aqui pois a boa vontade sempre está presente e muito você irá aprender aqui no MF!

Forte Abraço!

« Última modificação: 31 de Agosto de 2008, 10:44:59 por Chello »
Chello
Fotojornalista
Canon Professional

Instagram: @chellofotografo


Davi Sato

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.033
  • Sexo: Masculino
    • Flickr
Resposta #2 Online: 31 de Agosto de 2008, 11:16:17
Pois bem, o tal cinza 18% corresponde mais ou menos à luminosidade refletida pela grama clara, ou pelo capim, ou por qualquer vegetação clara disponível. Então eu chego minha câmera perto da grama, viro o fotômetro para ela sem fazer sombra e meço a luz. E se não tiver grama? Então faço a mesma coisa com a palma da minha mão, garantindo que a palma esteja recebendo a mesma luz do ambiente que quero fotografar (sem sombra), e depois diminuo 1 ponto ou pouco menos a exposição. Parece tosco, mas sempre dá certo. Algumas vezes, quando há partes no sol e partes na sombra, faço duas medições, vejo qual é mais importante para mim e regulo em função da mais importante, mas um pouco para o lado da outra.

Essa dica do Ivan costuma dar bastante certo! Como disse o Cello, melhor mesmo ir pesquisando pra aprender a usar o modo manual da sua cam.
Canon 6D / Canon 24-104 f/4 / Pentax K10d / Sigma 28-70 f/2.8 / Pentax 18-55 / Pentax 50-200.
São Gotardo – MG


Cleber Carvalho

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 31
Resposta #3 Online: 31 de Agosto de 2008, 12:08:24
Muito obrigado pela atenção de vcs, fico grato pelas dicas e vou por em pratica...
Abraço ....


rogerio_prazeres

  • Trade Count: (1)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.171
  • Sexo: Masculino
Resposta #4 Online: 31 de Agosto de 2008, 14:01:20
Eu acho o modo Av bem interessante, pois dá um bom controle sobre a foto e ao mesmo tempo se aparecer uma cena interessante dá pra fotografar sem perder a oportunidade, o que muitas vezes pode acontecer no modo M.

Porém é preciso saber usá-lo, saber que tipo de medição a cam está fazendo (matricial, media ou pontual) e tb se não está em situações limites.
Exemplos:
Se vc fotografar alguém de branco em Av com f/5.6 num dia de sol mesmo a máxima velocidade do obturador pode estourar a cena (a 40D piscaria a velocidade no visor indicando que é impossível alcancar a exposição correta).
Ou se a cena for muito contrastada e estourar a latitude do sensor... algo vai ter que ser sacrificado e nenhum modo salvaria a foto.

Mas nenhum dele vai substituir o conhecimento de fotometria e portanto seguir essas dicas dadas pelo Chello, Davi, Ivan e estudar um pouco é a melhor opção.
Já entendendo um pouco de fotometria pode usar o botão <*> da sua cam. Ele trava a exposição por alguns segundos e é um bom jeito de fotometrar corretamente em modo Av, desde que saiba o que está fazendo.

Abraço.
Agora dirigindo um fusquinha das DLSR... Canon D30  :wub:

rogerio_prazeres@yahoo.com.br


jesieltrevisan

  • Trade Count: (3)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.655
  • Sexo: Masculino
  • Harmonize-se
Resposta #5 Online: 02 de Setembro de 2008, 08:50:17
Pois bem, o tal cinza 18% corresponde mais ou menos à luminosidade refletida pela grama clara, ou pelo capim, ou por qualquer vegetação clara disponível. Então eu chego minha câmera perto da grama, viro o fotômetro para ela sem fazer sombra e meço a luz. E se não tiver grama? Então faço a mesma coisa com a palma da minha mão, garantindo que a palma esteja recebendo a mesma luz do ambiente que quero fotografar (sem sombra), e depois diminuo 1 ponto ou pouco menos a exposição. Parece tosco, mas sempre dá certo. Algumas vezes, quando há partes no sol e partes na sombra, faço duas medições, vejo qual é mais importante para mim e regulo em função da mais importante, mas um pouco para o lado da outra.

Essa dica do Ivan costuma dar bastante certo! Como disse o Cello, melhor mesmo ir pesquisando pra aprender a usar o modo manual da sua cam.

Esta de usar a palma da mão é novidade para mim... muitas vezes não tem mesmo um capim disponível... vou testar.

 :D
Canon EOS 5D + BG-E4 + Canon EOS Kiss (300D) 
Canon EF 50mm f/1.8 mk I + Canon EF 100mm f/2 + Canon EF 28-70mm  f/3.5~4.5 II + Sigma 18-50mm f/2.8 DC EX  + 430EX II
--
Dúvida sobre as regras do fórum? --> REGRAS GERAIS
Dúvidas gerais? -->FAQ