Autor Tópico: Funcionarios - conflitos  (Lida 2404 vezes)

Ismaili

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 10
  • Sexo: Masculino
Online: 18 de Abril de 2012, 00:00:34
E ai pessoal, uma boa noite/dia a todos.
Gostaria de trocar uma idéia com os amigos empregadores:
Temos hoje, 4 funcionários, dos quais 2 foram contratados como editor de imagens e assistente de fotografo.  Porem ambos tem gosto e jeito para a fotografia, compraram seus equipamentos fotográficos, fazem alguns serviços de fotografia em horário extra para nossa empresa, e nos acompanham em casamentos e ensaios. Um deles já fotografa sozinho no estúdio, quando não estamos.
O que acontece é que ambos querem também, ter seu site, seu nome assinado e reconhecido, usar as fotos do estúdio para portfólio pessoal, ter blog, fazer trabalhos extras.
Recentemente um deles nos colocou a situação de fazer trabalhos em tempo extra, usando um estilo próprio ( diferente do que o estúdio usa) para fazer um grana extra. Deixou claro que não iria interferir nas operações do estúdio, que sempre daria preferência pelos trabalhos do estúdio, que se algum interessado no trabalho dele pedisse algo que o estúdio oferece, então seria feito pelo estúdio. Que estava buscando um realização pessoal, algo para chamar de "meu".

Como os amigos administram ou vêem tal situação? é correto? Posso proibir eles de fazer isso? Como posso administrar tal situação para que ambos os lados ganhem?
E na questão, eles fotografam um evento para minha empresa, de quem é a imagem, é correto eles usarem imagens de nossos clientes para portfólio pessoal? tenho o direito sobre essas imagens?
Gostaria muito da ajuda dos amigos, pois queremos resolver os problemas da melhor forma possível, sem prejudicar e nem ser prejudicado.

Abraços









Natão

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.273
  • Sexo: Masculino
  • "dichterisch, wohnet der Mensch auf dieser Erde"
Resposta #1 Online: 18 de Abril de 2012, 07:21:00
E ai pessoal, uma boa noite/dia a todos.
Gostaria de trocar uma idéia com os amigos empregadores:
Temos hoje, 4 funcionários, dos quais 2 foram contratados como editor de imagens e assistente de fotografo.  Porem ambos tem gosto e jeito para a fotografia, compraram seus equipamentos fotográficos, fazem alguns serviços de fotografia em horário extra para nossa empresa, e nos acompanham em casamentos e ensaios. Um deles já fotografa sozinho no estúdio, quando não estamos.
O que acontece é que ambos querem também, ter seu site, seu nome assinado e reconhecido, usar as fotos do estúdio para portfólio pessoal, ter blog, fazer trabalhos extras.
Recentemente um deles nos colocou a situação de fazer trabalhos em tempo extra, usando um estilo próprio ( diferente do que o estúdio usa) para fazer um grana extra. Deixou claro que não iria interferir nas operações do estúdio, que sempre daria preferência pelos trabalhos do estúdio, que se algum interessado no trabalho dele pedisse algo que o estúdio oferece, então seria feito pelo estúdio. Que estava buscando um realização pessoal, algo para chamar de "meu".

Como os amigos administram ou vêem tal situação? é correto? Posso proibir eles de fazer isso? Como posso administrar tal situação para que ambos os lados ganhem?
E na questão, eles fotografam um evento para minha empresa, de quem é a imagem, é correto eles usarem imagens de nossos clientes para portfólio pessoal? tenho o direito sobre essas imagens?
Gostaria muito da ajuda dos amigos, pois queremos resolver os problemas da melhor forma possível, sem prejudicar e nem ser prejudicado.

