Autor Tópico: Entrevista com MARIO TESTINO  (Lida 1100 vezes)

josantana

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 42
  • Sexo: Masculino
Online: 21 de Maio de 2007, 11:15:33
O olho mágico
por Bel Moherdaui

O fotógrafo das grandes modelos e celebridades conta o que faz para deixar as belas do mundo mais belas ainda


Quer ter certeza de que vai sair bem na foto? É só chamar Mario Testino. O único problema é que o fotógrafo de 52 anos, certidão de nascimento peruana, endereço londrino e fama global, está acostumado a mirar em beldades como Gisele Bündchen ou a inglesa Kate Moss. Com alguma sorte, porém, talvez seja possível cruzar com ele no Rio de Janeiro, que ama e freqüenta desde os 15 anos e onde foi homenageado com o título de cidadão e a medalha Tiradentes na semana passada. Famosas ou anônimas enfrentam as câmeras de Testino com a garantia de que ficarão melhores do que nunca – a prova máxima são as célebres fotos que fez da princesa Diana. Além do pleno domínio da profissão, ele tem o dom de extrair verdade, beleza e espontaneidade cuidadosamente planejada de seus modelos. Não é vanguardista – suas fotos são bem focadas e deixam as mulheres bonitas –, mas tem uma aura de contemporaneidade e trabalha duro para se manter no topo. "A concorrência tem vinte anos a menos", brinca. Com olho treinadíssimo e capacidade de impulsionar carreiras, deu origem a um bordão entre aspirantes a modelo no Brasil: "Testino pode mudar o seu destino". Em excelente portunhol, o fotógrafo falou a VEJA.

Veja – O Brasil é um país onde ser modelo parece aspiração nacional da população feminina adolescente. Com que idade uma menina deve começar a trabalhar?
Testino –
Sou muito amigo da Kate Moss, que começou a trabalhar aos 15 anos. Para mim, é muito cedo, mas também entendo que há pessoas que não têm condições econômicas, e isso pode ser uma maneira de ajudar a família. Então, poderia dizer o seguinte: se a família tem uma situação econômica confortável, talvez fosse melhor primeiro terminar a escola. Mas acho difícil falar uma coisa assim no Brasil, onde muitas pessoas não têm dinheiro e às vezes ter uma filha modelo pode ajudar até os outros filhos a comer.

Veja – Com sua experiência, que conselhos daria aos pais de jovens aspirantes a modelo?
Testino –
Para começar, é muito difícil dizer quem dará certo como modelo. Aos 13, 14 anos, a aparência de uma menina ainda pode mudar. Os pais devem ser honestos com os filhos. Se eu fosse pai, também tentaria ficar junto dos meus filhos até eles poderem se defender sozinhos.

Veja – Não é muito cruel para uma menina de 15, 16 anos lidar com a frustração de expectativas ou com um eventual fracasso?
Testino –
A vida é cruel. Na escola, quem é diferente, usa óculos, é mais magro ou mais gordo já tem de enfrentar muita crueldade das outras crianças. Se você quer ser esportista, talvez não seja o melhor, e isso pode ser cruel. Temos de viver a vida. Não é porque podemos fracassar que vamos deixar de fazer.

Veja – Qual é, afinal, o segredo que faz com que determinadas modelos sejam tão bem-sucedidas e outras, igualmente belas, não decolem?
Testino –
O sucesso tem muita relação com a personalidade da modelo, não apenas com a estética. Kate Moss, por exemplo, é mais baixa que as outras, não tem pernas perfeitas, mas transmite muita força. O mesmo acontece com Gisele Bündchen. Hoje olhamos para ela e vemos que tem um corpo incrível. Mas, quando começou, não era aquele padrão saudável que se procurava no mundo da moda. Ela precisou batalhar muito.

Veja – As opiniões sobre o mundo da moda e das modelos costumam ser antagônicas: ou é um olimpo de perfeição, fama, sucesso e dinheiro ou um antro de perdição, drogas e vazio existencial. Depois de tanto tempo de experiência, o que o senhor concluiu?
Testino –
Estou nesse negócio há 27 anos e garanto: é o mais incrível do mundo para trabalhar. Tem possibilidades, surpresas, belezas, criatividade, energia. O problema do mundo da moda é que ele cria ciúme. Mas já vi tanta coisa pior. Que tal comparar com os trabalhadores das minas de diamante ou com as crianças nas fábricas indianas?

