Autor Tópico: Fotografia é tudo sobre o tempo  (Lida 986 vezes)

Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.531
  • Sexo: Masculino
Online: 10 de Outubro de 2016, 15:11:47
Espaço para reflexão:

Fotografia é tudo sobre o tempo, é o tempo entrelaçado, do instante decisivo, do tempo de exposição, do congelamento do passado, uma fração do tempo, comprimida e encapsulada.
É a cápsula que transporta para o futuro, que reproduz, que se expande, é a repetição, a continuidade, é o tempo eternizado.

O tempo é a alma da fotografia.

Fotografando com a memória


spositom

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.464
Resposta #1 Online: 10 de Outubro de 2016, 23:34:12
Acertou na veia Lindsay, no meu caso menos poética

A foto guarda o momento da emoção. Na casa do meu pai é isso acontece, tem uns 700 slides e mais um monte de negativo de contato 6x6 com muitos amados e amadas que se foram, por isso haja coragem para ver tudo

Conta a história dos meus pais que por um acaso faço parte.

Meu irmão está fazendo um trabalho de conservação destas fotos e adicionou mais umas da minha avó e bisavó, algumas na Itália

Claro que foto não é só isso, mas é sem duvida a parte que mais me agrada





Bucephalus

  • Trade Count: (1)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Resposta #2 Online: 11 de Outubro de 2016, 00:13:23
Na minha opinião, eu acho que o cuidado em identificar pontos críticos na constante divulgação das informações possibilita uma melhor visão global do sistema de participação geral, e acima de tudo, é fundamental ressaltar que a revolução dos costumes aponta para a melhoria das diversas correntes de pensamento. Não obstante, a contínua expansão de nossa atividade oferece uma interessante oportunidade para verificação de todos os recursos funcionais envolvidos.


Depois do computador que faz criticas medíocres a fotos, acho que podemos também debater fotografia usando o gerador de lero-lero.


Bucephalus

  • Trade Count: (1)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Resposta #3 Online: 11 de Outubro de 2016, 00:14:52
Alias, eu acho que esse fórum é um enorme Teste de Turing. A maioria das vezes eu não sei se estou falando com maquinas ou humanos.


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.531
  • Sexo: Masculino
Resposta #4 Online: 11 de Outubro de 2016, 12:29:23
O selfie é um ato de libertação, onde vc se entrega à instantaneidade. Expulsa o peso da vivencia, e transforma o tempo do momento na duração.

O selfie é o refugio da lembrança, é o refugio do tempo que vc quer eternizar.




« Última modificação: 11 de Outubro de 2016, 12:34:29 por Lindsay »
Fotografando com a memória


spiderman

  • Trade Count: (4)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.410
Resposta #5 Online: 12 de Outubro de 2016, 23:57:41
Pow, profundo isso aí hein! Confesso que não entendi muita coisa :D
Campanha de crowdfunding pra lançamento do livro - Retratos pra Yayá

Acesse e apoie: www.catarse.me/retratosprayaya


Bucephalus

  • Trade Count: (1)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.071
  • Sexo: Masculino
Resposta #6 Online: 13 de Outubro de 2016, 01:04:23
Acho que o poeta uma vez disse:

"Fotografia eh luz, eh vida, eh tempo, eh pau, eh pedra eh o fim do caminho, eh essa roda viva de cachoeira amarga do doce da questao que se perda no infinito. Perder tufos de megahair, perder as curvas da silhueta, perder a linha. Perder a voz, perder a presença de espírito, perder o espírito esportivo, perder a paciência, perder o bonde, a esperança, perder o jogo, perder o cartao de memoria com as fotos em raw do casamento. Fotografia eh um frame, eh aquilo, eh isso, isso eh ISO 3200 da hora decisiva da hora magica. Mas a hora decisiva chegou para voce Anamara: voce recebeu 43% dos votos e esta eliminada. Vem tirar foto aqui fora"


Pris WerSo

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.698
  • Sexo: Feminino
Resposta #7 Online: 13 de Outubro de 2016, 07:43:54
E eu que achava que o tempo do orégano estragado tinha acabado... me enganei  :)


lcmartinez.j

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 584
  • Sexo: Masculino
  • Luiz Martinez
    • Luiz Martinez Fotografia
Resposta #8 Online: 13 de Outubro de 2016, 08:25:09
A fotografia eterniza o momento, revela o sentimento e traduz as emoções que não podem ser descritas com palavras.

Enviado de meu XT1058 usando Tapatalk

Canon T3i || Canon 70D || 50mm f1.8II || Sigma 17-70mm f/2.8-4 Os Hsm || YN 565-EXII || Godox TT685c

http://www.facebook.com/LuizMartinezFotografia/


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.531
  • Sexo: Masculino
Resposta #9 Online: 13 de Outubro de 2016, 12:55:55
Pow, profundo isso aí hein! Confesso que não entendi muita coisa :D

E eu que achava que o tempo do orégano estragado tinha acabado... me enganei  :)


Acho que o poeta uma vez disse:

"Fotografia eh luz, eh vida, eh tempo, ....

