Autor Tópico: Sobre fotografia gastronômica, e afins. Please Help.  (Lida 1729 vezes)

Macrolook

  • Trade Count: (1)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 462
Online: 16 de Outubro de 2017, 14:15:46
Oi pessoal, defini a área que realmente me identifico (além de outras como retrato e produtos), fiz alguns trabalhos, e claro, o próximo será sempre melhor.
Essa vertente da fotografia é realmente desafiadora, e no aprendizado de tentativa e erro percebi que deveria cobrar de modo diferente por que o tempo para este tipo de produto é crucial.
Resolvi dividir todas as habilidades e deixar que o cliente escolha o que precisa, ficou assim:

Plano 1
O cliente faz o empratamento, a composição, me fornece um menu com o tempo e preparo dos pratos (para que eu possa calcular o tempo entre os pratos e o preparo deles para a foto).
Habilidades contratadas:Fotografia e edição básica (correção de cores e pequenos ajustes).

Plano 2
Composição(fundo e props, cobrado por cena), empratamento do local, o cliente me fornece um briefing onde os pratos tem todos ingredientes descritos e o tempo de preparo.
Habilidades contratadas: composição, fotografia e pós (edição e tratamento superior).

Plano 3
Empratamento (cobrado por prato e feito estudo sobre a harmonia estética dos ingredientes que irão compor o prato), composição, o cliente me fornece um briefing onde os pratos tem todos ingredientes descritos e o tempo de preparo.
Habilidades contratadas: empratamento, composição, fotografia, pós e diagramação (opcional).

Depois de conversar sobre os planos, mostro ao cliente em um tablet ou portifólio físico o mesmo produto em planos  1,2 e 3, assim, ele decide o que quer e quanto cabe no orçamento dele.

Optei por fazer assim, pois desta forma o cliente consegue observar o que quer e o também o que necessita para valorizar seu produto, ressalto que o meu diferencial é saber cozinhar (profissional da confeitaria clássica) e que isso faz toda diferença, também comento que os outros serviços demandam tempo e habilidades, e por isso a razão dos valores diferenciados.

Que acham? Estou cobrando por hora, pois por imagem não funcionou, já que este estilo de fotografia demanda muito tempo de espera, limpeza, ajustes, pós, alguém aí tem experiencia nessa área?


« Última modificação: 16 de Outubro de 2017, 14:25:52 por Macrolook »
“Fotografia é poder de observação, não de aplicação da tecnologia.” Ken Rockwell.


Rick99

  • Trade Count: (4)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.914
  • Sexo: Masculino
  • Amador
Resposta #1 Online: 16 de Outubro de 2017, 16:07:15
Vc cobra por hora, ou por prato/cenário? No plano 2 e 3 diz que é por cena e prato, respectivamente, e no final escreveu que cobra por hora.


Macrolook

  • Trade Count: (1)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 462
Resposta #2 Online: 16 de Outubro de 2017, 16:33:49
Vc cobra por hora, ou por prato/cenário? No plano 2 e 3 diz que é por cena e prato, respectivamente, e no final escreveu que cobra por hora.
Ficou confuso né, melhor ser mais específico! Valeu.
O empratamento cobro por unidade, a composição também, as horas cobro pelos demais, fotografia e pós.
Andei cobrando por foto, mas houve vezes que o chef não estava, fizemos de um jeito que estava lá, depois ele não gostou de nenhuma, tivemos que refazer e adivinhe, não me pagou pelas horas, pois ele me disse que eu cobrava por fotos... foi foda.
Outro local cobrei por hora e o dono ficava me acelerando, os pratos saiam uma zona, as fotos ficavam um lixo, e depois no final ainda a culpa era do fotógrafo... estou tentando achar algo bom para ambos.
Mas foto de alimento requer planejamento e paciencia... e assim parece que você cobrando por hora para ganhar mais...rs.
« Última modificação: 16 de Outubro de 2017, 16:34:54 por Macrolook »
“Fotografia é poder de observação, não de aplicação da tecnologia.” Ken Rockwell.


Brupikk

  • Trade Count: (3)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.420
  • Sexo: Masculino
    • Bruno Piccoli Fotografia
Resposta #3 Online: 16 de Outubro de 2017, 16:43:52
Não trabalho nessa área, meu foco são casamentos, então não sei como costuma ser feito..
Mas imagino que o ideal seria ele te passar o que precisa e você enviar um preço fechado pelo trabalho, claro que detalhando a quantidade de pratos e calculando quantas horas mais ou menos levaria.
Pois se cobrar por hora eles vão querer fazer correndo e essa é uma fotografia bem técnica, não da pra ser de qualquer jeito, e se cobrar por foto provavelmente não vai valer a pena para você.

