Autor Tópico: Dúvida - Uma lente 2.8 será sempre 2.8?  (Lida 5538 vezes)

Ashkenazzi

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 567
  • Casei com a Canon, mas a Nikon é minha amante...
Resposta #75 Online: 29 de Setembro de 2013, 11:09:12
Uma lente 2.8 terá um comportamento diferente quando usada com teleconversor. Se usares um teleconversor 2x, por exemplo, ao invés de 2.8 ela se comportará como 5.6 quanto a luminosidade, porém se comportará como 4.0 no que diz respeito a profundidade de campo. Preciso procurar de novo a fonte desta informação, mas esta mostra a idéia. Outro exemplo, a lente Canon MP-E 65 1x-5x macro, tem menor abertura em f16, mas quando em modo 5x (completamente extendida) a abertura efetiva é f96 (página 8 do manual). No caso da MP-E 75. Deste modo, nestes casos pode-se afirmar que uma 2.8 nem sempre será 2.8, tampouco a mudança é linear com respeito a luminosidade e profundidade de campo.
Tem razão !  :ok:
As macros principalmente tem essa caracteristica.
« Última modificação: 29 de Setembro de 2013, 11:10:32 por Ashkenazzi »
Nikon D800E + MB-D12 + SB-910 com AF-S NIKKOR 85mm f/1.4G + AF-S NIKKOR 24mm f/1.4G ED
Canon EOS 1D X com EF 24-105mm f/4L IS USM + EF 100-400mm f/4.5-5.6L IS USM
Sony Camcorder HDR-FX1000
Testes com 3 lentes 85mm diferentes em bokeh e luzes: http://www.flickr.com/photos/103484384@N04/


jauvane

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • *****
  • Mensagens: 1.991
  • Sexo: Masculino
Resposta #76 Online: 29 de Setembro de 2013, 13:34:50
A propósito, um livro que recomendo a todos é o seguinte:
Science for the Curious Photographer: An Introduction to the Science of Photography. A pessoa fica sabendo o motivo pelo qual o equipamento se comporta do modo que se comporta, bem como limites físicos que impactam em qualidade da imagem e afins.
JVc.


Ashkenazzi

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 567
  • Casei com a Canon, mas a Nikon é minha amante...
Resposta #77 Online: 30 de Setembro de 2013, 00:18:09
A propósito, um livro que recomendo a todos é o seguinte:
Science for the Curious Photographer: An Introduction to the Science of Photography. A pessoa fica sabendo o motivo pelo qual o equipamento se comporta do modo que se comporta, bem como limites físicos que impactam em qualidade da imagem e afins.
Linka uma foto em F96 ae ! queria muito ver isso ! Deve ser um teste legal para ver difração.
Nikon D800E + MB-D12 + SB-910 com AF-S NIKKOR 85mm f/1.4G + AF-S NIKKOR 24mm f/1.4G ED
Canon EOS 1D X com EF 24-105mm f/4L IS USM + EF 100-400mm f/4.5-5.6L IS USM
Sony Camcorder HDR-FX1000
Testes com 3 lentes 85mm diferentes em bokeh e luzes: http://www.flickr.com/photos/103484384@N04/


jauvane

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • *****
  • Mensagens: 1.991
  • Sexo: Masculino
Resposta #78 Online: 30 de Setembro de 2013, 01:01:19
A MP-E 65 a 1x na 7D é na verdade 1.6:1, que deixou a imagem apertada para caber a vespa inteira:


Depois pegarei alguma a 5:1 (que vira 8:1 na 7D) f16 (que vira f96). Não aparecerá difração, pois a lente é feita para isso, mas o flash torna-se absolutamente necessário Caberia pouco mais que a cabeça da vespa, se ela me permitisse chegar tão perto, é claro...
JVc.


jauvane

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • *****
  • Mensagens: 1.991
  • Sexo: Masculino
Resposta #79 Online: 30 de Setembro de 2013, 22:34:50
Ok, dei uma parada hoje à noite e fiz algumas fotos com a MP-E 65 a 5x f16 (equivalente a f96) com a 7D e o Flash MT-24EX. A foto do setup foi feita com uma compacta. Como objeto fotografei o alumínio escovado das costas de um iPad 2 e uma cédula nova de R$2. O alumínio escovado coloquei no link a imagem original, as demais diminuí em 50% os JPEGs do link. Abaixo aparecem imagens reduzidas do que está no link. Nenhum tratamento feito. Trabalhar a 8:1 idealmente seria em uma bancada, pois o tripé da foto não é sólido o suficiente (o conjunto, incluindo o trilho de foco, pesa bastante). Fiz as fotos muito rápido, O foco poderia ter sido melhor trabalhado, mas serve ao propósito deste assunto...