Veja – Todo mundo quer parecer bonito na foto, ou melhor do que é na realidade. O que o senhor diz para o fotografado quando isso não acontece?
Testino –
Há pessoas que são mais bonitas na vida real do que quando saem em uma foto. Isso tem muito a ver com a forma como elas se relacionam com a câmera. Se você está relaxado, faz muita diferença. Também faz diferença o que você está escondendo ou querendo mostrar.

Veja – Como o senhor consegue arrancar o melhor dos seus fotografados?
Testino –
Tento fazer duas coisas. Com as mulheres, em geral eu me sento ao lado do cabeleireiro e do maquiador e acompanho o que eles estão fazendo. Já aprendi que, se eu gosto antes de fazer a foto, na hora sai muito melhor. E também tento fazer uns exercícios para que as pessoas fiquem à vontade comigo. Elas precisam acreditar que eu estou disposto a tudo para que saiam bem. Há fotógrafos que gostam de mostrar o lado ruim das pessoas. É um aspecto da fotografia, mas não o meu. No meu trabalho, quero que saiam o melhor possível.

Veja – Como relaxar celebridades do nível da falecida princesa Diana?
Testino –
Se você entra para fotografar alguém sentindo-se menor que essa pessoa, fica muito difícil. Minha sorte é que eu gosto de gente. Seja uma estrela de Hollywood, seja uma cozinheira, vou tratar da mesma maneira. Acho que esse meu jeito ajuda a deixar as pessoas à vontade comigo, independentemente de quem elas sejam.

Veja – Qual a pessoa mais interessante que já fotografou?
Testino –
Diana, que tinha muitas coisas juntas: beleza pictórica e beleza interior, glamour, generosidade e bondade. Era muito verdadeira, muito especial.

Veja – É verdade que no início da sessão de fotos ela estava rígida e formal?
Testino –
Exatamente. Nós, que somos sul-americanos, ficamos à vontade com mais facilidade. Foi difícil no começo, mas na verdade é sempre difícil. Muitas vezes passo ridículo para que a outra pessoa perceba que não precisa ser perfeita. Eu danço, me jogo, faço graça. Qualquer coisa para que ela se sinta à vontade. Da mesma forma que você, como jornalista, quer achar alguma coisa que outros jornalistas não acharam para que a sua reportagem seja mais interessante, nós, fotógrafos, também temos de conseguir que a pessoa que está sendo fotografada nos dê algo que não daria a outro. Não é fácil, até porque temos pouco tempo. Eu tive apenas um dia para fotografar Diana, o que é muito pouco para ter quantidade e qualidade.

Veja – Qual fotografado deu mais trabalho?
Testino –
Acho que o trabalho é sempre difícil. Com cada atriz que fotografo tenho de trabalhar o que ela quer, o que ela acha que é, e trazer um pouco para o meu mundo. Quando fotografo uma modelo é ainda mais difícil, porque não quero repetir o que já fiz antes e muitas delas já fotografei várias vezes. Tenho de encontrar soluções novas sempre, e isso implica quebrar barreiras, destruir o que já foi feito e achar uma forma nova. Estou com 27 anos de profissão e a minha concorrência, hoje, tem uns vinte anos menos que eu. Poucos fotógrafos da minha geração continuam trabalhando com essa intensidade. É muito difícil se renovar todos os dias.