Bruno Piccoli
http://brunopiccoli.com
http://instagram.com/brunopiccoli.fotografia
https://www.facebook.com/BrunoPiccoliFotografia
Canon 6D + Canon 6D + Canon 6D + 24-105mm f/4 + 70-200mm f/4 + 50mm f/1.8 + 35mm f/2.0 + 40mm f2.8


vangelismm

  • Trade Count: (7)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.926
  • Sexo: Masculino
    • MedinaFotografia
Resposta #4 Online: 16 de Outubro de 2017, 18:37:43
Acho melhor um preço fechado pelo serviço, tipo uma diária e com uma quantidade X de fotos por prato.

Enviado de meu Moto G Play usando Tapatalk

"A perspectiva de uma imagem é controlada pela distância entre a lente e o assunto; mudando a distancia focal da lente muda o tamanho da imagem , mas não altera a perspectiva . Muitos fotógrafos ignoram este fato, ou não têm conhecimento de sua importância." -  Ansel Adams, Examples – The Making of 40 Photographs


Macrolook

  • Trade Count: (1)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 462
Resposta #5 Online: 16 de Outubro de 2017, 19:08:00
Não trabalho nessa área, meu foco são casamentos, então não sei como costuma ser feito..
Mas imagino que o ideal seria ele te passar o que precisa e você enviar um preço fechado pelo trabalho, claro que detalhando a quantidade de pratos e calculando quantas horas mais ou menos levaria.
Pois se cobrar por hora eles vão querer fazer correndo e essa é uma fotografia bem técnica, não da pra ser de qualquer jeito, e se cobrar por foto provavelmente não vai valer a pena para você.

Bem por aí, então, quanto aos clientes, eles querem fotos "bonitas", acham que o prato se arruma sozinho e que o Photoshop faz tudo apertando apenas um botão...e o meu estilo não é o publicitário (onde tem foto bonita e recebe produto feio tipo Mc Donalds) é mais real mesmo, do jeito que o cliente realmente recebe, tenho "brigado" muito por isso e tento educar meus clientes, que foto que vende é foto que oferece a verdade, não comida feita em 3D ( fiz muito sorvete, chocolate, doces em 3D), e achava isso uma puta sacanagem, no máximo para livrar a cara estava escrito: "Foto meramente ilustrativa", enfim, encontrar pessoas que não veem o alimento como um simples comércio é raro, então meu nicho é beeeem limitado.
Mas estou vidrado nisso, vou insistir até dar certo.
« Última modificação: 16 de Outubro de 2017, 19:08:15 por Macrolook »
“Fotografia é poder de observação, não de aplicação da tecnologia.” Ken Rockwell.


Macrolook

  • Trade Count: (1)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 462
Resposta #6 Online: 16 de Outubro de 2017, 19:14:27
Acho melhor um preço fechado pelo serviço, tipo uma diária e com uma quantidade X de fotos por prato.
Olha, é uma ótima ideia, pois minha última sessão levei aquele prejuizo, como citei anteriormente.
Depois dessa, comecei a repensar como cobrar e deixar bem claro, que se as fotos não estavam como deveriam (empratamento correto) e fiz os cliques e os clientes não gostaram, que paguem ao menos, minhas horas.
Coloquei essa cláusula no contrato e deixo isso bem claro antes de executar.
“Fotografia é poder de observação, não de aplicação da tecnologia.” Ken Rockwell.


nandoespinosa

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.723
  • Sexo: Masculino
    • Nando Espinosa Fotografia
Resposta #7 Online: 17 de Outubro de 2017, 08:05:13
Eu não sei de nada da área.. Me parece inclusive uma das áreas mais desafiadoras, pois o conhecimento de luz tem que ser altíssimo, principalmente pra manutenção das texturas e aspecto natural da comida. Mas sobre a cobrança... Acho que tens que cobrar por hora é ponto final. Ajudar no empratamento e não fazê-lo, se possível. Tipo uma direção do modelo no ensaio. Isso será o seu diferencial! Então manter isso como plus do seu serviço vai te ajudar a trabalhar mais. Pra mim tem uma conotação diferente de você cobrar claramente por isso. Entende?