Setup:


Aço escovado do iPad (o foco ficou mais na parte de cima da imagem):


Cédula de R$2, arco superior do número 2 (note o alto relevo da impressão):


Cédula de R$2, "RE" de REAL:


Cédula de R$2, TARTARUGA:


Cédula de R$2, Assinatura:


Cédula de R$2, Aresta à direita:
« Última modificação: 30 de Setembro de 2013, 22:55:48 por jauvane »
JVc.


Karoll

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 33
  • Sexo: Feminino
Resposta #80 Online: 30 de Setembro de 2013, 22:57:45
Fantástico ! Adorei !


dimigobbo

  • Trade Count: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.698
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #81 Online: 30 de Setembro de 2013, 23:12:20
As lentes macros, principalmente essa Canon MP-E 65mm f/2.8 (não conheco outra), funciona como um "tubo extensor". Sendo assim, ao "esticar" toda a lente pra conseguir o maximo de amplicação, aumenta a distancia (o tubo por onde vai passar a luz) em 5x e, assim, a abertura será proporcionalmente menor.

Mas isso não faz a lente deixar de ser f/2.8 quando em estado "normal".

É como colocar um tele-converter em uma 70-200mm f/2.8: automaticamente a camera faz a conta da abertura maxima com aquele TC.

 :assobi:

Esse assunto já era pra ter acabado, mas nego fica dando pano pra manga e falando asneira.

Abcs
"If your pictures aren't good enough, you're not close enough"

RTFM


jauvane

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • *****
  • Mensagens: 1.991
  • Sexo: Masculino
Resposta #82 Online: 30 de Setembro de 2013, 23:18:44
Em vermelho a posição aproximada das fotos na nota de R$2

Frente:


Verso:


No iPad foi a paret que mosta o número do modelo, logo abaixo de "California" do "Designed in California" que aparece bem pequeno no verso, onde quase não dá para ler nada.
JVc.


Karoll

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 33
  • Sexo: Feminino
Resposta #83 Online: 30 de Setembro de 2013, 23:20:52
As lentes macros, principalmente essa Canon MP-E 65mm f/2.8 (não conheco outra), funciona como um "tubo extensor". Sendo assim, ao "esticar" toda a lente pra conseguir o maximo de amplicação, aumenta a distancia (o tubo por onde vai passar a luz) em 5x e, assim, a abertura será proporcionalmente menor.

Mas isso não faz a lente deixar de ser f/2.8 quando em estado "normal".

É como colocar um tele-converter em uma 70-200mm f/2.8: automaticamente a camera faz a conta da abertura maxima com aquele TC.

 :assobi:

Esse assunto já era pra ter acabado, mas nego fica dando pano pra manga e falando asneira.

Abcs
Mas entao se a gente puser um tubo extensor eu economizo $$ e fica igual ?


Jauvane, agora vi a nota inteira ! Pirei nessa sua foto ! D++++
« Última modificação: 30 de Setembro de 2013, 23:22:58 por Karoll »


jauvane

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • *****
  • Mensagens: 1.991
  • Sexo: Masculino
Resposta #84 Online: 30 de Setembro de 2013, 23:29:03
As lentes macros, principalmente essa Canon MP-E 65mm f/2.8 (não conheco outra), funciona como um "tubo extensor". Sendo assim, ao "esticar" toda a lente pra conseguir o maximo de amplicação, aumenta a distancia (o tubo por onde vai passar a luz) em 5x e, assim, a abertura será proporcionalmente menor.

Mas isso não faz a lente deixar de ser f/2.8 quando em estado "normal".

Não exatamente... A MPE65 a 1x em f2.8 ela já é equivalente a f5.6... Para a câmera ela vê f2.8, mas dada as características da lente (que inclui o tubo de extensão embutido e a lente invertida), efetivamente ela se comporta como f5.6, chegando a f96 quando fechada a f16. Olhe a página 9 (ENG-8) do manual da lente.

Citar
É como colocar um tele-converter em uma 70-200mm f/2.8: automaticamente a camera faz a conta da abertura maxima com aquele TC.