Abraços

Bom, eu não vejo qualquer tipo de conflito na situação. Não tenho um estúdio muito menos empregados, mas como eles já deixaram claro a preferência pelo serviço do estúdio, e se estão cumprindo bem com essa tarefa não vejo onde possa haver qualquer tipo de conflito.
Site próprio e assinatura própria é muito comum ainda mais direto deles, já que foram eles que executaram o serviço o direito autoral da foto é deles, os créditos das imagens sempre serão deles.
Ao meu ver, conflito haverá se por um acaso tu começar a proibir qualquer tipo de inspiração dos teus fotógrafos, limitando-os a fazer digamos, o tradicional "feijão com arroz". Mas isso evidentemente tem que ser um acordo, e um acordo leva em conta as duas partes, não limitas os trabalhos deles desde que eles sem comprometam sempre com o estúdio, a partir do momento em que as regras forem quebradas por qualquer parte, daí sim haverá conflitos e pode levar a situações chatas como até a geração de uma concorrência forte e digamos, não amistosa.

Se um dia um deles montar seu próprio estúdio, pode ser certeza que sempre se lembrarão qual agradável era trabalhar pra ti, te recomendarão quando não puderem atender e manterão sempre esse vínculo. Agora se eles saírem por problemas causados por proibição, ou qualquer tipo de desavença, daí, meu caro, a coisa fica feia e a concorrência pode começar até ser bem desleal.


Essa é minha opinião sobre o assunto. Aguarde mais alguns colegas, quanto mais opinião, melhor.

Abs.
 :ok:


Clayton Igarashi

  • Trade Count: (17)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 167
  • Sexo: Masculino
Resposta #2 Online: 18 de Abril de 2012, 07:29:10
Muitas questões e todas bem interessantes! Vou acompanhar as respostas...estou curioso também! :ponder:


Luciano.Queiroz

  • Trade Count: (30)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.436
  • Sexo: Masculino
    • Luciano Queiroz
Resposta #3 Online: 18 de Abril de 2012, 08:24:24
Vou dar uma opinião. Não sei se pode ser levada à risca porque não trabalho com isso e não sei na prática como o sistema funciona..

Você tem custos com seu estúdio. Os funcionários pretenderem usá-lo em benefício próprio, visando lucro, nada mais justo que estipular um aluguel pra eles. Isso fará com que o uso seja mais controlado e mostrará pra eles como é difícil manter um negócio próprio.

Acho que simplesmente abrir pra usar fora do horário normal de funcionamento, pode até abrir brecha pra maracutaia... por exemplo, ele conhece alguém que quer o serviço, e em vez de indicar o estúdio pra fazer o trabalho oferece o mesmo serviço (já que é feito no mesmo estúdio, com o mesmo equipamento e profissional, mas em horário diferente) por um preço menor. Ele embolsa a grana e você fica com os custos. Isso é extremamente comum em várias áreas que conheço.

Um exemplo. Aqui na cidade tem uma empresa que instala ar condicionado. E tem um funcionário lá dentro que faz o mesmo serviço que a empresa por um preço bem menor fora do horário de expediente... No estúdio ele ia usar seus equipamentos e espaço, com o ar condicionado ele utiliza ferramentas da própria empresa... é justo isso? eu não acho! E acho até que dá demissão por justa causa isso..

E na questão, eles fotografam um evento para minha empresa, de quem é a imagem, é correto eles usarem imagens de nossos clientes para portfólio pessoal? tenho o direito sobre essas imagens?

Acho que se o seu cliente permitiu que você utilize as fotos no portfolio da empresa, é direito deles utilizarem também.
« Última modificação: 18 de Abril de 2012, 08:26:59 por Luciano.Queiroz »
Luciano Queiroz
www.lucianoqueiroz.com
Facebook: @caminhotracado - https://goo.gl/pNRgQX
Instagram: @caminhotrtacado - https://goo.gl/Gou1E2
Youtube: www.youtube.com/c/caminhotracado


Mike Castro

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.949
  • Sexo: Masculino
Resposta #4 Online: 18 de Abril de 2012, 10:26:41
Bom dia, vou te responder pelo outro lado, o do funcionário!

E ai pessoal, uma boa noite/dia a todos.
Gostaria de trocar uma idéia com os amigos empregadores:
Temos hoje, 4 funcionários, dos quais 2 foram contratados como editor de imagens e assistente de fotografo.  Porem ambos tem gosto e jeito para a fotografia, compraram seus equipamentos fotográficos, fazem alguns serviços de fotografia em horário extra para nossa empresa, e nos acompanham em casamentos e ensaios. Um deles já fotografa sozinho no estúdio, quando não estamos.

