Autor Tópico: Um pouco sobre luz de preenchimento  (Lida 1156 vezes)

Jr.Gondo

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 13
Online: 01 de Dezembro de 2014, 13:19:26
Ola pessoal, estou com um projeto em andamento e gostaria muito da opinião de vcs, o projeto é de um blog com diários de luz, sou fotografo de moda e sinto muita falta de conteúdo em termos de iluminação, o projeto inicial conta com posts explicativos de fotos especificas, porem estou escrevendo alguns posts mais didáticos e estou postando o rascunho (bem mal acabado ainda) de um deles aqui para que vcs possam me dizer o que acham da estrutura e o que eu posso acrescentar ou retirar. Esse post esta em andamento, ainda contará com imagens de todos os esquemas de luz e com muitas referencias então pode ser que ele ainda esteja um pouco confuso, por tanto a opinião de vcs é extremamente importante! Me desculpem as eventuais discordâncias ou falta de organização do texto, como disse, ainda é um rascunho.


A luz de preenchimento trabalha junto com a principal, sua função é a de preencher (clarear) as sombras, portanto, é importante que ela não tenha muito efeito sobre a foto, ela deve ser lavada, sem muita definição. Quando trabalhamos com fontes de luz grande isso é bem mais fácil (vamos falar mais sobre isso nesse post), quando o espaço ou outras condições não nos permitem utilizar esse tipo de luz, podemos optar por outros meios mais simples e práticos que muitas vezes são tão eficazes quanto. É sempre importante lembrar que o mais importante não é pegar a formula e simplesmente aplicar, devemos observar a luz e entender o que cada fonte causa na foto, muitas vezes o preenchimento se revela demais e a foto fica confusa, porem podemos desejar esse efeito. Lembrem-se: Aprenda o máximo de regras possíveis e depois quebre-as

É muito comum aprendermos preenchimento de uma forma bem superficial, por que, na verdade é muito comum aprendermos luz de uma forma superficial, muitos cursos ainda ensinam luz através de esquemas prontos e na pratica não é bem assim que funciona. Quando falamos em fotografia, o preenchimento sempre é ensinado da mesma forma (uma luz dura o mais próximo da câmera possível) na verdade esse esquema funciona muito, e é o que optamos muitas vezes, não só pela praticidade, mas porque ele também imprime uma cara forte na imagem, e cria uma nitidez incrível. Esse tipo de preenchimento deve ser muito bem pensado, apesar de muito pratico ele pode causar sombras indesejadas na foto, alem de eventualmente criar highlights tornando a luz confusa (o que pode ser uma linguagem, claro!)

Para esse tipo de preenchimento, sempre posiciono a luz o mais próximo da câmera o possível, e tento mante-la ao lado um pouco abaixo da lente ou bem a baixo, sempre mantendo-a transversal a luz principal, por exemplo: se minha principal estiver acima e a direita, meu preenchimento estará próximo da lente a baixo e a esquerda. assim as sombras do preenchimento caem na área iluminada pela luz principal, que as elimina. Dessa forma, anulo as sombras embaixo do nariz, dos olhos, boca e queixo (luzes vindo de baixo causam menos sombras no rosto)

(imagem referencia)

Esse editorial foi preenchido com luz dura (observem o reflexo nos olhos) reparem que o fundo é estourado e a cena é extremamente preenchida, acredito que a luz principal seja uma fonte de luz media (suave mas não lavada) que trabalhando com o preenchimento criou um aspecto claro com definição

Esse tipo de preenchimento não funciona muito bem quando fotografamos em paredes, pois o preenchimento acaba se revelando nas sombras que a luz principal faz na parede, é um preenchimento que funciona melhor com fundos estourados ou sem luz, também funciona em situações externas onde a luz principal é a luz do sol

