Autor Tópico: Regulamentando a Profissão de Fotógrafo  (Lida 4473 vezes)

Alessandro D.

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 129
  • Sexo: Masculino
    • AD-PHOTOS
Online: 23 de Setembro de 2010, 15:40:08
Pessoal,

Lendo o tópico do Elmo ( http://forum.mundofotografico.com.br/index.php?topic=47147.msg441193#msg441193 ), percebi a indignação de alguns foristas qunto à não regulamentação do Fotógrafo como Profissional.

Pois bem, como não entendo muito do assunto, fui procurar orientação com uma conhecida minha que entende mais de processos legais e afins. A informação que obtive foi que "toda profissão ou atividade pode ser exercida livremente por qualquer cidadão, a menos que seja regulamentada por alguma lei". Parece óbvio, mas não é. É preocupante...

Como nenhuma lei regulamenta a profissão de fotógrafo, ela é de livre exercício. Bem como não existe nenhum tipo de órgão fiscalizador ( um CRF - Conselho Regional de Fotografia, por exemplo) que atue fiscalizando e defendendo os profissionais da área.

Para que isso ocorra, uma lei deveria ser criada para tal. E para isso sabemos como ocorre: Deputados criando projeto de lei, aprovação, etc, etc... Porém, isso só ocorre quando, normalmente, uma parcela representativa da população se vê prejudicada na inexistência de tal regulamentação. Para se ter uma idéia, há pouco tempo atrás, um massoterapeuta não precisava de nenhuma formação, e hoje já existe uma lei que obriga o popular "massagista" ter, no mínimo, 3° grau completo (não interessa em quê, mas precisa). E tudo por causa de uma lei.

Minha idéia aqui é ajudar e não causar polêmica. Sou hobbista sem pretensão profissional, mas acho que se a classe se juntasse a regulamentação poderia sair do papel. Veja, nem sei se isso já está em andamento ou se já foi proposto por alguém! Mas com tanta gente entrando no mercado por causa da facilidade tecnológica, isso se torna um fator preocupante.

O que acham disso?

Abraço e boa semana,
 :ok:
Alessandro D.
São Paulo-SP
Canon Elan 7N (EOS30) + Canon EF 28-105mm f/3.5-4.5 II USM + Canon EF 70-300mm f/4-5.6 IS USM
http://www.flickr.com/photos/AD-PHOTOS


Leandro Rodrigues

  • Trade Count: (34)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.185
  • Sexo: Masculino
Resposta #1 Online: 23 de Setembro de 2010, 16:07:29
Alessandro, acho importante e interessante a reflexão sobre o assunto, principalmente para quem está entrando na área. Eu que sou de TI sofro do mesmo mal, e sei bem o que é trabalhar numa área sem regulamentação. O mercado exige faculdade, mas a maioria das vagas são técnicas  :ponder: :ponder: Acho um absurdo exigir faculdade de uma massagista. Esse é um mal do brasileiro, achar que faculdade resolve tudo. Isso é lobby pra sustentar essas instituições. Fotógrafos, não caiam nessa também.


GutoVilaça

  • Trade Count: (6)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.321
  • Sexo: Masculino
Resposta #2 Online: 23 de Setembro de 2010, 17:52:15
É muito difícil criarem alguma lei regulamentar pois teriam que mudar a constituição com alguma emenda. Exigirem algum diploma para a profissão de fotógrafo está longe de acontecer na minha opinião.

Vocês se lembram:

"IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença."

Vocês se lembram do que aconteceu recentemente: Por 8 votos a 1, o supremo tribunal federal derrubou a exigência de diploma para os jornalistas. O pilar dessa decisão foi o artigo da constituição federal que citei acima.

O problema é bem maior. Acho que não se restringe somente aos fotógrafos. Temos indústrias picaretas (aquelas de fundo de quintal), temos oficinas mecânicas picaretas (e como temos), temos lojistas picaretas (que não respeitam o consumidor), temos escolas e faculdades picaretas (pagou, passou), temos profissionais liberais diplomados e picaretas (não pagam impostos, não tem competência e por aí vai).