Exatamente como eu, quando entrei no meu ultimo emprego. A diferença é que já entrei fotografando melhor que meu chefe, e usava o equipamento da empresa.

O que acontece é que ambos querem também, ter seu site, seu nome assinado e reconhecido, usar as fotos do estúdio para portfólio pessoal, ter blog, fazer trabalhos extras.

Fazer trabalhos extras, acho que eles tem todo o direito. Porém, como freela pros outros, ou, numa área em que vc não atue. Por exemplo, seu foco é book, moda, still, eles que façam casamentos, jornalismo, etc... E ainda assim, a agenda dele tem que estar disponivel pra vc primeiramente.
Quanto a esse lado de site, divulgaar a marca propria, etc.. Eu não aceitaria, pelo seguinte: Imagina o Felipe massa, funcionario da Ferrari e com uma equipe de F1, a "Massa Racing". Vc acha que ele conseguiria os melhores patrocinios, convenios, marketing, pra Ferrari ou pra "Massa Racing"? Digo isso, porque no inicio, claro que eles respeitaram. Só que, com o tempo, eles vão preferir fazer do que te indicar, saca? Mais ou menos assim: "Pra que mandar cliente pro Smaili, se eu posso fazer o que ele faz?" Aí gera o conflito.

Recentemente um deles nos colocou a situação de fazer trabalhos em tempo extra, usando um estilo próprio ( diferente do que o estúdio usa) para fazer um grana extra. Deixou claro que não iria interferir nas operações do estúdio, que sempre daria preferência pelos trabalhos do estúdio, que se algum interessado no trabalho dele pedisse algo que o estúdio oferece, então seria feito pelo estúdio. Que estava buscando um realização pessoal, algo para chamar de "meu".

Eles aprenderam a fotografar com você? Então esqueça esse papo de "estilo próprio". Vai ser uma copieba só. Digo isso, porque meu ex-chefe era cinegrafista. Entrei na firma dele, como fotografo, e depois de um tempo, nao se sabia mais qual foto era de qual fotografo, tamanha a semelhança...
Outra coisa: Imagina a seguinte situação: VC paga salário, FGTS, vale transporte, etc., nos meses mais parados do meio do ano. Quando vc fecha um contrato, que vai precisar do seu segundo fotógrafo, descobre que ele já tem trabalho, e vai lucrar mais que vc, porque não tem que gastar com funcionário...

Como os amigos administram ou vêem tal situação? é correto? Posso proibir eles de fazer isso? Como posso administrar tal situação para que ambos os lados ganhem?
E na questão, eles fotografam um evento para minha empresa, de quem é a imagem, é correto eles usarem imagens de nossos clientes para portfólio pessoal? tenho o direito sobre essas imagens?
Gostaria muito da ajuda dos amigos, pois queremos resolver os problemas da melhor forma possível, sem prejudicar e nem ser prejudicado.

Abraços

Proibi-los, vc não pode. Não é ilegal, mas tbm não é bonito o que eles querem.
Quanto ao direito autoral, imagina o seguinte: O cliente pagou pro Ismaili, o que a foto dele vai estar fazendo no site de fulano??Ainda que não gerte processo, bla bla bla... vai queimar seu filme, porque os parentes e amigos do SEU cliente, vão procurar seu funcionário na proxima vez... E ele, LÓGICO, não vai recusar por sua causa.

É pra se pensar...


dkfuji

  • Trade Count: (7)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.703
  • Sexo: Masculino
    • DIY BR - especial Fotos
Resposta #5 Online: 18 de Abril de 2012, 10:46:03
Particularmente vou citar MEU caso:
Todas as imagens que produzo são de propriedade do estúdio. Fui pago para fazê-las. Se fizer bem feito, OK. Se fizer mal feito, prejú do estúdio. O risco é do estúdio.

Quanto ao uso do estúdio, pago um aluguel mais ou menos simbólico. Algo como 30% ou 40% abaixo do aluguel semelhante no mercado.

Assim todo mundo ganha. Prefiro pagar esse aluguel para compensar a depreciação e o desgaste natural a ter que comprar todo equipamento. É vantagem para mim, e não é prejuízo para o dono.