PREENCHIMENTO SUPER SUAVE

Trabalhar com fontes medias (o que varia com a distancia da fonte em relação a modelo) como preenchimento é algo que não falaremos muito, luzes medias criam um efeito suave definido que acaba tirando um pouco do nosso controle sobre a luz, o preenchimento suave ideal deve ser extremamente grande (pelo menos grande o suficiente para lavar a foto), como disse não adianta passar um tamanho especifico de fonte para designar um preenchimento grande, mais uma vez, devemos observar a luz e nos certificar da qualidade da mesma, em todo caso, fontes com mais de 150cm dao conta do recado, fontes medias são ideais para situações externas, são bem praticas e criam sombras fáceis de controlar

Gosto de preencher minhas fotos com uma fonte de luz grande e rebatida, uso muito uma sombrinha branca de 180cm da Mako, não é muito cara e encontramos modelos chineses por ate 70 dólares por ai. Outra dica é combinar mais de uma sombrinha media encarando-as como uma única fonte sempre (sempre observando a luz). Posiciono a luz atras e acima da câmera.

Esse esquema é o ideal para qualquer situação, sempre que tenho espaço e condições suficientes é por ele que opto, fontes de luz grandes criam uma luz extremamente lavada e sem definição, é como se a própria luz preenchesse suas sombras (entenderam?), ou seja, é uma luz praticamente sem sombras (ou com sombras extremamente suaves). Um pouco de criatividade nessa hora é tudo, rebater sua luz em um tecido ou lençol branco, ou rebater a luz em uma parede branca funcionam da mesma forma que modificadores caríssimos. Para esse esquema funcionar bem é importante que o preenchimento venha de cima da câmera ou dos dois lados (nesse caso vale usar mais de uma fonte para preencher).

RINGFLASH

O ringflash é incrível para preencher, é ideal para fotos em paredes ou em cenas com a luz do sol trabalhando como principal. O único cuidado que devemos tomar é para que ele esteja sempre distante o suficiente para não criar sombras muito grandes (quando a sombra fica grande ela se revela no queixo e no contorno da modelo no caso de fotografarmos em paredes) e nem muitos highlights. Também observe que o ring sempre carrega seu efeito “plastico” e que a foto PODE assumir esse efeito por mais que ele não seja a sua luz principal

OUTRAS FORMAS

Também podemos preencher de outras formas, quando queremos manter a dramaticidade da foto podemos colocar o preenchimento mais acima para manter uma área mais escura de sombra em alguns lugares ou quando a principal é muito suave e o preenchimento muito direto pode lavar demais a foto. A medida que você vai criando intimidade com a luz, e entendendo seus efeitos fica mais fácil criar novos padrões, como sempre digo, cada foto precisa de uma luz.

« Última modificação: 01 de Dezembro de 2014, 13:20:53 por Jr.Gondo »


Claudio Rombauer

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.310
  • Sexo: Masculino
Resposta #1 Online: 01 de Dezembro de 2014, 14:45:41
Interessante o artigo, muito bem escrito.

Vai um pouco contra a minha referência sobre este assunto, o famoso diretor de fotografia Edgar Moura. Segundo o pensamento dele, que vários fotógrafos compartilham, o preenchimento deve ser o menos influente possível no quesito provocação de sombras concorrentes, ou seja, deve ser suave e frontal. Muitos utilizam aquele modificador gigante (3m de diâmetro) atrás da câmera. O raciocínio dele é o seguinte, se as sombras a serem preenchidas são apenas aquelas vistas através da câmera, a luz mais eficiente na iluminação homogênea delas seria a frontal, senão alguma sombras são mais preenchidas que as outras.

Mas isso é apenas uma questão de escolas e referências um pouco diferentes, que tem mais conceitos em comum do que divergentes.

Quanto tiver o blog poste o link que gostaria de acompanhar.


ALEXFIGUEIREDO

  • Trade Count: (20)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.616
  • Sexo: Masculino
  • KeepWalking
    • Flickr
Resposta #2 Online: 06 de Março de 2015, 20:58:01
Interessante. E o Blog? Teve continuidade?
Nikon D800 - Nikon D7100
NikkorAF-S 24-70 2.8 / AF-S 70-200 2.8 VRII / AF-S 105 2.8G Micro / SB 910
Manuais Mamiya 150 Sekor C 1:4 / Nikkor 105 1:2.5 Pré-AI