É uma reflexão da relação do "tempo" com o indivíduo, relação essa que é suportada pela fotografia. E são tantas considerações possíveis, que é mais fácil tratar isoladamente de cada uma delas.
Imagine uma reflexão exclusivamente pelo ângulo do “tempo” na fotografia, ou melhor, sobre os dois “tempos” de uma foto, o tempo envolvido no “antes da foto”, e o tempo do “depois da foto”.


Fotografia, uma cápsula de tempo???
A princípio temos o hoje, o agora, “o presente” que envolve o indivíduo no antes e até o momento da foto.  Mas como fica o "tempo" que supostamente era “o presente”, mas que, uma vez registrado e inserido dentro da foto já virou passado, e que agora através da foto será levado para o futuro??? Seria então a fotografia uma pílula, um drops, uma cápsula capaz de transportar o "tempo" para o futuro???
E se o fotógrafo põe, insere, coloca uma fração de tempo dentro de uma fotografia, essa fotografia fala sobre o que??? Sobre o presente que supostamente está contido nela, ou sobre o passado da cronologia do tempo de que quem a vê??? Ou ainda, como é que o tempo, desta suposta "realidade" contida na foto, se mistura com o tempo (o presente) do espectador??? Como é que ele vaza, escorre, como é que ele sai da foto e se transfere e atinge o espectador???


Algumas perguntas estão ai, colocadas, não quero fazer post muito grande, uma vez que ainda tem um monte de coisas pra conversar como “A reprodutibilidade do tempo” e "A acumulação do tempo, o detalhe e o surreal"...

« Última modificação: 13 de Outubro de 2016, 13:01:10 por Lindsay »
Fotografando com a memória


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.531
  • Sexo: Masculino
Resposta #10 Online: 13 de Outubro de 2016, 16:32:47
O surreal:

A fotografia é como um copo d’agua, um balde, uma bacia, ou seja, um recipiente onde eu posso colocar uma determinada quantidade de tempo. Esse recipiente pode conter uma fração infinitesimal do tempo, ou então o oposto disso, pode conter uma grande quantidade de tempo acumulado.
A realidade percebida pelo ser humano ocorre de acordo com uma determinada “frequência”, e a maneira como percebemos o tempo está diretamente ligada a essa “frequência”. Existem pessoas que vivem em uma frequência mais ou menos acelerada que as outras, porem tudo isso acontece dentro de certos parâmetros.
Ora, se eu posso forçar o acumulo de uma grande quantidade de tempo dentro de uma fotografia, o resultado pode ser uma situação visualmente incomum, diferente do que vejo no dia a dia, diferente daquilo que posso ver de acordo com minha velocidade de enxergar e entender as coisas.
Podemos então estabelecer uma relação da longa exposição com o tempo do real acumulado, ou então o oposto disso, uma fração infinitesimal de tempo, um momento tão veloz, que revela detalhes impossíveis de se ver e entender em minha frequência usual.

Neste contexto, estabelecemos a violação do real pela fotografia, e conexão da foto com o surreal, o “tempo” do surreal.











Fotografando com a memória


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.531
  • Sexo: Masculino
Resposta #11 Online: 14 de Outubro de 2016, 14:02:38
Texto de:
Ronaldo Entler - A fotografia e as representações do tempo. Revista Galáxia, São Paulo, n. 14, p. 29-46, dez. 2007.

"A fotografia é um recorte de tempo e espaço. Assim usualmente a definimos, mas tempo e espaço são variáveis que têm merecido níveis desiguais de atenção em nossas reflexões. Como todas as artes visuais, a fotografia suscita muitas questões sobre o espaço, porque diz respeito àquilo que é efetivamente visível: a imagem fotográfica é ela própria um espaço, uma superfície que oferece a representação de um outro espaço, aquele que faz parte do que chamamos de realidade. É, em geral, a relação entre esses espaços — a passagem de um ao outro — que nos esforçamos para compreender, pois duvidamos da simples coincidência entre eles.
Quanto ao tempo, sua consideração é um tanto mais rara e difícil. Para começar, vale destacar uma conclusão recorrente: a de que o lugar do referente fotográfico é sempre o passado. Em..."

... continua em: http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/viewFile/1485/956



Fotografando com a memória


pkawazoe

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 386
Resposta #12 Online: 15 de Outubro de 2016, 11:02:34
Espaço para reflexão:

Fotografia é tudo sobre o tempo, é o tempo entrelaçado, do instante decisivo, do tempo de exposição, do congelamento do passado, uma fração do tempo, comprimida e encapsulada.
É a cápsula que transporta para o futuro, que reproduz, que se expande, é a repetição, a continuidade, é o tempo eternizado.