Luciano.Queiroz

  • Trade Count: (30)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.436
  • Sexo: Masculino
    • Luciano Queiroz
Resposta #6 Online: 18 de Abril de 2012, 10:50:49
Particularmente vou citar MEU caso:
Todas as imagens que produzo são de propriedade do estúdio. Fui pago para fazê-las. Se fizer bem feito, OK. Se fizer mal feito, prejú do estúdio. O risco é do estúdio.

Quanto ao uso do estúdio, pago um aluguel mais ou menos simbólico. Algo como 30% ou 40% abaixo do aluguel semelhante no mercado.

Assim todo mundo ganha. Prefiro pagar esse aluguel para compensar a depreciação e o desgaste natural a ter que comprar todo equipamento. É vantagem para mim, e não é prejuízo para o dono.

eu eu fosse o contratante concordo com tudo..

a questão de formação do portfolio que é mais complicada. Acredito que fez a foto tem direito sobre ela. mas precisam se definir regras sobre como divulgar.. Certa vez li aqui no forum que um certo fotografo no final da festa recolhia os cartões de memória dos freelancers , copiava e depois apagava tudo. Acho isso errado da mesma forma que a divulgação total por parte do freelance como o Mike Castro comentou..
Luciano Queiroz
www.lucianoqueiroz.com
Facebook: @caminhotracado - https://goo.gl/pNRgQX
Instagram: @caminhotrtacado - https://goo.gl/Gou1E2
Youtube: www.youtube.com/c/caminhotracado


dkfuji

  • Trade Count: (7)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.703
  • Sexo: Masculino
    • DIY BR - especial Fotos
Resposta #7 Online: 18 de Abril de 2012, 11:04:41
Isso depende da regra firmada entre as partes.

Quando vc trabalha numa empresa, todos documentos produzidos são de propriedade desta empresa.

No caso de tabalhos artisticos ouvi dizer que há uma pequena diferenciação, mas desconheço estes aspectos legais.

Eu faço meus trabalhos e monto meu portfolio do meu modo. Prefiro não entrar em conflito com quem me auxilia com equipamentos e infraestrutura. Acho justo. Não acho errado.

Ao contrário, eu acho errado pagar para alguém produzir algo que não me pertencerá.


Paulo Arruda

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.963
  • Sexo: Masculino
Resposta #8 Online: 18 de Abril de 2012, 11:20:34
Bom... acho que há conflito sim.
Acho justa a maneira como o dkfuji colocou.
Eventualmente, como produtor e cliente, contrato serviços de estúdios e fotógrafos independentes... principalmente para still.
Como curioso e cliente, sempre acompanho as sessões... conheço todos do estúdio, dono, atendimento, fotógrafo e me relaciono muito bem com todos.
Neste caso específico, todos respeitam o "acordo" implícito nas negociações... o fotógrafo é "só" o fotógrafo DO ESTÚDIO, ou seja, ele não faz freelas e não vai atravessar o negócio oferecendo serviços próprios (eu tbém nem contrataria nestas condições), mesmo tendo acesso direto ao cliente (nesse caso "eu").
Entretanto, já passei por situações assim... do cara querer atravessar o fornecedor... o que acho deplorável.
Ou seja, em se tratando de comportamento humano, vc pode sim ter problemas... a menos que esteja tudo especificado em contrato.

Acho muito complicada a situação... e creio que há conflito de interesses sim. Mas udo pode ser resolvido por um bom contrato... daquele tipo de "impedimento de atender o cliente do estúdio por xxx tempo após seu desligamento do estúdio".

Uma outra solução é oferecer "participação" ou algum tipo de "sociedade"... nos moldes que escritórios de advocacia oferecem... assim TALVEZ esse conflito seja minimizado.
Abs.


dkfuji

  • Trade Count: (7)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.703
  • Sexo: Masculino
    • DIY BR - especial Fotos
Resposta #9 Online: 18 de Abril de 2012, 11:31:54
Todo contrato firmado entre as partes é lei, desde que a regra não seja contra uma lei. Neste caso a cláusula ilegal é nula. Portanto será interessante avaliar o aspecto legal quanto ao uso das imagens em portfólio. Eu prefiro não usar. EU NÃO acho certo usar.

