Autor Tópico: [ARTIGO] - Do Espaço Negativo  (Lida 4385 vezes)

Mr. Hyde

  • Trade Count: (4)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 16.575
  • Sexo: Masculino
    • Faceboock
Online: 30 de Junho de 2012, 13:09:39
Espaço negativo é um conceito artístico presente em vários ramos distintos das artes, p. ex., pintura, escultura, gravura, design, e pode ser definido como todo o espaço ocupado em torno do motivo principal. Em fotografia, podemos falar que é toda área ao redor do motivo principal, que pode ser chamado de espaço positivo, e que serve de complemento a este. A delimitar o espaço negativo temos os limites físicos do frame e o próprio motivo principal. De se notar que o espaço negativo, embora limite o espaço positivo não se opõe a ele, ao contrário, dialoga com este para complementá-lo e tornar a fotografia melhor palatável aos olhos. De maneira geral, tudo aquilo que se encontra no mesmo plano focal do motivo é também considerado espaço positivo, mas há formas de “mascará-lo”, fazendo convergir a atenção do observador em um único ponto focal da foto, concentrado assim o olhar no motivo principal, induzindo a interpretação do observador naquilo que reputamos importante no frame.

O exemplo mais celebre de utilização de espaço negativo como complemento ao motivo principal se encontra na gravura “O vaso de Rubin”, amplamente conhecido nos estudos de designs:



O conceito demonstrado pelo dinamarquês Edgar Rubin é facilmente aplicável na fotografia.

A utilização do espaço negativo é uma das competências necessárias para uma boa composição. Se aliado a outros recursos composicionais, como desfoque, contraste, regra dos terços, etc..., poderá dar mais ênfase ao assunto principal, bem como mais força à própria composição ao isolar o motivo principal na composição. O efeito visual apresenta ao observador o motivo principal no frame em uma composição mais limpa, não deixando margem para dúvidas quanto ao ponto focal da imagem.

Comumente o espaço negativo ocupa parcialmente o frame e dialoga com o motivo principal para dar a este destaque, complementando-o. A utilização do espaço negativo não pode ser encarada como um fim em si mesmo, sob pena de não haver ponto focal no frame, o que não traria qualquer espécie de atenção à foto. Da mesma forma, se deve evitar a composição sem uma área para o olho percorrer livremente. É muito tentador compor uma fotografia colocando em cada centímetro quadrado disponível algo interessante, mas esse foto seria muito confusa, não tendo um ponto focal de interesse e não prendendo a atenção do observador. Portanto, ambos os extremos devem ser evitados: a ocupação total do frame pelo espaço negativo e a ocupação total do frame pelo(s) motivo(s) principal(is), sob pena de não haver uma área distinguível de interesse na fotografia.

Como dito acima, en passant, é o espaço negativo que ajuda a fixar um ponto focal no frame, individualizando o motivo principal, destacando-o na composição fotográfica. Este é um recurso muito comum na fotografia. Atrair o olhar do observador a um determinado ponto de interesse na foto através do preenchimento do espaço disponível com o espaço negativo. Assim, toda a atenção se fixará naquele ponto especificado pelo fotógrafo como sendo o ponto focal da imagem porque o espaço negativo “induzirá” o olhar do observador para esse posto específico.

O espaço negativo serve, também, para dar “espaço” para o olhar se deslocar por toda a extensão do frame, fornecendo um roteiro para o olhar perscrutar todo o frame fotográfico.

Diferentemente do que se possa pensar inicialmente, o espaço negativo não é exclusivamente uma área livre de informação, muito embora esse recurso seja amplamente utilizado. Pode-se perfeitamente acrescentar informação ao espaço negativo, sejam de texturas, de cores, de tons, de formas, contudo nessa área não residirá o interesse maior da foto. Ela servirá mais como um apoio, um complemento ao espaço positivo.

Assim, o espaço negativo se mostra nas mais diversas apresentações. Pode estar fortemente desfocado, como numa macrofotografia; pode estar sem nitidez por motion blur, como num panning horizontal; pode estar num gradiente de cor, como numa paisagens com céu polarizado; pode estar contido na textura da pele do rosto, como em um retrato em close up, etc...

As fotografias minimalistas, por sua própria concepção estilística, nos mostram quão poderoso pode ser a utilização do espaço negativo na composição fotográfica, embora não se restrinjam unicamente a este estilo fotográfico:


Tenebrismo - Tenebrism por *Mr. Hyde*, no Flickr

A imagem acima passa a ganhar destaque pela grande quantidade de espaço negativo ao redor do motivo principal. Aqui, o espaço negativo concentra toda a atenção do observador no motivo principal da fotografia.

Mas como dito anteriormente, o espaço negativo pode ser preenchido com informação complementar ao espaço positivo, como no exemplo abaixo:


Flor de Dente de Leão - Dandelion Flower por *Mr. Hyde*, no Flickr

O recurso utilizado nesse caso específico é o forte desfoque com a seleção de um DOF extremamente curto, para isolar o motivo principal no frame fotográfico.

Um exemplo extremamente fácil de ser notado da importância da utilização do espaço negativo na composição em um frame é no cinema. Quantos de vocês não se surpreenderam positivamente com as imagens de um filme, por suas ricas composições, e se decepcionaram enormemente ao rever o mesmo filme na tela da TV, com a perda da proporção 16:9? A tela de TV na proporção 1.85:1 requer que o frame cinematográfico seja “cortado” para caber as informações principais em sua restritiva tela, perdendo com isso boa parte do espaço negativo concebido pelo Diretor de Fotografia do filme.

Dominar o espaço negativo pode levar algum tempo e vários erros antes de um bom acerto. Estamos tão acostumados a focalizarmos nossa atenção ao objeto principal de uma cena que pode parecer estranho tratá-lo quase como um adendo composicional. Mas é um exercício muito válido, conjuntamente com outras técnicas de composição, para elevar o patamar de nossas fotografias.

Experimente!

Autor: Mr. Hyde
Disponível em: Mundo Fotográfico

PS: Caso tenha interesse em republicar em outros sites favor manter as 2 linhas de créditos acima, inclusive com os links.
« Última modificação: 07 de Fevereiro de 2013, 10:54:27 por Mr. Hyde »

____________________
"Deus perdoe o Mal que habita em mim" M. Nova


mad666

  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.828
  • Sexo: Masculino
  • "Aprendendo a cada dia..."
Resposta #1 Online: 05 de Fevereiro de 2013, 03:45:56
Artigo show!!!! Nao conhecia esse conceito das artes visuais, mas intuitivamente, procurava sempre desfocar o espaço negativo para isolar o assunto da foto, como na foto de Hyde!

Parabens! :clap:
"Um dia, crio coragem e me torno profissional!"

Duvidas!!!??? Agora, nada de mensagem pessoal. Use o forum!!!!


vrsilva

  • Trade Count: (1)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.805
  • Sexo: Masculino
    • Vinícius Ribeiro.
Resposta #2 Online: 05 de Fevereiro de 2013, 12:13:16
Excelente, finalmente um artigo que eu consegui extrair algo de verdade, muito bom, por coincidência fiz uma foto assim no sábado... Sem querer...
Obrigado Hyde!
Vinícius Ribeiro
http://www.flickr.com/photos/vrsilva85/
----------------------------------------------------------------------------------
Canon 350D 18-55mm f3.5/5.6
Yashica Electro 35 GTN 45mm/f1.7


clac

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 857
  • Sexo: Masculino
Resposta #3 Online: 14 de Fevereiro de 2013, 13:23:19
Favoritado