Para cuidar de nós, felizmente criou-se o código de defesa do consumidor. Ninguém é obrigado a conhecer de fotografia para contratar um fotógrafo, nem conhecer de peças para deixar seu carro numa oficina. O consumidor é o lado frágil dessa relação e devemos usar dessa "arma" para exigir nossos direitos quando compramos um produto ou contratamos um serviço. Se o consumidor for exigente, os picaretas vão desaparecer. O problema é que somos muito acomodados e o mau profissional se aproveita disso: empurra qualquer coisa em cima da gente porque aceitamos com facilidade. Essa mentalidade é que nós, consumidores, temos que mudar. Ainda tem o custo das coisas. Normalmente qualidade exige um custo maior (qualificação custa caro, impostos são caros, equipamentos adequados são caros e etc). Lógico que isso será repassado para o consumidor que na maioria das vezes não está afim (ou não pode) pagar. Na maioria das vezes, o consumidor aceita os serviços de picaretas para não ter que arcar com os custos de um bom profissional. A questão é profunda...hehehehehe.

Abs.



« Última modificação: 23 de Setembro de 2010, 18:04:15 por GutoVilaça »
VAMOS ESTUDAR MAIS FOTOGRAFIA ANTES DE CRITICAR UMA FOTO ALHEIA. VAMOS CRITICAR SE O AUTOR PEDIR. SE VAMOS CRITICAR E COMENTAR, VAMOS FAZER COM SABEDORIA, COM EMBASAMENTO E DE MODO QUE SEJA ALGO CONSTRUTIVO. NÃO APELE SE O AUTOR DAS FOTOS REBATER ÀS CRÍTICAS AFINAL ISSO É DIREITO DELE. VAMOS DÁ BONS EXEMPLOS COM NOSSAS FOTOS POIS SÓ FICAR CRITICANDO FOTOS DOS OUTROS NÃO FAZ DA GENTE UM BOM FOTÓGRAFO.  VAMOS FOTOGRAFAR MAIS E CORNETAR MENOS!!!


Takami

  • Trade Count: (2)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 260
  • Sexo: Masculino
Resposta #3 Online: 23 de Setembro de 2010, 18:14:49
Não me preocupo com isso, pois se regulamentar, será uma taxa a mais para o brasileiro pagar e isso não fará com que as pessoas sejam ótimos profissionais.

Só complementando o que o Leandro Rodrigues se referiu a faculdades... concordo, faculdade não resolve tudo, só dá uma base para o aluno entrar no mercado de trabalho, agora quem forma o bom profissional é o próprio aluno.

tiagotakami | fotografia still

Body: Nikon F2a | Nikon D90
Lens: Sigma 16mm f/2.8 Fisheye | Nikkor AF-S 35mm f/1.8 DX | Tamron 28-75mm f/2.8 |
Light & Acessories: SB-400 | SB-800 | 1x Transmissor Cactus V4 | 2x Receptor Cacuts V4

A iluminação ajuda-nos a ter uma boa visibilidade e a criar uma atmosfera agradável.


Branco Melo

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.554
  • Sexo: Masculino
  • O universo é a foto que Deus criou.
Resposta #4 Online: 24 de Setembro de 2010, 22:33:40
É muito difícil criarem alguma lei regulamentar pois teriam que mudar a constituição com alguma emenda. Exigirem algum diploma para a profissão de fotógrafo está longe de acontecer na minha opinião.

Vocês se lembram:

"IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença."

Vocês se lembram do que aconteceu recentemente: Por 8 votos a 1, o supremo tribunal federal derrubou a exigência de diploma para os jornalistas. O pilar dessa decisão foi o artigo da constituição federal que citei acima.