Não autorizo meus freela a usarem também (eventualmente também contrato freelances). Mas não sei e não acompanho para ver se usam.

É normal deter minar prazo mínimo de um ano para não atender aos clientes do estúdio para serviços relacionados aos que o estúdio faz. Esse prazo, entretanto, não é válido para licitações. Assim, apesar de antiético, é possível que eu atenda a um órgão governamental, e tenha acesso a um termo de referência para a próxima licitação do serviço que já presto. Assim, me adianto e abro uma empresa que ganhará a licitação. O órgão considera um bom negócio pois contratará por preço inferior. É antiético, eu não faria, mas neste caso, salvo engano, não é ilegal.


Natão

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.273
  • Sexo: Masculino
  • "dichterisch, wohnet der Mensch auf dieser Erde"
Resposta #10 Online: 18 de Abril de 2012, 12:04:24
Todo contrato firmado entre as partes é lei, desde que a regra não seja contra uma lei. Neste caso a cláusula ilegal é nula. Portanto será interessante avaliar o aspecto legal quanto ao uso das imagens em portfólio. Eu prefiro não usar. EU NÃO acho certo usar.

Não autorizo meus freela a usarem também (eventualmente também contrato freelances). Mas não sei e não acompanho para ver se usam.

É normal deter minar prazo mínimo de um ano para não atender aos clientes do estúdio para serviços relacionados aos que o estúdio faz. Esse prazo, entretanto, não é válido para licitações. Assim, apesar de antiético, é possível que eu atenda a um órgão governamental, e tenha acesso a um termo de referência para a próxima licitação do serviço que já presto. Assim, me adianto e abro uma empresa que ganhará a licitação. O órgão considera um bom negócio pois contratará por preço inferior. É antiético, eu não faria, mas neste caso, salvo engano, não é ilegal.

Aí é que está o problema, o que é esse uso da foto? Por certo o direito autoral é inalienável desde que o autor ceda esses direitos inegavelmente e ainda assim tem um prazo pra isso, mas é um prazo grande.
Não tem como um freelance, que produziu a foto, com equipamento próprio (a maioria deles trabalha com equipamento próprio), com todo o seu equipamento não poder usar a foto que mesmo faz só porque trabalhou para alguém.
O mais justo, ao meu ver seria, dar os devidos créditos à empresa de eventos e aos estúdios, que contrataram e proporcionaram a foto. Mas não tem como proibir e não é anti-ético mostrar o trabalho que tu faz, afinal é o teu trabalho, é tu mesmo que produz, se não fosse tu também ali, não teria aquela foto, daquele jeito. Então o ideal é sempre mediar os lados. Nem um uso total descompromissado nem o não uso como se fosse o maior erro do mundo divulgar o trabalho, até mesmo porque freelance vive disso, como ele vai mostrar o que ele já fez se não pode mostrar o que já fez? Não faz sentido algum.

Eu não uso as minhas fotos de freelance na internet, apenas para amostras pessoais, mas se assim o fizesse daria os devidos créditos a quem me contratou para fazer as fotos, pra mim isso sim é justo.

Quanto aos fotógrafos, se eles estão comprometidos com os trabalhos deles, e se estás cobrando pelo aluguel do estúdio, não vejo problemas de fazerem isso, desde que paguem e se ceda o espaço pra eles fazerem isso. Se não quiser é só não alugar daí eles terão que procurar outro lugar para fazer isso. Não é proibido o acúmulo de cargos para ninguém exceto servidores públicos e ainda assim professores e médicos podem ter acúmulo de cargos. Agora, qualquer servidor público pode trabalhar na iniciativa privada e ser servidor público, desde que tenha tempo suficiente pra isso. Então se teus fotógrafos querem fotografar no tempo extra e se tu cedes o espaço não vejo problemas, agora se tu não quiser ceder, daí é um problema exclusivamente teu e qualquer um pode negar isso.

