Autor Tópico: Iraniano registra luta da irmã contra o câncer  (Lida 1161 vezes)

Marcelo Rezende

  • Trade Count: (16)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.756
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo Rezende Fotografia
Resposta #15 Online: 05 de Maio de 2013, 22:19:53

Eu também sei que não conseguiria, precisa de muita firmeza e até um tanto de frieza para fazer isso. Eu tendo bem mais pro lado emocional, e certamente não teria equilíbrio para um trabalho desses.


No Wedding Brasil teve um fotógrafo palestrante que registrou os últimos momentos de vida da sua avó (ou tia-avó, não lembro direito), e depois ainda fotografou os rituais desde a morte até o enterro. Depois disso ele se distanciou da fotografia, praticamente desistiu de tudo, até descobrir a fotografia de casamentos...

Ta ai um assunto que sempre penso...existem culturas onde se tem por habito registrar os enterros, ou rituais similares?
O que vcs pensam?
 
M Rezende


Portela 2011

  • Trade Count: (3)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 8.542
  • Sexo: Masculino
Resposta #16 Online: 05 de Maio de 2013, 22:58:58
 O post do Hyde ainda não tinha visto, o outro já. Ambos densos, respeitosos, cada um com seu perfil. Acredito que esta diferença, até pelas custuras dos dois fotógrafos.

Penso o seguinte, psicologicamente é difícil, não sei se conseguiria ou não. Mas, pode ser uma forma de mitigar a dor, para o fotógrafo. Pois querendo ou não, vem registrando a luta de um ente querido.

Em situações inversas, venho fotografando minha filhas desde que saiu da UTI Neo, aos 67 dias de vida. Infelizmente era proibido fotografar dentro da unidade. Na época não pensei no caso, até porque tinha outras milhares de preocupações. Hoje, penso diferente, gostaria de ter imagens da força na minha menina quando lutou bravamente pela vida. Tenho as fotos do desenvolvimento e evolução dela, pela sequela que ficou desta faze. Quando vejo as primeiras fotos, não sinto dor, mas sim orgulho da bravura natural que ela teve e tem. Acredito, que duranto o processo, o fotografo poder ter um estímulo temporal inverso ao que tenho. De registrar não a morte, mas a luta e a força de uma pessoa que luta pela vida, e da saudade e lição de vida que deixa.

Mas tudo é especulação. Acho que cada um encara isso de forma diferente. Nào há o que criticar no posicionamento individual.  :ok:


Pope

  • SysOp
  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.205
  • Sexo: Masculino
    • Renato Pope
Resposta #17 Online: 06 de Maio de 2013, 07:51:50
Eu sigo um cara um YouTube, provavelmente muitos aqui já viram algum tutorial dele, o Jared Polin.
Ele fez um trabalho semelhante com a mãe dele.
Neste link do site dele ele fez um vídeo, emocionante, e mostrou as fotos que ele fez!
"If you wanted a cheap profession to get into you picked the wrong one."Zack Arias
Flickr


jaso

  • Trade Count: (5)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 484
Resposta #18 Online: 06 de Maio de 2013, 08:41:26
Realmente, a serie ficou muito interessante, e não sei se seria a palavra certa mais muito bonita, no sentido em que ele retratou de forma muito sutil os momentos, de forma realmente muito respeitosa, afinal numa situação dessas, vai existir uma linha muito tênue entre você ser julgado de forma sensacionalista (Um irmão querendo aparecer em cima da doença da própria irmã, sempre tem os que iram pensar assim) e de forma a transmitir um recado respeitoso, retratar como é difícil a luta contra essa doença que vem fazendo cada vez mais vitimas no mundo..... EMHO ele consegui fazer de forma muito respeitosa, e com um trabalho fotográfico sensacional.... 


Marcelo Rezende

  • Trade Count: (16)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.756
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo Rezende Fotografia
Resposta #19 Online: 07 de Maio de 2013, 19:12:58
Ta ai um assunto que sempre penso...existem culturas onde se tem por habito registrar os enterros, ou rituais similares?
O que vcs pensam?
 
M Rezende

E sobre o funeral? Alguma cultura, local, grupo que registra?    :ponder:

Rezende