O problema é bem maior. Acho que não se restringe somente aos fotógrafos. Temos indústrias picaretas (aquelas de fundo de quintal), temos oficinas mecânicas picaretas (e como temos), temos lojistas picaretas (que não respeitam o consumidor), temos escolas e faculdades picaretas (pagou, passou), temos profissionais liberais diplomados e picaretas (não pagam impostos, não tem competência e por aí vai).

Para cuidar de nós, felizmente criou-se o código de defesa do consumidor. Ninguém é obrigado a conhecer de fotografia para contratar um fotógrafo, nem conhecer de peças para deixar seu carro numa oficina. O consumidor é o lado frágil dessa relação e devemos usar dessa "arma" para exigir nossos direitos quando compramos um produto ou contratamos um serviço. Se o consumidor for exigente, os picaretas vão desaparecer. O problema é que somos muito acomodados e o mau profissional se aproveita disso: empurra qualquer coisa em cima da gente porque aceitamos com facilidade. Essa mentalidade é que nós, consumidores, temos que mudar. Ainda tem o custo das coisas. Normalmente qualidade exige um custo maior (qualificação custa caro, impostos são caros, equipamentos adequados são caros e etc). Lógico que isso será repassado para o consumidor que na maioria das vezes não está afim (ou não pode) pagar. Na maioria das vezes, o consumidor aceita os serviços de picaretas para não ter que arcar com os custos de um bom profissional. A questão é profunda...hehehehehe.

Abs.





Assino embaixo.
Mas pergunto já não existe facudade de fotografia?
Praque um diploma se a prof não é regulamentada?
Pra ser bom fotografo não precisa de diploma.
Tô certo? ou não!?
Cameras: Canon 60D, T3i, Elan 7n; Objetiva: Canon EF 28-135mm macro, Canon EF-S 18-55mm, Sigma EF 28-105mm. Canon 18-55mm; Canon 24-105 USM Is L; Flashs: Canon speedlite 540EZ, Canon speedlite 430EX2, flash yongnuo YN 568ex ii.

 http://www.flickr.com/photos/photografobranco/


GutoVilaça

  • Trade Count: (6)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.321
  • Sexo: Masculino
Resposta #5 Online: 24 de Setembro de 2010, 23:22:27
Assino embaixo.
Mas pergunto já não existe facudade de fotografia?
Praque um diploma se a prof não é regulamentada?
Pra ser bom fotografo não precisa de diploma.
Tô certo? ou não!?
Um diploma não prova que vc é um bom profissional mas pelos menos é uma referência. Supõe-se que com um diploma vc está apto a entrar no mercado de trabalho. É uma prova (um certificado) que a pessoa tem conhecimento para exercer a profissão na qual fez o curso. No caso do jornalismo, por exemplo, não é obrigatório mas deve servir como base curricular até na hora da contratação em uma empresa. No caso do fotógrafo, é a mesma coisa. Um cara que fez cursos e tem essa bagagem acadêmica provavelmente tem mais condições de se estabelecer no mercado mesmo que não haja obrigação disso. O importante não é o diploma nesse caso e sim o conhecimento adquirido. O bom e o mau profissional já é outra história e não tem nada a ver com diplomas.
VAMOS ESTUDAR MAIS FOTOGRAFIA ANTES DE CRITICAR UMA FOTO ALHEIA. VAMOS CRITICAR SE O AUTOR PEDIR. SE VAMOS CRITICAR E COMENTAR, VAMOS FAZER COM SABEDORIA, COM EMBASAMENTO E DE MODO QUE SEJA ALGO CONSTRUTIVO. NÃO APELE SE O AUTOR DAS FOTOS REBATER ÀS CRÍTICAS AFINAL ISSO É DIREITO DELE. VAMOS DÁ BONS EXEMPLOS COM NOSSAS FOTOS POIS SÓ FICAR CRITICANDO FOTOS DOS OUTROS NÃO FAZ DA GENTE UM BOM FOTÓGRAFO.  VAMOS FOTOGRAFAR MAIS E CORNETAR MENOS!!!