« Última modificação: 18 de Abril de 2012, 12:12:57 por Natão »


spiderman

  • Trade Count: (4)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 13.410
Resposta #11 Online: 18 de Abril de 2012, 12:07:55
Aí é que está o problema, o que é esse uso da foto? Por certo o direito autoral é inalienável desde que o autor ceda esses direitos inegavelmente e ainda assim tem um prazo pra isso, mas é um prazo grande.
Não tem como um freelance, que produziu a foto, com equipamento próprio (a maioria deles trabalha com equipamento próprio), todo os equipamentos não poder usar a foto que mesmo faz só porque trabalhou para alguém.
O mais justo, ao meu ver seria, dar os devidos créditos à empresa de eventos e aos estúdios, que contrataram e proporcionaram a foto. Mas não tem como proibir e não é anti-ético mostrar o trabalho que tu faz, afinal é o teu trabalho, é tu mesmo que produz, se não fosse tu também ali, não teria aquela foto, daquele jeito. Então o ideal é sempre mediar os lados. Nem um uso total descompromissado nem o não uso como se fosse o maior erro do mundo divulgar o trabalho, até mesmo porque freelance vive disso, como ele vai mostrar o que ele já fez se não pode mostrar o que já fez? Não faz sentido algum.

Eu não uso as minhas fotos de freelance na internet, apenas para amostras pessoais, mas se assim o fizesse daria os devidos créditos a quem me contratou para fazer as fotos, pra mim isso sim é justo.

Quanto aos fotógrafos, se eles estão comprometidos com os trabalhos deles, e se estás cobrando pelo aluguel do estúdio, não vejo problemas de fazerem isso, desde que paguem e se ceda o espaço pra eles fazerem isso. Se não quiser é só não alugar daí eles terão que procurar outro lugar para fazer isso. Não é proibido o acúmulo de cargos para ninguém exceto servidores públicos e ainda assim professores e médicos podem ter acúmulo de cargos. Agora, qualquer servidor público pode trabalhar na iniciativa privada e ser servidor público, desde que tenha tempo suficiente pra isso. Então se teus fotógrafos querem fotografar no tempo extra e se tu cedes o espaço não vejo problemas, agora se tu não quiser ceder, daí é um problema exclusivamente teu e qualquer um pode negar isso.
Acho que é por aí mesmo. :ok:
Campanha de crowdfunding pra lançamento do livro - Retratos pra Yayá

Acesse e apoie: www.catarse.me/retratosprayaya


Portela 2011

  • Trade Count: (3)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 8.542
  • Sexo: Masculino
Resposta #12 Online: 18 de Abril de 2012, 12:18:29
Isso depende da regra firmada entre as partes.

Quando vc trabalha numa empresa, todos documentos produzidos são de propriedade desta empresa.


Nao e bem assim. As fotos sao da empresa. Seu fotografo nao podera comercializa-la, ou doa-la, nada deste tipo; mas o direito autoral ainda e dele. Portanto, ele pode uza-la para montar seu portifolio, pois e a apresentaçao do trabalho intelectual dele. Claro que isso se o fotografado autoriza-lo.

Quanto ao trabalho em horario extra, acho que tudo deve ser levado na mais firme postura profissional. Aqui nao cabe "amizade", sob a pena de perde-la. O horario fora do trabalho e dele, faz o que quiser. Nao vejo problema em fazer seu trabalho profissional pessoal, desde que tambem mantenha postura profissional. Uma vez que um cliente negocia com o studio, ele nao podera concorrer. Quanto a utilizaçao do studio, o que o dkfuji postou, considero uma otima opçao. Seu funcionario tera um aluguel mais barato e voce recebe ao menos o custo de manutençao de sua estrutura.

Prazo de carencia para oferecer serviço a clientes da empresa e interessante.

Agora, tudo deve ser feito formalmente, para que todos saibam o que foi acordado ou nao, e que nao gere conflitos posteriores. TRabalhei com consultoria com meu irmao por 3 anos ( e olha que com parente e bem mais complicada esta situaçao), e nunca tivemos nenhum problema.  :ok:


mad666

  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.828
  • Sexo: Masculino
  • "Aprendendo a cada dia..."
Resposta #13 Online: 18 de Abril de 2012, 12:53:35
Agora, tudo deve ser feito formalmente, para que todos saibam o que foi acordado ou nao, e que nao gere conflitos posteriores. TRabalhei com consultoria com meu irmao por 3 anos ( e olha que com parente e bem mais complicada esta situaçao), e nunca tivemos nenhum problema.  :ok:

Um advogado entraria aih bolando um contrato bem amarrado em termos de clausulas, mas q seja de comum acordo entre o estudio e os freelas. De boca, pouca coisa funciona a contento.