Enviado de meu MotoG3 usando Tapatalk



Macrolook

  • Trade Count: (1)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 462
Resposta #8 Online: 17 de Outubro de 2017, 10:49:38
Eu não sei de nada da área.. Me parece inclusive uma das áreas mais desafiadoras, pois o conhecimento de luz tem que ser altíssimo, principalmente pra manutenção das texturas e aspecto natural da comida. Mas sobre a cobrança... Acho que tens que cobrar por hora é ponto final. Ajudar no empratamento e não fazê-lo, se possível. Tipo uma direção do modelo no ensaio. Isso será o seu diferencial! Então manter isso como plus do seu serviço vai te ajudar a trabalhar mais. Pra mim tem uma conotação diferente de você cobrar claramente por isso. Entende?

Quanto ao empratamento é um problema, estou fazendo cursos, comprei livros sobre foodstylist, pratos bem caros (telas), equipamentos, pinceis, etc,  para isso ser o diferencial mesmo, porém o que noto é que as pessoas acham isso "dicas" e não conhecimento profundo sobre a importancia de um bom empratamento, tentei incluir isso no preço junto com as horas, mas as pessoas nunca querem contratar essa parte, só que na hora da sessão eles me pedem as dicas de como empratar... isso leva tempo, e antes preciso conhecer os ingredientes para poder harmoniza-los e ter uma boa apresentação, sem contar a louça adequada.
Na maioria das vezes um empratamento ruim e incoerente dificulta muito uma boa foto.
“Fotografia é poder de observação, não de aplicação da tecnologia.” Ken Rockwell.


kleberpicui

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 856
  • Sexo: Masculino
    • Shutterstock
Resposta #9 Online: 17 de Outubro de 2017, 11:26:33
Quanto ao empratamento é um problema, estou fazendo cursos, comprei livros sobre foodstylist, pratos bem caros (telas), equipamentos, pinceis, etc,  para isso ser o diferencial mesmo, porém o que noto é que as pessoas acham isso "dicas" e não conhecimento profundo sobre a importancia de um bom empratamento, tentei incluir isso no preço junto com as horas, mas as pessoas nunca querem contratar essa parte, só que na hora da sessão eles me pedem as dicas de como empratar... isso leva tempo, e antes preciso conhecer os ingredientes para poder harmoniza-los e ter uma boa apresentação, sem contar a louça adequada.
Na maioria das vezes um empratamento ruim e incoerente dificulta muito uma boa foto.

Eu acredito que a fotografia de comida tem que retratar a forma que o cliente vai encontrar o prato no restaurante. Não adianta nada nos materiais de divulgação ou no cardápio vir um prato com a melhor porcelana, com disposição dos ingredientes toda impecável, com talheres de prata e quando chega a hora de comer o que vem a mesa não em nada a ver com o divulgado.

Obviamente cabem alguns ajustes para facilitar a identificação dos ingredientes, mas jamais enfeitar além do que o cliente vai encontrar.
Kléber

Vender fotos na internet: http://submit.shutterstock.com/?ref=976367


amador47sc

  • Moderador(a) Global
  • Trade Count: (16)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.148
  • Sexo: Masculino
  • Aperfeiçoando o olhar em busca da melhor imagem
Resposta #10 Online: 17 de Outubro de 2017, 11:38:50
Acho melhor um preço fechado pelo serviço, tipo uma diária e com uma quantidade X de fotos por prato.

concordo.
a sua explanação dos planos 1, 2 e 3 me deixou confuso. provavelmente seu cliente também poderá ficar. Na hora de apresentar o trabalho, o que vale é a simplicidade e objetividade.
 :ok:


vangelismm

  • Trade Count: (7)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.926
  • Sexo: Masculino
    • MedinaFotografia
Resposta #11 Online: 17 de Outubro de 2017, 11:58:39
Eu gostei dessa abordagem de separar a fotografia do food stylist.
São habilidades e profissões diferentes, que não precisam ser feitas pelo mesmo profissional.
Essa separação valoriza e facilita a remuneração pelos 02 trabalhos.

