Autor Tópico: Reino Unido quebrando direito autoral de imagens na WEB!!  (Lida 1404 vezes)

Marcelo Favero

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 767
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo dos Santos
Online: 22 de Fevereiro de 2010, 09:27:48
http://ow.ly/19GXu

Pelo o que entendi, se a foto não identificar seu autor na internet (o que é a grande maioria) ela poderá ser utilizada comercialmente livremente. Haverá uma espécie de "fundo público" ao qual o utilizador deverá pagar uma taxa. Se o autor descobrir sua imagem em algum material, poderá recorrer a esse fundo pra receber "alguma coisa" (esmola, gorjeta, sei lá...). :eek:

Bem, quem tiver inglês melhor que o meu, veja lá se não é isso! Danou-se!

Link fornecido pelo Clício Barroso via Twitter

Marcelo dos Santos

Associado Fototech


joseazevedo

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 588
  • Sexo: Masculino
    • http://www.flickr.com/photos/jerazevedo/
Resposta #1 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 02:23:59
http://ow.ly/19GXu

Pelo o que entendi, se a foto não identificar seu autor na internet (o que é a grande maioria) ela poderá ser utilizada comercialmente livremente. Haverá uma espécie de "fundo público" ao qual o utilizador deverá pagar uma taxa. Se o autor descobrir sua imagem em algum material, poderá recorrer a esse fundo pra receber "alguma coisa" (esmola, gorjeta, sei lá...). :eek:

Bem, quem tiver inglês melhor que o meu, veja lá se não é isso! Danou-se!

Link fornecido pelo Clício Barroso via Twitter




A pergunta que sempre fica é: o que dá aos governos - inglês, no caso - o direito de roubar o cidadão impunemente? E, nesse caso, eles não foram nem um pouco humildes. Simplesmente se dão ao direito de passar a mão em qualquer imagem colocada na internet sem identificação e cujo autor não seja facilmente encontrado. Estão batendo a carteira do mundo.

Genial. Também quero. Vamos à Inglaterra e, como o autor do artigo sugeriu, pegamos o primeiro carro cuja placa esteja ilegível e trazemos pra cá. A lógica britânica é que se não dá pra saber quem é o dono, não é de ninguém, achado não é roubado. Lá o mesmo deve estar valendo para qualquer coisa, então. Casacos, relógios, jóias, mulheres (se bem que nesse quesito, exceto pela Kate Moss, acho que o pessoal vai abrir mão das britânicas...).

Imagino o rolo internacional que isso irá causar.

Quem fizer o roubo tem que depositar uma caixinha numa conta X. Se você conseguir provar que a sua foto é sua, recebe um troco. Imagine o custo de provar alguma coisa na Inglaterra. Vai valer muito a pena...

Ainda segundo o autor, isso é uma tentativa do governo britânico de ajudar a imprensa inglesa. Ridículo. Custo de imagens para editorial sempre foi baixíssimo. Se eles não sabem se administrar, que vão à falência, mas sem levar o mundo junto. Parecem os americanos com relação à emissão de poluentes.

Ele também ressalta que os mais afetados serão os amadores, que não se preocupam em registrar suas imagens e ainda sentem-se lisonjeados quando um jornal publica uma foto sua.

Porque não reduzem os impostos para a imprensa??? Aí não vale, né.

Não faz mal nenhum começar a colocar marca d'água nas nossas fotos postadas na internet. Nem começar a checar as revistas britânicas nas bancas. Eu acho feio, interfere na imagem, mas é uma forma de encher o saco dos "espertinhos" de plantão.

Abraços,

José Azevedo



Fransergio Paiva

  • Trade Count: (8)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.522
  • Sexo: Masculino
    • http://www.fransergiopaiva.com.br/
Resposta #2 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 10:19:27
e o que impedirá de cortarem sua imagem excluíndo sua logo e com base nisto sua foto passar para o banco de dados deles.

será que terei que fazer minha logo ocopar toda foto em formato de marca d'agua???