Agora, q os caras vao "drenar" parte da clientela para eles, isso eu acho inevitavel e seria ingenuidade de nossa parte nao pensar dessa forma. Isso eh bem dificil de se evitar e controlar. O cara que dah banho no meu cao ele tosa caes "por fora" da pet shop onde trabalha, em domicilio do cliente e mais barato! :ok:
"Um dia, crio coragem e me torno profissional!"

Duvidas!!!??? Agora, nada de mensagem pessoal. Use o forum!!!!


Ismaili

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 10
  • Sexo: Masculino
Resposta #14 Online: 18 de Abril de 2012, 13:01:22
Esse assunto é complicado mesmo... na minha opinião a lei do direito autoral abre uma brecha para esse tipo de situação.

Ja estive dos dois lados, ja fui empregado, não do ramo fotografico, como fotografo sempre fui empregador. Não gosto de injustiça com ninguem. Não quero prejudicar ninguem, e tambem não quero ser prejudicado. Como um dos amigos disse, o estudio, enquando empresa, tem um custo alto com impostos e empregados.

Voce vai la monta uma empresa, investe, paga imposto, monta entrutura, compra equipamento, contrata pessoal... e derepente ele quer usar as fotos dos eventos em que minha empresa foi contratada, pois o cliente não procurou o fotografo fulano e sim empresa do ismaili, para divulgar o proprio portfolio... é complicado....o exemplo do felipe massa cai como luva.

Quanto ao trabalho em horario extra, acho que tudo deve ser levado na mais firme postura profissional. Aqui nao cabe "amizade", sob a pena de perde-la. O horario fora do trabalho e dele, faz o que quiser. Nao vejo problema em fazer seu trabalho profissional pessoal, desde que tambem mantenha postura profissional. Uma vez que um cliente negocia com o studio, ele nao podera concorrer. Quanto a utilizaçao do studio, o que o dkfuji postou, considero uma otima opçao. Seu funcionario tera um aluguel mais barato e voce recebe ao menos o custo de manutençao de sua estrutura.

Não vejo problemas em trabalhar em horario extra, ja fiz e muito isso para conseguir grana... mas dai vem uma questão, meu estudio trabalho com gestantes, criancas, familias e casamentos. A idea dele é fazer um trabalho num estilo diferente, mas que tambem atinge meu publico alvo, que são as familias... se ele fosse fazer still, moda, catalogo, blz.. eu realmente não costumo fazer esse tipo de trabalho, estaria disposto até a passar isso para eles.
Quero levantar a seguinte questão para meu funcionario, e se agora o estudio resolvesse adotar tambem o teu estilo de foto, afinal de contas, as informações estão ai, para todo mundo ver... entendem a diferença de estilo e publico alvo.

Vejam bem, não estou crucificando eles, ou querendo ser carrasco. Busco sempre a igualdade, algo que sempre deixo claro para eles, se vale para um vale para o outro tambem, daqui a pouco todos os funcionarios vão querem fazer o mesmo.

Agora, q os caras vao "drenar" parte da clientela para eles, isso eu acho inevitavel e seria ingenuidade de nossa parte nao pensar dessa forma. Isso eh bem dificil de se evitar e controlar. O cara que dah banho no meu cao ele tosa caes "por fora" da pet shop onde trabalha, em domicilio do cliente e mais barato! :ok:
essa é questão chave.... é um passo, e bem curto para cara virar teu concorente... não que eu tenha medo de concorrencia, o sol nasce para todos, depois que abri o estudio, ja abriram mais 5 e nosso faturamento não caiu um centavo... mas então que peça a conta e meta a cara... sai na boa...
Tinhamos até planos de expansão do estudio, mas sinceramente fica dificil... se é para se encomodar, melhor não ter funcionario.