Eu realmente não gosto dessa cobrança por hora, sem outros parâmetros.
O contratante vai sempre querer empurrar o máximo de pratos por hora. E se você segurar o ritmo vai ficar mal visto.
Se for para cobrar por hora, tem que definir o numero máximo e minimo de pratos por hora.
Mas mesmo assim fica muito em aberto.
Imagine que você defina que faz no minimo 02 pratos por hora e a cozinha demora para entregar o prato.
Vai ficar sempre nesse jogo de empurra.
"A perspectiva de uma imagem é controlada pela distância entre a lente e o assunto; mudando a distancia focal da lente muda o tamanho da imagem , mas não altera a perspectiva . Muitos fotógrafos ignoram este fato, ou não têm conhecimento de sua importância." -  Ansel Adams, Examples – The Making of 40 Photographs


nandoespinosa

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.723
  • Sexo: Masculino
    • Nando Espinosa Fotografia
Resposta #12 Online: 17 de Outubro de 2017, 12:32:31
Quanto ao empratamento é um problema, estou fazendo cursos, comprei livros sobre foodstylist, pratos bem caros (telas), equipamentos, pinceis, etc,  para isso ser o diferencial mesmo, porém o que noto é que as pessoas acham isso "dicas" e não conhecimento profundo sobre a importancia de um bom empratamento, tentei incluir isso no preço junto com as horas, mas as pessoas nunca querem contratar essa parte, só que na hora da sessão eles me pedem as dicas de como empratar... isso leva tempo, e antes preciso conhecer os ingredientes para poder harmoniza-los e ter uma boa apresentação, sem contar a louça adequada.
Na maioria das vezes um empratamento ruim e incoerente dificulta muito uma boa foto.
É realmente um serviço à parte pelo jeito. Masssss... Você montar o prato não descaracteriza o produto final? Você não estará lá no dia-a-dia pra fazer e tampouco irá ensinar a fazer... Então o cara vê aquele xis todo montadinho e bonito na foto e quando chega é um treco estranho esbodegado... :hysterical: :hysterical: :hysterical:
Sei lá.. Tô divagando aqui.
É um dilema mesmo rapaz..
Tenho um conhecido de Face que chama Walcyr Mattoso. Gosto demais das fotos dele.. Sei lá, ele é bem gente boa. De repende dá uma conversada com ele. Sei que ele é conceituado no meio da gastronomia aqui de Porto Alegre.. Atende só as confrarias top..


Rick99

  • Trade Count: (4)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.914
  • Sexo: Masculino
  • Amador
Resposta #13 Online: 17 de Outubro de 2017, 16:17:24
Tbm acho que perguntar sobre as necessidades dos clientes, e depois mostrar o orçamento seria o ideal. Cobrar por hora nem sempre é encarado com bons olhos, já que se demorar pra editar e entregar as fotos, podem pensar que vc está enrolando pra ganhar mais. Cobrar por dia tbm pode dar problemas, como o contratante montar todos os pratos disponíveis em um único dia e mandar vc se virar... :D
Sei lá...é minha opinião.

Nos workshops do Diego Rousseaux, ele contrata uma "food stylist" para montar os pratos, ou deixa a cargo do chef. Aí ele se preocupa com a composição, foto e edição.


Claudio Barros

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 910
  • Sexo: Masculino
  • Sempre aprendendo
    • Meu Flickr
Resposta #14 Online: 17 de Outubro de 2017, 17:10:26
Cara, vou colocar aqui as informações que eu tive do curso de fotografia de gastronomia com Diego Rousseaux.

O cara diz que cobra ou por foto ou por trabalho. Ele nunca faz o trabalho de food Stile até por que esse é um profissional a parte. Quando o cliente não tem um food stile, ele orienta o chef de como ele deve proceder, se o chef não souber como fazer.
Ele diz que costuma contabilizar as horas que ele vai trabalhar para aquele serviço e manda bala.
Claro que tudo depende também do tipo de serviço que ele executa.
Foto para cardápio tem um critério que ele segue, fotos para folders e coisas semelhante, tem outro nível de exigência e fotos para publicidade são bem mais caras.
E olha que esse sujeito já fez e ainda faz diversas companhas publicitárias, como por exemplo, Burguer King.
Ele disse que as vezes, ele aceitava como parte do pagamento, refeições no restaurante do cliente, tipo vale, quando a comida era do seu gosto.
Disse que isso é muito comum nessa área.
O mais importante mesmo pelo que eu percebi, é que ele verifica também o tipo de serviço gastronômico que o cliente vende e daí ele faz o preço.
Porque saladas, pratos finos e coisas semelhantes, com certeza dão muito mais trabalho para montar a luz do que um hamburgue, por exemplo.

Achei a sua forma de precificar o teu serviço meio complexo, mas se você achar que esta mais fácil para você trabalhar assim, tudo bem. O importante é você se achar.

Espero ter ajudado.