GutoBaptista

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 34
  • Sexo: Masculino
Resposta #6 Online: 22 de Novembro de 2010, 20:15:56
Boa noite!
Vejam esse projeto de Lei : http://www.camara.gov.br/sileg/integras/654111.pdf
Atualmente está como PL-5187/2009, em andamento

E alguns comentários que mandei para outro Fórum, onde o assunto foi mostrado, gostaria de saber as opiniões de vocês.
Um abraço,
Guto Baptista

"Amigos do DF_em_foco, boa noite!
Eu participo deste fórum principalmente na qualidade de ouvinte, aprendi muito nesses anos, não sou fotógrafo profissional, sou amador no sentido original da palavra: aquele que ama.. e em princípio, não pretendo me tornar um profissional, acho que dificilmente conseguiria pautar minhas fotos pelos desejos dos clientes. E respeito profundamente quem consegue fazer isso sem perder sua identidade..

Com relação ao projeto apresentado, tenho.algumas dúvidas, gostaria de suas opiniões.

Considerando que o trabalho de fotógrafo, em condições normais, não envolve riscos à saúde e à segurança das outras pessoas, qual o sentido do projeto? Não me parece que seja para valorizar o bom profissional, isso os próprios clientes, ao longo do tempo, vão fazendo.

Quantos cursos superiores de fotografia existem hoje no Brasil? e onde estão localizados? Caso um jovem, nesse imenso país, deseje se iniciar na profissão, será impedido por não ter dois anos de exercício da profissão (paradoxo!)  ou não poder se deslocar até um grande centro e cursar, sei lá, quatro ou cinco anos de um curso superior?

Quantos dos membros deste fórum, profissionais respeitados, fizeram curso superior de fotografia? e como começaram na profissão? Será que o trabalho como assistente (uma excelente escola, diga-se) seria suficiente para atender à lei? Lembrando que o efetivo exercício da profissão é relativo à data de promulgação da lei.

Um bom curso, uma certificação, são fatores muito importantes, mas acredito que não deveriam ser requisitos obrigatórios e sim desejáveis.

Enfim, são questões que eu, com mais de cinquenta anos de contato com a fotografia, acho que deveriam ser bem analisadas (e se o foram, gostaria de conhecer essas análise).

Um abraço a todos.

José Augusto"


Malheiros

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 876
  • Sexo: Masculino
Resposta #7 Online: 22 de Novembro de 2010, 23:07:03
Regulamentar é cercear, é burocratizar, é pôr a cabeça debaixo do tacão de ferro do Leviatã. Só vai servir para criar uma legião de vagabundos em sindicatos, conselhos, ordens e outros "órgãos", e alimentar cursos picaretas com o suor dos profissionais honestos.

O mercado é que vai decidir se uma formação acadêmica é necessária ou se o importante é possuir um bom portfólio e demonstrar competência e profissionalismo. Ou melhor, não o mercado, mas cada uns dos clientes que contratam um profissional de fotografia para atender a demanda deles. Esse mecanismo se auto-regula, e não há necessidade de o Estado meter as mãos imundas nesse assunto, decidindo quem pode e quem não pode exercer a profissão só pra atender meia dúzia de burocratas incompetentes e donos de faculdade.
Sony SLT-α77  /  DT 16-50mm 2.8 SSM  /  DT 50mm 1.8 SAM  /  DT 55-200mm 4-5.6  /  HLV-F42AM

"Light illuminates, shadows define." - Ed Pierce

Sort of a portfolio: http://www.flickr.com/photos/63893359@N03/sets/


shw

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 357
  • Sexo: Masculino
    • SHW FOTOS
Resposta #8 Online: 22 de Novembro de 2010, 23:35:57
Cara em TI que é bem mais difundido não existe regulamentação, e a anos que lutamos pela causa e nada muda é complicado
Especialista em DSLR Canon e Nikon