 :aua: :aua:
Fransergio Paiva
Analista de Sistemas
Belo Horizonte - MG  - 
Nikon D7200
Nikon D300s
Nikon D50
Nikon 50mm 1.8 / Nikon 80-200mm 2.8 / Tamron 28-75mm 2.8
SB-600 / SB-900
Sekonic L-358 Flash Master Light

http://www.fransergiopaiva.com.br/


Marcelo Favero

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 767
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo dos Santos
Resposta #3 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 11:42:48
Odeio marca d'água nas fotos. A opção seria usar resolução baixíssima, o que também seria ridículo e prejudicial tendo em vista as resoluções de monitores e velocidade da banda larga que temos hoje.
Marcelo dos Santos

Associado Fototech


Guigo_Mr

  • Trade Count: (3)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.566
  • Sexo: Masculino
    • Rodrigo Augusto - fotografia & arte
Resposta #4 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 13:13:19
Mas...

Ainda me parece que há um exagero de interpretações. Porque é uma lei inglesa, não pode ter validade sobre outras nações ou sobre dominios externos à inglaterra.

Em tese a WEB não tem donoe não é inglesa.

Querem garantia ? De fato, absoluta nunca teremos; mas registre um domínio .BR e tenha seu material hospedado no Brasil sujeito às lei brasileiras, como a fraca lei dos direitos autorais. Se um dia você precisar brigar jucicialmente pelo seu próprio conteúdo e obra ficará muuuuito menos burocrático.

Mas... garantia mesmo "soy yo".



Marcelo Favero

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 767
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo dos Santos
Resposta #5 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 14:53:58
Mas...

Ainda me parece que há um exagero de interpretações. Porque é uma lei inglesa, não pode ter validade sobre outras nações ou sobre dominios externos à inglaterra.

Em tese a WEB não tem donoe não é inglesa.

Querem garantia ? De fato, absoluta nunca teremos; mas registre um domínio .BR e tenha seu material hospedado no Brasil sujeito às lei brasileiras, como a fraca lei dos direitos autorais. Se um dia você precisar brigar jucicialmente pelo seu próprio conteúdo e obra ficará muuuuito menos burocrático.

Mas... garantia mesmo "soy yo".



Então Rodrigo, se essa lei passar, todo material encontrado na internet que não tenha uma identificação de autoria fácil, poderá ser utilizado. Como a internet é a casa da mãe joana, se um blogueiro do Uzbequistão (ou mesmo no Brasil) copiar sua foto do seu site .br e colar num novo jpg do blog dele sem o crédito, qualquer veículo de imprensa inglesa pode ir lá e pegar sua foto. Depois, você que corra atrás dos seus direitos! Eles não são donos da internet, mas a internet não tem fronteiras!
Marcelo dos Santos

Associado Fototech


joseazevedo

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 588
  • Sexo: Masculino
    • http://www.flickr.com/photos/jerazevedo/
Resposta #6 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 15:13:26
Pois é. O material chega na Inglaterra através da internet. Ninguém sai fisicamente da Inglaterra para buscá-lo. Portanto, valem as leis da Inglaterra.
Acho que o mundo devia aplicar a famosa reciprocidade contra os ingleses. Abaixo os direitos autorais de tudo criado por cidadãos ingleses. De música a fotografia aos produtos Apple (o Chief Designer é inglês).

Os chinas iam adorar piratear oficialmente. Já o pessoal de música não ia ficar feliz... E, a menos que se cante o nome do autor (es) e da música, não tem como identificar o autor no maio da música, não dá pra colocar marca d'água, hahahaha.

Abs,
José Azevedo


Marcelo Favero

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 767
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo dos Santos
Resposta #7 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 15:25:37
Pois é. O material chega na Inglaterra através da internet. Ninguém sai fisicamente da Inglaterra para buscá-lo. Portanto, valem as leis da Inglaterra.
Acho que o mundo devia aplicar a famosa reciprocidade contra os ingleses. Abaixo os direitos autorais de tudo criado por cidadãos ingleses. De música a fotografia aos produtos Apple (o Chief Designer é inglês).

Os chinas iam adorar piratear oficialmente. Já o pessoal de música não ia ficar feliz... E, a menos que se cante o nome do autor (es) e da música, não tem como identificar o autor no maio da música, não dá pra colocar marca d'água, hahahaha.