Veja – Qual a sua foto mais memorável?
Testino –
Sem dúvida, Diana marcou mais que qualquer outra e virou uma imagem bem mítica. Depois fiz uma capa do disco Ray of Light, da Madonna, que também marcou época. Incluo ainda as minhas imagens para a Gucci, com Tom Ford. Foi ali que achei meu estilo e foram essas fotos que fizeram minha carreira dar um salto. Na verdade, meu estilo foi muito determinado pelo Rio de Janeiro. As férias que eu passei na cidade, com 16, 17, 18 anos, foram as mais incríveis da minha vida. No meu trabalho sempre tento recriar aqueles anos. Quando comecei a voltar ao Brasil e fazer minhas imagens no país, muitas vezes trabalhando com Gisele, meu estilo ganhou muita força. Antes disso eu morava em Londres e imitava os ingleses, pois admirava muito o trabalho deles e minha formação em fotografia vem da Inglaterra. Foi só quando descobri que eu não era inglês, mas sul-americano, e comecei a fazer fotos no Brasil, que consegui um estilo único.

Veja – Conhecendo tão bem o Rio de Janeiro, o senhor crê que a cidade pode se tornar um centro de turismo sexual, para gays e héteros?
Testino –
É impossível não ter um contexto sensual, nem digo sexual. No verão, que é quando os turistas vão mais para o Rio de Janeiro, tem muito corpo na cidade. É tanto calor que não dá para colocar nem a camisa. E os brasileiros são lindos, então tudo bem mostrarem o corpo. Mas não diria que o turismo sexual está na base disso tudo. Acho que isso é uma minoria.

Veja – O livro sobre Lima que o senhor está preparando é uma viagem nostálgica?
Testino –
Resolvi fazer esse livro porque, quando falo que venho do Peru, muitas vezes as pessoas pensam que minha mãe tem uma lhama e mora na montanha. Por mais que eu explique que venho da costa, onde nem existem lhamas, quem nunca esteve no Peru não consegue imaginar como é, porque tudo o que vemos do Peru no exterior é Machu Picchu. Notei uma nova geração de artistas que olha para o país para se inspirar, busca mais a própria identidade. Muitos trabalham fotografando e pintando sujeitos típicos peruanos, na verdade típicos de Lima, porque o Peru é um país muito variado, que tem a costa com praia, as montanhas na Cordilheira dos Andes e a selva. Decidi fazer esse livro para mostrar o que é verdadeiramente Lima: uma mistura de muitas raças, e vou reunir o trabalho de uns 120 artistas.

Veja – O senhor fica triste quando vê a Lima de hoje, da mesma forma que cariocas da sua geração se angustiam quando vêem o que aconteceu com o Rio?
Testino –
Eu não gosto de viver no passado, sou muito do presente. Adoro a Lima de agora. Tive uma infância incrível e gosto também da mentalidade dos jovens de hoje, que são muito mais abertos, muito mais informados. Lembro que quando jovem eu viajava e, ao voltar ao Peru, botava uma calça florida, e todo mundo me olhava como se eu fosse louco. Ia para Nova York e via todo mundo se vestindo assim. Era um problema de informação.

Veja – A temida Anna Wintour, editora da revista Vogue americana, comentou certa vez que o senhor tem um grande senso de estilo e realmente entende de moda. Como se mantém informado?
Testino –
Eu adoro o meu trabalho. Vou a todos os desfiles que posso em Milão, Londres, Paris, Nova York, duas vezes por ano. Coleciono arte também e estou sempre preocupado em me manter bem informado sobre o que está acontecendo. Tenho muita curiosidade sobre a juventude, então saio, vejo o que acontece, vou a festas. Acho que é essencial focar na juventude, porque a moda é para os jovens. Não sou eu que vou sair com o último grito da moda, são os jovens.

Veja – Na sua opinião, quem é a mulher mais bonita de todos os tempos?
Testino –
Que difícil! Tem tanta mulher linda no mundo. Quando vou ao Brasil, também tem tantas belezas, como Gisele, Fernanda Tavares, Fernanda Lima, Ana Beatriz Barros. Acho que não dá para escolher uma única. Vamos dizer que, no passado recente, tivemos Sophia Loren, que era de uma beleza incrível. Cresci com essas atrizes: Marlene Dietrich, Marilyn Monroe.

