Autor Tópico: Filme deve acompanhar a foto?  (Lida 1915 vezes)

eliverto

  • Trade Count: (1)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 316
  • Sexo: Masculino
    • FLICKR
Resposta #15 Online: 31 de Julho de 2006, 08:31:49
O fotógrafo vende as impressões da foto, não o filme. A menos que isto esteja especificado em contrato, não se entrega filme.
U,a história que li num tópico semelhante em outro fórum foi aquela em que o fotógrafo foi condenado a entregar os negativos a um cliente de casamento. Entregou todo perfurado.  
Eliverto Scherer<br /><br />


AluiZio

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 258
  • Sexo: Masculino
  • D800 105 1:2.8G ED 28~300 1:3.5-5.6 G 50 1:1.4D
    • https://www.flickr.com/photos/aluizioderizans/
Resposta #16 Online: 31 de Julho de 2006, 09:37:03
Citar
Citar
Tenho uma quantidade razoável de negativos de antigos, a maioria de clientes que não sei mais nem onde vivem ou moram. Trabalhos de cinco, seis anos atrás que dão uma trabalheira (e custo) enorme para conserva-los.

Por isso, faço uma pergunta: pela tradição eu sou o fiel depositário de um trabalho que fiz, fui pago e recebi, para uma terceira pessoa. Então, e se por acaso se detiorarem ou (Deusme livre) houver um incêncio ou uma inundação?

E outra? E se não tiver acontecido nada disto e eu resolver destruir todos?

É isso aí!

Já pensou em comprar um scanner de filme?
Ou digitalizar tudo?
Dá para guardar em um HD (que se for analisar é um pequeno espaço e não tem poeira e pouco perigo de perda, mas na pior da hipóteses, grave também em DVD's ou em outro HD)

Abraços,

Renato
Bem, Renato, seria uma solução sim, mas, o que eu questiono é o gráu e nível de responsabilidade em ter que guarda-los.

E aonde vamos parar investindo em arquivos mortos e muitas das vezes desprezados pelos clientes?

Como eu disse antes, acho que esta prática se baseia em uma tradição ou regra nunca escrita, talvez do tempo em que fotografia e fotografos não eram como hoje tão divulgada e tantos praticantes.

Mas, permanece a questão: e se um incêndio, ladrão, o seja lá o quefor destruri todos os negativos de terceiros que estiverem em meu arquivo.

Como é que a coisa vai ficar?

Desta discussão de agora estou tirando uma conclusão que não sei se será a melhor, mas, parece a mais prática: incluir no preço (sefor o caso) uma taxa de ganhos futuros e entregar tudo ao cliente.
AluiZio -


fábioMeireles

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 70
    • http://
Resposta #17 Online: 03 de Agosto de 2006, 03:08:30
Citar
Citar
Citar
Tenho uma quantidade razoável de negativos de antigos, a maioria de clientes que não sei mais nem onde vivem ou moram. Trabalhos de cinco, seis anos atrás que dão uma trabalheira (e custo) enorme para conserva-los.

Por isso, faço uma pergunta: pela tradição eu sou o fiel depositário de um trabalho que fiz, fui pago e recebi, para uma terceira pessoa. Então, e se por acaso se detiorarem ou (Deusme livre) houver um incêncio ou uma inundação?

E outra? E se não tiver acontecido nada disto e eu resolver destruir todos?

É isso aí!

Já pensou em comprar um scanner de filme?
Ou digitalizar tudo?
Dá para guardar em um HD (que se for analisar é um pequeno espaço e não tem poeira e pouco perigo de perda, mas na pior da hipóteses, grave também em DVD's ou em outro HD)

Abraços,

Renato
Bem, Renato, seria uma solução sim, mas, o que eu questiono é o gráu e nível de responsabilidade em ter que guarda-los.

E aonde vamos parar investindo em arquivos mortos e muitas das vezes desprezados pelos clientes?

Como eu disse antes, acho que esta prática se baseia em uma tradição ou regra nunca escrita, talvez do tempo em que fotografia e fotografos não eram como hoje tão divulgada e tantos praticantes.

Mas, permanece a questão: e se um incêndio, ladrão, o seja lá o quefor destruri todos os negativos de terceiros que estiverem em meu arquivo.

Como é que a coisa vai ficar?

Desta discussão de agora estou tirando uma conclusão que não sei se será a melhor, mas, parece a mais prática: incluir no preço (sefor o caso) uma taxa de ganhos futuros e entregar tudo ao cliente.
Eu sempre faço assim:

Fotografo com filme e com digital o mesmo evento, geralmente eu com o filme e minha assistente-namorada com a digital.

No outro dia mando digitalizar os negativos num minilab e acrescento tudo num cd ou dvd, além do hd, é claro. Os negativos vão para uma caixinha de madeira, no armário.

Depois de escolher, formatar, revelar, encadernar e entregar, apago do hd e fico só com o cd ou dvd.

Sempre aviso ao cliente que existe riscos, embora remotos de perder os originais. Aviso que hoje em dia as mídias são mais voláteis, etc. Peço a ele que tenha certeza de que não quer mais nenhuma cópia.

Muitos clientes já tentaram me passar a perna, pedindo um cd com as fotos, até mesmo antes de solicitar as ampliações.

Depois que entrego o álbum, pego as fotos que nele entraram e corto 800x600px, coloco meu nome tipo marca d'água e entrego ao cliente num cd.

Nunca tive problema com cliente solicitando negativo, graças a Deus.
Fábio Meireles
Site: http://www.fabiomeireles.com
E-mail: fabio@fabiomeireles.com
MSN: fabiomeireles@hotmail.com
Fotos: http://www.flickr.com/photos/fabiomeireles
Orkut: http://www.orkut.com/Profile.aspx?uid=7025941956270903555


AluiZio

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 258
  • Sexo: Masculino
  • D800 105 1:2.8G ED 28~300 1:3.5-5.6 G 50 1:1.4D
    • https://www.flickr.com/photos/aluizioderizans/
Resposta #18 Online: 03 de Agosto de 2006, 11:01:20
pego as fotos que nele entraram e corto 800x600px, coloco meu nome tipo marca d'água e entrego ao cliente num cd.

O Fábio mostrou uma forma bastante válida de resolver o assunto (não acho que seja um problema).  
AluiZio -