Abs,
José Azevedo

Boa! Pwta exemplo!! Tocou no rádio é minha!!!
Marcelo dos Santos

Associado Fototech


Ana Adams

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.653
  • Sexo: Feminino
    • http://www.anaadams.com
Resposta #8 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 16:19:20
Gente, calma.. calma.....  :D
Não é bem assim.
Pelo menos não aqui nos EUA, que acredito que seja o mesmo caso da Inglaterrra.
O caso aqui se chama Orphan Works ( em tradução livre, trabalhos órfãos, ou seja, sem " pai nem mãe" ).
Não é apenas a pessoa olhar na internet uma foto sem marca d' água e já sair usando comercialmente.... Para a foto ser considerada Orphan Work não pode ter exif, nem marca d' agua, nem registro de copyright, e a pessoa que quiser utiliza-la comercialmente tem que provar que fez todos os esforços para achar o dono antes de poder ter acesso a ela.
Não sei como funciona internacionalmente, mas provavelmente a lei que vale é a do país onde a foto foi usada comercialmente.
Aqui nos EUA podemos registrar as fotos facilmente na " Library of Congress" , eu registro todos as minhas 2 ou 3 vezes ao ano e assim me protejo de qualquer coisa. A Inglaterra propõe a mesma coisa, seria uma maneira segura de proteger os direitos autorais dos fotógrafos. Não que eu esteja de acordo com essa lei, que por sinal ainda não passou aqui, mas ela é uma tentativa de regulamentar a propriedade intelectual. Uma vez registrada a foto, não tem como a pessoa perder um processo se conseguir achar sua foto sendo utilizada sem licença.
.


Guigo_Mr

  • Trade Count: (3)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.566
  • Sexo: Masculino
    • Rodrigo Augusto - fotografia & arte
Resposta #9 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 16:33:57
Muito bom Ana.

Há ainda que considerar que, uma foto roubada só será conhecida se um grande veículo utilizar, e isso já é sabido hoje. Uma grande capa com uma foto não paga ao autor só porque o jornal ou revista acham ou não encontraram o dono é mais escândalo do que a matéria.

Vejam, ano passado aconteceu de eu fotografar um tumulto aqui onde uma BR foi bloqueada com queima de pneus e etc. Só eu fiz fotos. O Estado de Minas e o O Tempo me ligaram no dia seguinte querendo a foto para matéria, alegaram projeção e etc.; queriam que eu mandasse a foto e eles analisariam qual seria a AJUDA DE CUSTO que me dariam pela foto.

Eu mandei o email sim, sem as fotos e pedi a eles que me enviassem uma solicitação por email pedindo a foto, dizendo que não publicariam a foto antes de citarem os créditos e também sem que combinássemos o valor.

Eles também queriam os direitos sobre ela, sempre alegando projeção a meu favor. Eu não abri mão da MINHA foto e disse que simplesmente cederia à foto para a edição ou reportagem solicitada.

Resumo. NEM RESPONDERAM. PREFIRO ASSIM.

Oposto a isso existem as obras muito conhecidas e de origem realmente desconhecidas o que acontece muito em músicas antigas e também com alguns poemas.

Como também sou músico registro as minhas composições todas, mas nunca pesquisei se há como registrar fotos e quanto isso custaria.

 :ponder:


Marcelo Favero

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 767
  • Sexo: Masculino
    • Marcelo dos Santos
Resposta #10 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 16:47:28
Gente, calma.. calma.....  :D
Não é bem assim.
Pelo menos não aqui nos EUA, que acredito que seja o mesmo caso da Inglaterrra.
O caso aqui se chama Orphan Works ( em tradução livre, trabalhos órfãos, ou seja, sem " pai nem mãe" ).
Não é apenas a pessoa olhar na internet uma foto sem marca d' água e já sair usando comercialmente.... Para a foto ser considerada Orphan Work não pode ter exif, nem marca d' agua, nem registro de copyright, e a pessoa que quiser utiliza-la comercialmente tem que provar que fez todos os esforços para achar o dono antes de poder ter acesso a ela.
Não sei como funciona internacionalmente, mas provavelmente a lei que vale é a do país onde a foto foi usada comercialmente.
Aqui nos EUA podemos registrar as fotos facilmente na " Library of Congress" , eu registro todos as minhas 2 ou 3 vezes ao ano e assim me protejo de qualquer coisa. A Inglaterra propõe a mesma coisa, seria uma maneira segura de proteger os direitos autorais dos fotógrafos. Não que eu esteja de acordo com essa lei, que por sinal ainda não passou aqui, mas ela é uma tentativa de regulamentar a propriedade intelectual. Uma vez registrada a foto, não tem como a pessoa perder um processo se conseguir achar sua foto sendo utilizada sem licença.
.

Então Ana,
Já ví minhas fotos publicadas em um blog português. Nem fiz nada, porque era um blog meia boca e o blogueiro certamente fez isso na inocência. Deixei passar (nem as fotos eram tão interessantes assim...). Mas veja que Exifs são eliminados facilmente e roubo de imagens na internet é super corriqueiro. Depois temos que correr atrás do prejuízo. Mas gente séria não rouba nada porque é crime. Se a lei das orfans pegar, lá no UK, deixará de ser crime empresas sérias procurarem não pagar e buscar material na internet, daquele blogueiro que apagou o exif. Ou seja, primeiro vão tentar conseguir de graça "legalmente". Somente se não conseguirem vão pagar. Vai ser tornar uma prática comum. O que serão "todos os esforços"? Uma pesquisa no Google? É fácil desaparecer com o dono de uma imagem que será veiculada regionalmente. Vamos sempre ter o ônus administrativo de provar que o material é nosso. O que antes era coisa de bandidos será comum na formalidade. Isso é ruim pro mercado.

De fato, de fato, acredito que os mecanismos de proteção vão surgir e o material de qualidade continuará sendo obtido pelos meios tradicionais. Mas isso abre precedentes para algumas dores de cabeça.
E de qualquer forma, aqui no Brasil, que eu saiba, não temos como registrar nossas fotos facilmente.
Acho que ficaremos vulneráveis demais. Não temos um modo simples de nos defender... ou melhor, órfãos seremos nós!

Abraços
Marcelo dos Santos

Associado Fototech


GutoVilaça

  • Trade Count: (6)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.321
  • Sexo: Masculino
Resposta #11 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 16:53:44
Eu nunca posto minhas fotos em alta resolução na net e sempre coloco uma assinatura em um dos cantos mesmo sabendo que isso não é garantia alguma. Também acho mais legal foto sem assinatura alguma mas é uma forma de precaução.

Porém uma boa dica que li aqui no fórum é SEMPRE guardar as fotos cruas e postar fotos com um pequeno crop. Se alguém utilizar sua foto e você nunca descobrir (o que é mais provável) fica por isso mesmo mas caso você descubra, tem como provar que o material lhe pertence.
VAMOS ESTUDAR MAIS FOTOGRAFIA ANTES DE CRITICAR UMA FOTO ALHEIA. VAMOS CRITICAR SE O AUTOR PEDIR. SE VAMOS CRITICAR E COMENTAR, VAMOS FAZER COM SABEDORIA, COM EMBASAMENTO E DE MODO QUE SEJA ALGO CONSTRUTIVO. NÃO APELE SE O AUTOR DAS FOTOS REBATER ÀS CRÍTICAS AFINAL ISSO É DIREITO DELE. VAMOS DÁ BONS EXEMPLOS COM NOSSAS FOTOS POIS SÓ FICAR CRITICANDO FOTOS DOS OUTROS NÃO FAZ DA GENTE UM BOM FOTÓGRAFO.  VAMOS FOTOGRAFAR MAIS E CORNETAR MENOS!!!


Ana Adams

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.653
  • Sexo: Feminino
    • http://www.anaadams.com
Resposta #12 Online: 23 de Fevereiro de 2010, 16:55:07
Oi Marcelo,

não acho que no BR ficaremos mais vulneráveis do que já estamos, já que não há regulamentação formal praticamente nenhuma.
Como o blogueiro que vc citou, muita gente usa fotos sem premissão sem saber que precisa, por mais incrível que isso possa parecer.
Meu sobrinho mesmo, formado em faculdade, usou uma foto do Ansel Adams para basear seu logo nela. Quando expliquei prá ele tudo o que isso implicava, ele me disse que nunca soube de nada, nem isso foi ensinado na faculdade ( Desenho Industrial, FAAP). O mercado inteiro tem que se ajusat `a realidade digital, não será uma medida ou outra isoladas que vão resolver o problema da pirataria, isso é certo.
Mas, comoo Guigo tb citou, a pessoa que faz uso comercial visando lucro sabe muito bem que isso é roubo, e esse vai ser o primeiro a pensar duas vezes antes de se meter com uma foto do Google que " parece"  que não tem dono. Ele não tem como saber se a tal foto está registrada, só por isso mesmo já deve evitar o roubo.
O mercado editorial não se beneficia muito `a princípio, mas o mercado publicitário sim, e há processos milionários rolando por aí.  Bem, vamos ver no que tudo vai dar !! Há certamente muita controvérsia.