O tempo é a alma da fotografia.

O surreal:

A fotografia é como um copo d’agua, um balde, uma bacia, ou seja, um recipiente onde eu posso colocar uma determinada quantidade de tempo. Esse recipiente pode conter uma fração infinitesimal do tempo, ou então o oposto disso, pode conter uma grande quantidade de tempo acumulado.
A realidade percebida pelo ser humano ocorre de acordo com uma determinada “frequência”, e a maneira como percebemos o tempo está diretamente ligada a essa “frequência”. Existem pessoas que vivem em uma frequência mais ou menos acelerada que as outras, porem tudo isso acontece dentro de certos parâmetros.
Ora, se eu posso forçar o acumulo de uma grande quantidade de tempo dentro de uma fotografia, o resultado pode ser uma situação visualmente incomum, diferente do que vejo no dia a dia, diferente daquilo que posso ver de acordo com minha velocidade de enxergar e entender as coisas.
Podemos então estabelecer uma relação da longa exposição com o tempo do real acumulado, ou então o oposto disso, uma fração infinitesimal de tempo, um momento tão veloz, que revela detalhes impossíveis de se ver e entender em minha frequência usual.

Neste contexto, estabelecemos a violação do real pela fotografia, e conexão da foto com o surreal, o “tempo” do surreal.













Texto de:
Ronaldo Entler - A fotografia e as representações do tempo. Revista Galáxia, São Paulo, n. 14, p. 29-46, dez. 2007.

"A fotografia é um recorte de tempo e espaço. Assim usualmente a definimos, mas tempo e espaço são variáveis que têm merecido níveis desiguais de atenção em nossas reflexões. Como todas as artes visuais, a fotografia suscita muitas questões sobre o espaço, porque diz respeito àquilo que é efetivamente visível: a imagem fotográfica é ela própria um espaço, uma superfície que oferece a representação de um outro espaço, aquele que faz parte do que chamamos de realidade. É, em geral, a relação entre esses espaços — a passagem de um ao outro — que nos esforçamos para compreender, pois duvidamos da simples coincidência entre eles.
Quanto ao tempo, sua consideração é um tanto mais rara e difícil. Para começar, vale destacar uma conclusão recorrente: a de que o lugar do referente fotográfico é sempre o passado. Em..."

... continua em: http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/viewFile/1485/956






muito bom Lindsay...... :clap: :clap:  :clap:


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.531
  • Sexo: Masculino
Resposta #13 Online: 17 de Outubro de 2016, 11:19:33
Um pouco do mestre brasileiro profundo pesquisador da questão do tempo na fotografia: Mauricio Lissovisky

Trecho retirados de "Dez proposições sobre a fotografia do futuro", de 2011:
https://fotografologia.wordpress.com/2011/04/14/dez-proposicoes-acerca-do-futuro-da-fotografia-e-dos-fotografos-do-futuro/

6 | TODA FOTOGRAFIA É O TEMPO QUE NOS RESTA
O que se chama dispositivo fotográfico – a câmera, o fotógrafo, a disposição de fotografar – funciona na tensão entre urgência e permanência. Estas são as duas faces de uma cunha afiada que o fotógrafo procura cravar mais fundo no coração do agora. Ali, entre o olho e o dedo, o tempo é tudo que nos resta. Um tempo suspenso do tempo. Um tempo de duração indeterminada, porém determinado a acabar. Tempo do anúncio do que já chegou. Tempo da prefiguração do que virá e de recapitulação do que já houve. Tempo que transcorre entre a escorrer de chronos e o advento de kairós, a oportunidade. A cunha fincada pelo fotógrafo no escorrer do tempo faz dois mundos que nunca se encontram (este mundo, e o mundo por vir) coincidirem pelo breve intervalo que a sua espera sustenta. Enquanto as forças da urgência e da permanência sustentam o seu paradoxo, o passado reencontra sua atualidade perdida. E o presente, o sonho de sua completude.[13] Dessa grande catástrofe cósmica, uma fotografia é tudo que nos resta. Todo ato fotográfico dura o tempo que nos resta. Toda fotografia é a última, principalmente a próxima.
Fotografando com a memória


C R O I X

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.107
  • Sexo: Masculino
  • Fotografo Multiformato
    • Marcio Faustino
Resposta #14 Online: 17 de Outubro de 2016, 15:46:25
http://www.marciofaustino.com/
https://www.instagram.com/marcio_faustino_photographer/

Regras sao para reproducao, e para criadores que nao ouvem ou confiam em sua voz interna [ainda]. Uma foto sincera eh a que tem sua propria voz e ritmo.