Autor Tópico: Vcs defendem o protecionismo do mercado fotografico?  (Lida 1663 vezes)

C R O I X

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.413
  • Sexo: Masculino
  • Fotografo Multiformato
    • Marcio Faustino
Online: 17 de Fevereiro de 2019, 07:05:50
Vc acha que seja necessario/importante que os preco das cameras fotograficas sejam altos/caros, para evitar que mais pessoas entre no mercado e aconteca "canibalismo" na profissao fotografica?

Vcs acham que no mercado das medio formatos seja importante que não aconteça o que houve nos 35mm, onde "todo curioso virou fotografo e a profissão virou canibalismo", e por isso eh bom que os precos das cameras medio formato naoabaixem?

Eu acabei de ler tal opiniao da importancia de se ter tal barreira monetaria para se proteger a profissao em em um topico por ai, e teve uma segundo pessoa que havia concordado. Entao eu queria saber a opiniao de mais pessoas aqui no forum.

Vcs defendem o protecionismo do mercado fotografico? Os impostos altos tal como tambem as taxas altas sobre produtos importados, que muitos fotografos se queixam no Brasil, nao estaria ajudando a proteger um pouco o mercado e profissao fotografica?

Vcs acham que limitado acesso a equipamentos para apenas aqueles que tem bastante dinheiro sobrando, beneficia o mercado fotografico tanto na pespectiva do profissional quanto na perspectiva dos clientes e mercado como um todo?




E quanto a regulamentacao, vcs acham que seria uma medida melhor ou pior do que o protecionismo via monetario?

Vcs acham que tem algum lado negativo da regulamentacao da profissao?
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 07:12:53 por C R O I X »


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.197
  • Sexo: Masculino
Resposta #1 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 09:56:46
Pra mim um absurdo...
Mas tbm nao compreendo o motivo dessas MF custarem tanto, são caras demais.
Deve haver algum acordo entre os fabricantes.
Fotografando com a memória


Rick99

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.080
  • Sexo: Masculino
  • Amador
Resposta #2 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 13:09:49
Não sei como funciona as coisas aí na Europa, mas aqui fotógrafo nem é profissão regulamentada, então praticamente qualquer um pode trabalhar com isso (inclusive até celular e superzoom está valendo)... :hysterical:
Imposto sobre importados incide em quase tudo que chega aqui no Brasil, então a taxação não é para prejudicar ou proteger (pois o iniciante, o "hobbysta, o entusiasta e o profissional estão no mesmo barco).


Millano

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 23
Resposta #3 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 13:47:22
Sobre a regulamentação: Eu acho que exceto casos em que existam conselhos de classes ou associações fortes, a tendência são as profissões estarem cada vez mais desregulamentadas. O maior exemplo de regulamentação é a OAB e a profissão advogado, onde não bastando o diploma de bacharel em Direito, ainda se exige que o bacharel passe no exame da ordem para poder advogar. E mesmo com isso, ainda temos um mercado repleto de mal profissionais, e com uma grande maioria cobrando abaixo da tabela de honorários da OAB.

Vejam o jornalismo, por mais que exista a faculdade específica, você tem jornalistas em grandes meios de comunicação formados em outras áreas, as vezes um economista, com experiência de mercado, e com boa escrita/comunicação seja um melhor jornalista de economia.

Não vejo a profissão fotógrafo se regulamentando, até mesmo, por que hoje além do equipamento, o acesso ao conhecimento está muito mais acessível. Além disso não temos um órgão centralizador, ou associações fortes.

A tecnologia em geral, a internet mais especificamente, e também a fotografia digital e barateamento do equipamentos mudou muito o mercado. De um lado você tem o encolhimento do mercado de laboratórios de revelação, você tem uma enxurrada de novos fotógrafos e "fotógrafos", mas também você tem todo um aumento do interesse na fotografia, e muitos fotógrafos excelentes lucrando menos com fotos, mas ganhando com cursos, workshops, aluguel de estúdio. Existem novos nichos e mercados que cresceram também. Existem e-commerces feitos com o dono fotografando as peças com celular em um quarto escuro, mas existem outros chamando fotógrafos pra fotos de qualidade. Fotografia/Vídeo de esportes radicais, filmagem aérea (que também está se popularizando), fotografia de imóveis para e-commerce...

Já tive um estúdio pequeno, de uns 50m2 que se pagava e me deu um lucro razoável por uns 4 anos trabalhando basicamente aos fins de semana e no fim da tarde (por eu ter uma outra atividade). O diferencial foi fechar parceria com uma agência de modelos que mandava as newfaces fazer umas fotos básicas em estúdio, um produtor de concursos de miss (que me mandava modelos também, em troca de parceria nas fotos dos eventos) e  eu também não recusava fazer fotos para acompanhantes. Eu não tinha super equipamentos, meu espaço era pequeno (apesar de arrumado, aparência bem clean), o diferencial foi simplesmente a parte administrativa do negócio e parcerias. As vezes um negócio de fotografia de sucesso tem mais a ver com marketing/administração, do que a fotografia em si.
Ah, mudei de cidade (em função da minha outra atividade), e não consegui replicar a fórmula numa cidade pequena (70 mil habitantes).

Hoje, de fora,  observando a fotografia como negócio, eu vejo mais oportunidades em "montar algo para fotógrafos" do que "ser fotógrafo". Estúdios pensados mais como "locações fotográficas" do que simplesmente um fundo infinito branco, ou ainda, coworking para fotógrafos (já existem alguns), são negócios que eu ando estudando e talvez invista no próximo ano.

Os mercados se reinventam, algumas áreas morrem, é difícil quando algo que fazemos (seja por profissão ou empreendedorismo) morre ou se reinventa de tal forma que ficamos pra trás, mas temos que nos manter atentos e eventualmente nos reinventar. Sermos os melhores num mercado que está diminuindo é uma forma de sobrevivência, fazer algo análogo a área original ou anteciparmos a tendência de mercado e ganhar dinheiro nessa mudança.
Nikon D5300
AF-S 50mm F/1.8G | AF-S  DX 35mm F/1.8G |  AF-S DX 18-140mm F/3.5-5.6G | SB-700


Ernesto

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.547
  • Trader
Resposta #4 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 14:06:09
Eu concordo com vocês  :ok:




Sent from my Hasselblad using Tapatalk
O google não é tão confiável quanto eu mas, às vezes, linka os meus textos...


C R O I X

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.413
  • Sexo: Masculino
  • Fotografo Multiformato
    • Marcio Faustino
Resposta #5 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 14:14:06
Não sei como funciona as coisas aí na Europa, mas aqui fotógrafo nem é profissão regulamentada, então praticamente qualquer um pode trabalhar com isso (inclusive até celular e superzoom está valendo)... :hysterical:
Eu ainda nao conheco ou ouvi falar de algum lugar no mundo que seja diferente.

Imposto sobre importados incide em quase tudo que chega aqui no Brasil, então a taxação não é para prejudicar ou proteger (pois o iniciante, o "hobbysta, o entusiasta e o profissional estão no mesmo barco).
Isso eu sei. A pergunta foi se caso haja alguem que defenda que precos devam ser alto para proteger o mercado, os altos impostos e taxas sobre importados nao estariam ajudando de certa forma (mesmo que nao intencionalmente) protegendo um pouco mais o mercado, ja que encarece o preco dos equipamentos?


Sobre a regulamentação: Eu acho que exceto casos em que existam conselhos de classes ou associações fortes, a tendência são as profissões estarem cada vez mais desregulamentadas. O maior exemplo de regulamentação é a OAB e a profissão advogado, onde não bastando o diploma de bacharel em Direito, ainda se exige que o bacharel passe no exame da ordem para poder advogar. E mesmo com isso, ainda temos um mercado repleto de mal profissionais, e com uma grande maioria cobrando abaixo da tabela de honorários da OAB.

Vejam o jornalismo, por mais que exista a faculdade específica, você tem jornalistas em grandes meios de comunicação formados em outras áreas, as vezes um economista, com experiência de mercado, e com boa escrita/comunicação seja um melhor jornalista de economia.

Não vejo a profissão fotógrafo se regulamentando, até mesmo, por que hoje além do equipamento, o acesso ao conhecimento está muito mais acessível. Além disso não temos um órgão centralizador, ou associações fortes.

A tecnologia em geral, a internet mais especificamente, e também a fotografia digital e barateamento do equipamentos mudou muito o mercado. De um lado você tem o encolhimento do mercado de laboratórios de revelação, você tem uma enxurrada de novos fotógrafos e "fotógrafos", mas também você tem todo um aumento do interesse na fotografia, e muitos fotógrafos excelentes lucrando menos com fotos, mas ganhando com cursos, workshops, aluguel de estúdio. Existem novos nichos e mercados que cresceram também. Existem e-commerces feitos com o dono fotografando as peças com celular em um quarto escuro, mas existem outros chamando fotógrafos pra fotos de qualidade. Fotografia/Vídeo de esportes radicais, filmagem aérea (que também está se popularizando), fotografia de imóveis para e-commerce...

Já tive um estúdio pequeno, de uns 50m2 que se pagava e me deu um lucro razoável por uns 4 anos trabalhando basicamente aos fins de semana e no fim da tarde (por eu ter uma outra atividade). O diferencial foi fechar parceria com uma agência de modelos que mandava as newfaces fazer umas fotos básicas em estúdio, um produtor de concursos de miss (que me mandava modelos também, em troca de parceria nas fotos dos eventos) e  eu também não recusava fazer fotos para acompanhantes. Eu não tinha super equipamentos, meu espaço era pequeno (apesar de arrumado, aparência bem clean), o diferencial foi simplesmente a parte administrativa do negócio e parcerias. As vezes um negócio de fotografia de sucesso tem mais a ver com marketing/administração, do que a fotografia em si.
Ah, mudei de cidade (em função da minha outra atividade), e não consegui replicar a fórmula numa cidade pequena (70 mil habitantes).

Hoje, de fora,  observando a fotografia como negócio, eu vejo mais oportunidades em "montar algo para fotógrafos" do que "ser fotógrafo". Estúdios pensados mais como "locações fotográficas" do que simplesmente um fundo infinito branco, ou ainda, coworking para fotógrafos (já existem alguns), são negócios que eu ando estudando e talvez invista no próximo ano.

Os mercados se reinventam, algumas áreas morrem, é difícil quando algo que fazemos (seja por profissão ou empreendedorismo) morre ou se reinventa de tal forma que ficamos pra trás, mas temos que nos manter atentos e eventualmente nos reinventar. Sermos os melhores num mercado que está diminuindo é uma forma de sobrevivência, fazer algo análogo a área original ou anteciparmos a tendência de mercado e ganhar dinheiro nessa mudança.

Eu gostei de tudo o que vc disse aqui, masa parte que mais gostei foi a que fala que o sucesso no mercado da fotografia tem mais a ver com administracao e marketing do que fotografia, o que basicamente vale para qualquer area e nao so fotografia.


Ernesto

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.547
  • Trader
Resposta #6 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 14:45:40
Pra mim um absurdo...
Mas tbm nao compreendo o motivo dessas MF custarem tanto, são caras demais.
Deve haver algum acordo entre os fabricantes.

O que posso lhe dizer é que:

- a Leica 35mm já custa 7mil USD e

- uma Médio Formato "come ela com farinha", então,

- é natural que MF européias custem mais que Leicas 35mm.

-----


Na questão da precificação:


- Uma câmera europeia 35mm (Leica M10), custa 5x o preço de uma asiática equivalente (Canon 6D Mk II)

A "mão de obra" européia tem esse custo a mais em óculos, relógios, carros, etc...

Então, devemos esperar que uma Médio Formato européia custe 5x mais que uma asiática.

Mas, elas custam 3x mais (tanto as 50Mp quanto as 100mp), então... tá barato  :ok:





Sent from my Hasselblad using Tapatalk
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 14:57:02 por Ernesto »
O google não é tão confiável quanto eu mas, às vezes, linka os meus textos...


Leonardo Tonin

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.148
  • Sexo: Masculino
Resposta #7 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 16:43:37
 :ponder: nao...

Acho que a industria nao popularizou o mercado.
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 16:44:24 por Leonardo Tonin »


C R O I X

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.413
  • Sexo: Masculino
  • Fotografo Multiformato
    • Marcio Faustino
Resposta #8 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 16:46:12
€10k eh um preco bom para uma camera medio formato digital, levando em conta o tamanho do mercado publico alvo que nao sao hobbistas, estudantes, turistas e amadores, ao qual penso que cameras medio formato sejam grandes d+ e produzem arquivos tambem demasiadamente grande para suas finalidades.

Mas nao acho que seja um bom preco para uma 6x4.5. Ta certo que tem os seus 100mb que da para fazer os crops fenomenais, mas ai ja nao eh uma foto 6x4.5 o que eu acho que vala ainda menos o preco se for por causa dos mb. Penso que uma 35mm com uma boa lente seja um melhor investimento.

A nao ser que entregar resultados imediatistas e quantidade de fotos seja o mais importante, penso que se for para gastar 10k ou mais em uma medio formato, vale mais a pena pegar uma camera de filme 6x7, 6x8 ou 6x9, ou ate mesmo uma grande formato 4x5. Maior escala dinamica, melhores lentes, melhores definicoes gastando menos da metado do que se gastaria com uma medio formato digital 6x4.5


Eu penso que o mercado para cameras grandes, pesadas, barulhentas e caras esta encolhendo naturalmente, nao por causa do preco mas sim pq existem a cada ano melhores opcoes de cameras portateis que produzem boas imagens.


Mas em qualquer aspecto, nao vejo que proteger o mercado contra amadores aventureiros seja necessario ou bom. Como disseram acima, a realidade tecnologica mudou, por isso o mercado tambem vai mudar e tentar proteger uma profissao diante de tais mudancas eh retrocesso em minha opiniao.
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 16:50:52 por C R O I X »


WMachado

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 17
  • Sexo: Masculino
Resposta #9 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 17:23:19
Sou amador e nem pretendo ganhar dinheiro com fotografia, então não sei se posso opinar muito sobre proteção de mercado, mas penso que toda força de proteção de algo é medo, no caso da fotografia e dos fotógrafos medo de vir alguém melhor e mais competente fazendo um preço mais em conta.

Como qualquer mercado quem inicia, inicia com um preço inferior ao da concorrência para ser visto e captar clientes, esse é o movimento natural de qualquer negocio, ninguém começa cobrando 15k num casamento.

Na fotografia, geralmente a pessoa começa como um segundo emprego aos fins de semana, tendo o fixo dela durante a semana, possibilitando "viver" de fotografia cobrando pouco ou como você disse canibalizando.

Essa pessoa vai começar a ganhar espaço e os fins de semanas vão começar a ficar curtos para seus trabalhos e aí ela precisa decidir que movimento tomar, largar o trabalho fixo ou recusar trabalhos e ficar com os poucos do fim de semana.

Se essa pessoa decide largar o fixo, com o tempo, ela começa a perceber que não dá pra viver de fotografia cobrando o cobrava aos fins de semana e a tendencia é ela subir seu valor de acordo com o espaço adquirido no mercado.

Se essa pessoa decide ficar com o trabalho fixo e os jobs de fim de semana, é uma carreira curta, com o tempo ela percebe que não dá pra fazer as duas coisas ao mesmo tempo, essa pessoas não é uma ameaça ao mercado fotográfico, ao meu ver.

Então, pra mim protecionismo é só mais um discurso de quem tem medo de chegar alguém mais competente e tomar o seu lugar.

Fotografia é arte, até para ser fotojornalista você precisa ter um "Q" de artista, não é só apertar um botão e sabemos disso. A fotografia se popularizou devido as redes sociais onde cada um quer postar a melhor foto, vemos nas redes mais do mesmo, inclusive de fotógrafos profissionais, poucas fotos chamam a minha atenção nas redes.

Pra concluir, não acredito que ninguém ameaça ninguém e cada um tem seu nicho de mercado.
Nikon D7000 - Nikon 105mm f/2.8D AF Micro - SIGMA 18-50mm F/2.8 EX DC HSM


Ernesto

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.547
  • Trader
Resposta #10 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 17:54:27
€10k eh um preco bom para uma camera medio formato digital, levando em conta o tamanho do mercado publico alvo que nao sao hobbistas, estudantes, turistas e amadores, ao qual penso que cameras medio formato sejam grandes d+ e produzem arquivos tambem demasiadamente grande para suas finalidades.

Mas nao acho que seja um bom preco para uma 6x4.5. Ta certo que tem os seus 100mb que da para fazer os crops fenomenais, mas ai ja nao eh uma foto 6x4.5 o que eu acho que vala ainda menos o preco se for por causa dos mb. Penso que uma 35mm com uma boa lente seja um melhor investimento.

A nao ser que entregar resultados imediatistas e quantidade de fotos seja o mais importante, penso que se for para gastar 10k ou mais em uma medio formato, vale mais a pena pegar uma camera de filme 6x7, 6x8 ou 6x9, ou ate mesmo uma grande formato 4x5. Maior escala dinamica, melhores lentes, melhores definicoes gastando menos da metado do que se gastaria com uma medio formato digital 6x4.5


Eu penso que o mercado para cameras grandes, pesadas, barulhentas e caras esta encolhendo naturalmente, nao por causa do preco mas sim pq existem a cada ano melhores opcoes de cameras portateis que produzem boas imagens.


Mas em qualquer aspecto, nao vejo que proteger o mercado contra amadores aventureiros seja necessario ou bom. Como disseram acima, a realidade tecnologica mudou, por isso o mercado tambem vai mudar e tentar proteger uma profissao diante de tais mudancas eh retrocesso em minha opiniao.

De fato.

Nestes anos, aprendi aqui, no fórum, que nada supera um filme 6 x 7, uma Fuji X e uma Sigma Quattro. Nunca testei esses equipamentos no nível que os colegas chegaram mas, aprendi que qualquer outra coisa, abre mão da qualidade, em função de recursos paralelos que não agregam qualidade à foto final.


Nessa linha, que façam essa reserva. Após tudo que venho aprendendo aqui, com os colegas mais experientes, sei ninguém que busca qualidade precisa deles mesmo. Se eu tivesse conhecido o fórum quando eu iniciei, é possível que todo meu equipamento fosse diferente, hoje.





Sent from my Hasselblad using Tapatalk
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 17:59:29 por Ernesto »
O google não é tão confiável quanto eu mas, às vezes, linka os meus textos...


Ernesto

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.547
  • Trader
Resposta #11 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 17:58:57
Sou amador e nem pretendo ganhar dinheiro com fotografia, então não sei se posso opinar muito sobre proteção de mercado, mas penso que toda força de proteção de algo é medo, no caso da fotografia e dos fotógrafos medo de vir alguém melhor e mais competente fazendo um preço mais em conta.

Como qualquer mercado quem inicia, inicia com um preço inferior ao da concorrência para ser visto e captar clientes, esse é o movimento natural de qualquer negocio, ninguém começa cobrando 15k num casamento.

Na fotografia, geralmente a pessoa começa como um segundo emprego aos fins de semana, tendo o fixo dela durante a semana, possibilitando "viver" de fotografia cobrando pouco ou como você disse canibalizando.

Essa pessoa vai começar a ganhar espaço e os fins de semanas vão começar a ficar curtos para seus trabalhos e aí ela precisa decidir que movimento tomar, largar o trabalho fixo ou recusar trabalhos e ficar com os poucos do fim de semana.

Se essa pessoa decide largar o fixo, com o tempo, ela começa a perceber que não dá pra viver de fotografia cobrando o cobrava aos fins de semana e a tendencia é ela subir seu valor de acordo com o espaço adquirido no mercado.

Se essa pessoa decide ficar com o trabalho fixo e os jobs de fim de semana, é uma carreira curta, com o tempo ela percebe que não dá pra fazer as duas coisas ao mesmo tempo, essa pessoas não é uma ameaça ao mercado fotográfico, ao meu ver.

Então, pra mim protecionismo é só mais um discurso de quem tem medo de chegar alguém mais competente e tomar o seu lugar.

Fotografia é arte, até para ser fotojornalista você precisa ter um "Q" de artista, não é só apertar um botão e sabemos disso. A fotografia se popularizou devido as redes sociais onde cada um quer postar a melhor foto, vemos nas redes mais do mesmo, inclusive de fotógrafos profissionais, poucas fotos chamam a minha atenção nas redes.

Pra concluir, não acredito que ninguém ameaça ninguém e cada um tem seu nicho de mercado.

Falou tudo.

É medo... movidos pelo medo.





Sent from my Hasselblad using Tapatalk
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 18:06:35 por Ernesto »
O google não é tão confiável quanto eu mas, às vezes, linka os meus textos...


C R O I X

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.413
  • Sexo: Masculino
  • Fotografo Multiformato
    • Marcio Faustino
Resposta #12 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 18:35:42
Sou amador e nem pretendo ganhar dinheiro com fotografia, então não sei se posso opinar muito sobre proteção de mercado, mas penso que toda força de proteção de algo é medo, no caso da fotografia e dos fotógrafos medo de vir alguém melhor e mais competente fazendo um preço mais em conta.

Como qualquer mercado quem inicia, inicia com um preço inferior ao da concorrência para ser visto e captar clientes, esse é o movimento natural de qualquer negocio, ninguém começa cobrando 15k num casamento.

Na fotografia, geralmente a pessoa começa como um segundo emprego aos fins de semana, tendo o fixo dela durante a semana, possibilitando "viver" de fotografia cobrando pouco ou como você disse canibalizando.

Essa pessoa vai começar a ganhar espaço e os fins de semanas vão começar a ficar curtos para seus trabalhos e aí ela precisa decidir que movimento tomar, largar o trabalho fixo ou recusar trabalhos e ficar com os poucos do fim de semana.

Se essa pessoa decide largar o fixo, com o tempo, ela começa a perceber que não dá pra viver de fotografia cobrando o cobrava aos fins de semana e a tendencia é ela subir seu valor de acordo com o espaço adquirido no mercado.

Se essa pessoa decide ficar com o trabalho fixo e os jobs de fim de semana, é uma carreira curta, com o tempo ela percebe que não dá pra fazer as duas coisas ao mesmo tempo, essa pessoas não é uma ameaça ao mercado fotográfico, ao meu ver.

Então, pra mim protecionismo é só mais um discurso de quem tem medo de chegar alguém mais competente e tomar o seu lugar.

Fotografia é arte, até para ser fotojornalista você precisa ter um "Q" de artista, não é só apertar um botão e sabemos disso. A fotografia se popularizou devido as redes sociais onde cada um quer postar a melhor foto, vemos nas redes mais do mesmo, inclusive de fotógrafos profissionais, poucas fotos chamam a minha atenção nas redes.

Pra concluir, não acredito que ninguém ameaça ninguém e cada um tem seu nicho de mercado.

Eu concordo com o que vc disse. Mas acho que tambem vale considerar que o numero de fotografos full time e ao mesmo tempo o numero de pessoas querendo se tornar fotografos full time cresceram bastante, criando assim uma maior competicao e natural competicao de precos (inclusive entre fotografos competentes).


Ernesto

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.547
  • Trader
Resposta #13 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 20:17:15
Tipo assin:
(não se apeguem aos modelos/marcas mas, a idéia)

Nikon 4X cancelada, virou D800 (baixo custo)
Nikon D400 cancelada, virou D7200 (baixo custo)
Nikon D5X cancelada, virou D850 (baixo custo)

Nikon atinge as massas.

Milhões tem acesso a tecnologia TOP graças ao baixo custo

Nikon bate recordes de vendas

Acionistas felizes  :clap:

A profissão virou bico de final de semana da classe média

O preço da hora do fotógrafo cai

Milhões desistem e largam essas câmeras nas lojas de usados

Com salários baixos, e alta oferta de câmeras usadas, milhões, agora, tem fácil acesso a câmeras usadas baratas e perfeitas (pouco usadas)

O preço da hora cai mais

A profissão de fotógrafo é eleita a pior do país na revistas Vestibulando e vira de classe emergente

A profissão muda e, agora, o fotógrafo ganha pouco

A Nikon não consegue mais vender câmeras caras pq o salário do fotógrafo não consegue pagar

Acionistas revoltados.  >:(

Para atender a nova profissão, se reduz preço e qualidade.

A mercado se estabiliza em um novo padrão bem mais baixo de câmera, onde o fotógrafo é igual ao pedreiro, pintor, marceneiro, mecânico.

Irreversível




Sent from my Hasselblad using Tapatalk
« Última modificação: 17 de Fevereiro de 2019, 20:30:04 por Ernesto »
O google não é tão confiável quanto eu mas, às vezes, linka os meus textos...


cheferson

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 672
  • Sexo: Masculino
  • Uma Fotografia é o Registro Exato da História!
    • Curso Completo de Fotografias para Retratos, Viagens e Paisagens
Resposta #14 Online: 17 de Fevereiro de 2019, 22:08:51
Tipo assin:
(não se apeguem aos modelos/marcas mas, a idéia)

Nikon 4X cancelada, virou D800 (baixo custo)
Nikon D400 cancelada, virou D7200 (baixo custo)
Nikon D5X cancelada, virou D850 (baixo custo)

Nikon atinge as massas.

Milhões tem acesso a tecnologia TOP graças ao baixo custo

Nikon bate recordes de vendas

Acionistas felizes  :clap:

A profissão virou bico de final de semana da classe média

O preço da hora do fotógrafo cai

Milhões desistem e largam essas câmeras nas lojas de usados

Com salários baixos, e alta oferta de câmeras usadas, milhões, agora, tem fácil acesso a câmeras usadas baratas e perfeitas (pouco usadas)

O preço da hora cai mais

A profissão de fotógrafo é eleita a pior do país na revistas Vestibulando e vira de classe emergente

A profissão muda e, agora, o fotógrafo ganha pouco

A Nikon não consegue mais vender câmeras caras pq o salário do fotógrafo não consegue pagar

Acionistas revoltados.  >:(

Para atender a nova profissão, se reduz preço e qualidade.

A mercado se estabiliza em um novo padrão bem mais baixo de câmera, onde o fotógrafo é igual ao pedreiro, pintor, marceneiro, mecânico.

Irreversível




Sent from my Hasselblad using Tapatalk

É mais ou menos isso mesmo. Tanto que um dos diretores da Canon citou que a empresa migrará parte da sua produção para outros setores mais lucrativos prevendo a queda de até 50% na venda de lentes, câmeras e equipamentos em 2 anos. Note que o diretor se referiu não apenas à Canon. Há 2 anos atrás, a Nikon teve que se reestruturar pois estava passando anos de prejuízo. Mas isso são outros fatores.

Falando sobre o 'protecionismo' eu acho uma balela. Regulamentar a profissão de fotógrafo no Brasil traria sim algumas vantagens para quem se profissionalizar, mas pensando nos pós e contras, o lado dos contras é muito , muito maior.

Prós:
Regulamentação legal da profissão;
Exigência de valores mínimos para hora trabalhada.

Contras:
Sindicalização : sindicatos no Brasil representam o maior nível de arrecadação de dinheiro de todo mundo que trabalha. Ainda bem que com a reforma trabalhista, pelo menos isso tiraram a mamata. O Brasil é o país com maior número de sindicatos do mundo!

Falta de estrutura: se houver leis para regulamentar a profissão de fotógrafo, um sindicato teria que fiscalizar. Mas o Brasil é um país com dimensões continentais, seria impossível fiscalizar tudo.

Jeitinho brasileiro: brasileiro é malandro e é corrupto e isso inclui eu e você. Você acha que não iriam pagar fotógrafos "por fora" pra fazer festas, casamentos e eventos. Oras, se brasileiro é o povo muito , muito ignorante, vocês acham que não iria se fazer isso... muita inocência pensar o contrário.

Mercado e tecnologia: é simplesmente impossível controlar a venda de câmeras , lentes e qualquer pessoa pode se tornar fotógrafo hoje em dia. Ademais, as leis do mercado nem sempre são as mais justas, mas tem-que se adaptar a elas e assim criar novos meios, novos produtos, novos nichos, etc. Prova viva disso foram os taxis, cuja licença em São Paulo vendida no mercado negro valia até 300.000 reais. Dai chegou o Uber e os taxistas diziam que o Uber era ilegal, mas pra você ser taxista era precisa tirar 300.000 do bolso . Esse discurso da cultura brasileira é , no mínimo, muito vitimista e hipócrita. Se for assim, o Brasil se torna um país comunista onde o governo decide quantas câmeras cada fotógrafo pode ter, enfim algo rídiculo!

Quando páro pra pensar no dia-a-dia, vejo que ainda há muito potencial a ser explorado na fotografia e talvez ainda não estejamos alcançando o máximo potencial que este mercado possa alcançar.