Veja – E se fosse escolher uma só?
Testino –
Na verdade, eu sempre escolhi Kate Moss. Porque para mim a beleza não é só uma coisa física. A beleza física cansa. Quando você olha para uma menina bonita, depois de um tempo, como acontece com qualquer coisa bonita, você se cansa por não ter outras coisas ali. Kate vem com muito bom humor, bom gosto, criatividade, novidade. Ela vira outra coisa. As pessoas esquecem que os fotógrafos têm de viver com essas modelos todos os dias. E, se elas não são interessantes, simpáticas, divertidas, fica muito chato.

Veja – Por que o senhor elogia tanto Kate Moss quando se sabe que ela não é nenhum modelo de conduta exemplar?
Testino –
As pessoas são um pouco duras com Kate. Trabalhamos muito juntos e comigo ela sempre foi muito responsável.

Veja – O que uma modelo deve fazer para cair nas suas graças?
Testino –
Precisa ser bonita, ter um bom corpo, estar no peso certo, ter pernas e ser divertida e inteligente.

Veja – Por favor, revele-nos o segredo: o que uma pessoa comum deve fazer quando está diante de um fotógrafo?
Testino –
Em vez de fingir e tentar mostrar o que não é, deve mostrar quem realmente é.

Pra quem quiser saber mais: http://www.mariotestino.com/
« Última modificação: 21 de Maio de 2007, 11:21:19 por josantana »
Jo Santana


samuca.aguiar

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 305
Resposta #1 Online: 21 de Maio de 2007, 13:54:36
Quando eu li que era entrevista pra Veja já pensei: "lá vem merda, das grandes", mas até que não, muito boa a entrevista


josantana

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 42
  • Sexo: Masculino
Resposta #2 Online: 21 de Maio de 2007, 14:02:00
Pois é... também não confio muito na revista, mas gostei da matéria. :)
Jo Santana


Leo Terra

  • SysOp
  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.730
  • Sexo: Masculino
  • “Deus disse: 'Haja luz'. E houve luz.” (Gen 1,3)
    • http://www.leoterra.com.br
Resposta #3 Online: 21 de Maio de 2007, 18:05:24
O Testino é brilhante, um fotógrafo que fica fora da estética convencional, tem um estilo próprio, uma forma própria de fotografar, considero ele um dos grandes nomes da atualidade.
Leo Terra

CURSOS DE FOTOGRAFIA: www.teiadoconhecimento.com



ATENÇÃO: NÃO RESPONDO DÚVIDAS EM PRIVATIVO. USEM O ESPAÇO PÚBLICO PARA TAL.
PARA DÚVIDAS SOBRE O FÓRUM LEIA O FAQ.


joseazevedo

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 588
  • Sexo: Masculino
    • http://www.flickr.com/photos/jerazevedo/
Resposta #4 Online: 21 de Maio de 2007, 19:54:26
Outro dia, por acaso, tive o prazer de ver um programa sobre ele na CNN. Neste hot site do programa tem vídeos, inclusive de uma sessão para a última campanha da Versace com a Kate Moss e mais duas simpatias, além de entrevista, galeria, etc.

http://edition.cnn.com/CNNI/Programs/revealed/testino/

Vejam porque vale a pena.

Um cara simpático, consciente, experiente. Acho importante como lá fora se valoriza a experiência e mesmo "senhores" como Mário Testino, Patrick Demarchelier, Bruce Weber têm o seu espaço. Aqui, passou dos trinta tudo já fica difícil. Quando se começa a ficar bom, se é descartado.

Uma vez li uma entrevista do art buyer da Vogue. Ele falava que dificilmente se contrata alguém com menos de 35 anos. A razão? Até essa idade, a pessoa está desenvolvendo um estilo e eles não querem que a revista sirva de laboratório para a garotada. Existem outras para isso.

Abraços,

José Azevedo


neocosmo

  • Trade Count: (10)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.055
    • http://neocosmo.deviantart.com/
Resposta #5 Online: 21 de Maio de 2007, 20:37:08
Citar
Testino – Sou muito amigo da Kate Moss

Puxa... !
 :bye2:

 
« Última modificação: 21 de Maio de 2007, 20:37:28 por neocosmo »
Renato Ventura - Mococa e Ribeirão Preto/SP[/size]
email: renatoventura@uol.com.br