Sim, a idéia é similar.
JVc.


jauvane

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • *****
  • Mensagens: 1.991
  • Sexo: Masculino
Resposta #85 Online: 01 de Outubro de 2013, 21:22:06
Mas entao se a gente puser um tubo extensor eu economizo $$ e fica igual ?

Não, não é bem assim. Um tubo de extensão é um acessório singelo. Uma opção barata para quem deseja fazer foto macro. Outra opção é a pessoa montar uma lente invertida, com o elemento frontal encostado na câmera e o lado oposto virado para fora. A MPE-65, simplificando a coisa, é como se fosse uma composição das duas coisas, mas não é exatamente a mesma coisa, pois o elemento frontal dela se move à medida que a lente é extendida (ela aumenta em mais de 3x entre o modo 1x e 5x). Ela permite que a pessoa convenientemente selecione qualquer fator de ampliação, desde 1x (1:1) até 5x (5:1, que em um sensor APS-C é na verdade de 1,6x a 8x).

Citar
Jauvane, agora vi a nota inteira ! Pirei nessa sua foto ! D++++

Para quem gosta de foto macro esta objetiva é impressionante! Precisas ver fotos que mostram os pelos do braço de uma pessoa, ou a textura da pele... Lembro que tenho umas destas aqui no disco. Foi uma das primeiras que tirei, quando recebi a MPE65. Dá para ver o formato dos pelos (uns ovalados, outros arredondados, outros meio retangulares). Já a pele é bem estranha. As fotos que tirei a bastante tempo são ruins, pois à época eu não tinha ainda o flash macro e estava ainda me acostumando com a objetiva. Vou ver se repito o experimento qualquer dia destes e coloco por aqui. Com ela podemos ver o que não é possível a olho nu...

É possível, entretanto, chegar a ampliações ainda maiores, usando foles e afins. A um tempo atrás comprei um fole, mas ainda tenho de usá-lo de verdade. Minha idéia era juntar tubos de extensão e o fole para chegar a uma ampliação maior que os 8x da MPE em um corpo APS-C. A estrutura de uma cultura de mofo deve aparecer bastante interessante. :)

Macrofotografia é um tema apaixonante. Desde a minha Canon G1 (final de 2001) que o tema me interessa. À época usava um singelo filtro Close-Up (Canon 250D 58mm). Legal foi descobrir depois que a 50 f1.4 USM (que eu já tinha) é uma das lentes listadas como sendo compatíveis com a ótica do filtro 250D! Em um trabalho em um dos cursos de fotografia que fiz, escolhi fazer fotos de formigas como um dos trabalhos do curso. De fato deu um trabalhão, pois na época eu só tinha a lente do kit, a 50 f1.4 e o antigo Close Up 250D, já com mais de dez anos comigo á época. Ao final consegui fotos aceitáveis, mas foi o motivo pelo qual fui atrás da MPE65. A 100mm foi uma oportunidade que caiu no meu colo (em um dos cursos de estúdio, acredito que foi já no de produto, o 3o).

Se eu tivesse comprado tubos de extensão quando fui fotografar as formigas eu teria tido menos trabalho que usando a lente CloseUp (e um flash normal). Ano passado em organizei um curso do Tácio Phillip no Rio (na verdade foi em Petrópolis), exatamente para conseguir melhorar os resultados (tinha chegado ao limite do equipamento). [utl=www.macrofotografia.com.br]O curso dele é muito legal[/url], vale muito a pena. Ele é de SP, de tal modo que por lá o curso acontece com bastante frequência. Em outras cidades depende de ter gente o suficiente para criar uma turma. Foi o que fiz ano passado.
JVc.


Fagner

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 8
Resposta #86 Online: 14 de Abril de 2014, 10:25:17
Voltando ao assunto quantidade de luz.

Entao quer dizer que a unidade da quantidade de luz que chega no sensor da camera é dada por (Quantidade de luz) / (Unidade de área). Ai tudo faz sentido.

Como foi muito bem desenhado anteriormente  :hysterical:, se o sensor for FF, APS-C, M43... A quantidade de luz por unidade de área que chega em cada um deles é a mesma. Agora a quantidade TOTAL é diferente, pois o sensor APS-C, por exemplo, nao capta parte da luz que o sensor FF capta, porem se a quantidade de luz incidente for dado por unidade de área, entao isso é indiferente. Esse foi o único jeito fisicamente coerente que encontrei pra tentar entender.  :ponder: