Autor Tópico: A era das compactas  (Lida 2131 vezes)

Francisco

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.550
Online: 24 de Janeiro de 2013, 01:34:08
Não sei se sou só eu ando pensando a respeito, mas cada vez menos sinto vontade de adquirir uma DSLR ou uma mirrorless de lentes intercambiáveis. Graças aos smartphones, fabricar compactas interessantes tornou-se um grande desafio para as principais marcas, o que deu uma boa arejada no mercado.

Antes dos celulares possuírem câmeras razoáveis, cada lançamento no segmento de compactas era entediante: ou era uma superzoom com sensor minúsculo ou uma compacta de bolso com pouco zoom e sensor igualmente minúsculo.

O momento atual me agrada bastante, pois essas duas pragas que dominaram o mercado por quase dez anos parecem estar tornando-se cameras-commodity, o que as torna desinteressantes financeiramente, pois as margens de lucro são menores. Por exemplo, hoje em dia é possível adquirir uma compacta very-low-end da Nikon por cerca de R$200,00. Para traçar um paralelo, minha primeira compacta digital, uma Sony P72, custou cerca de R$1300,00, e equivaleria em qualidade a essa point-and-shot Nikon dos dias atuais.

Temos que dar crédito a algumas fabricantes que apostaram nesse segmento, algumas obtendo sucesso e outras nem tanto. A Ricoh fabricava câmeras de um nicho que parece nunca ter dado muito certo: compactas com construção impecável, mas sensores minúsculos; já a Sigma parecia lançar a DP1 apenas para mostrar o potencial dos sensores Foveon, mas sem acrescentar o tempero necessário para que se popularizassem.

Acho que a Panasonic foi talvez a primeira a acertar a mão nessa nova tendência de compactas do final da década de 2000 ao lançar a LX3 (na verdade, já andavam experimentando nas LX1 e LX2, mas a LX3 foi um marco no setor). A Fujifilm também chegou perto em 2005 com a Finepix f10, mas a falta de controles manuais e - principalmente - a óptica com muita aberração cromática e wide-end modesto em torno de 35mm/38mm acabou comprometendo a série, embora tivesse obtido relativo sucesso em modelos subsequentes. Mais tarde, lá por 2009, a Olympus foi mais adiante e lançou a EP1 - algo com o qual todos já andavam sonhando: qualidade próxima de uma SLR, tamanho de compacta, lentes intercambiáveis.

Depois da excitação provocada pelas mirrorless da Olympus e da Panasonic - e as fabricantes do mainstream (Canon, Nikon e Sony) copiarem a ideia -, o conceito acabou ficando meio saturado e hoje as mirrorless tornaram-se meio que commodity-cameras, tudo o que uma empresa não quer que aconteça com seus produtos. Eu acho que a saída para as mirrorless é avançar para o full-frame, mas isso é outro papo. O momento atual é das compactas com sensor menor que o APS-C ou o m43.

Essas compactas caracterizam-se por uma qualidade de construção parecida com a de uma mirrorless ou mesmo uma SLR de entrada e sensores maiores que os de qualquer smartphone ou superzoom compacta. As objetivas embutidas partem de f/2, f/1.8 e até f/1.4, como é o caso da Panasonic LX7. O design geralmente remete à era das rangefinders (ninguém melhor do que a Fujifilm materializa essa ideia atualmente com as X100/X100s/X10/X20/XF1), que conviveram pacificamente com as reflex até os anos 70, mas nem todas são assim: a Sony tenta apostar num desenho contemporâneo, enquanto as DPx da Sigma lembram protótipos dos anos 80.

Enfim, estou empolgado com o momento atual das câmeras compactas, pois parecem muito em termos conceituais àquelas câmeras que herdamos de nossos pais e avós: são resistentes o suficiente para aguentarem a ação do tempo e possuem qualidades atemporais, que as tornam câmeras interessantes mesmo quando a tecnologia de lentes e sensores evolui. No momento, quem me parece mais sintonizado com essa tendência é a Fuji, capaz de unir beleza, qualidade e funcionalidade, tudo no mesmo produto.

E você, o que acha? Estamos ou não na era das compactas?
Francisco Amorim
Porto Alegre - RS
2x Canon F1 Old, AE1; Pentax MX, K100D; Fuji Finepix f10; Panasonic LX3


mad666

  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.828
  • Sexo: Masculino
  • "Aprendendo a cada dia..."
Resposta #1 Online: 24 de Janeiro de 2013, 10:03:58
Acho q estamos na era das mirrorless: compactas com sensor decente e boas lentes intercambiaveis. Claro q as empresas estao aplicando conceitos das mirrorless nas compactas, como a RX100 da Sony com sensor de CX ( de 1' ) e lente clara de range 28 a 100mm equivalente a 35mm. A G1X tb seria uma especie de "mirrorless q nao troca a lente".

Tenho uma Oly ZX-1 e sinto de falta de 2 coisas: uma resoluçao maior ( ela soh tem 10mp, q pra fazrr um crop, eh a morte da foto! ) e menos ruido em ISO alto ( em 800 ela jah começa a pedir soda... :( ).

Quando sairem compactas com sensor M4/3 e lentes zoom q comecem em f/1.8 no inicio do range, nao sejam escuronas no final range( como a RX100 q eh 1.8-4.9 ), tela touch... Enfim, uma mirrorless do sistema M4/3 mas com uma unica lente clara e de boa optica, aih acho q a era das compactas estarah começando...

Compacta com detector de sorrisos, com LCD frontal para auto-retratos, com wifi, com Android,... para mim, isso eh mera perfumaria!
"Um dia, crio coragem e me torno profissional!"

Duvidas!!!??? Agora, nada de mensagem pessoal. Use o forum!!!!


Foto Fácil

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.537
  • Sexo: Masculino
    • Foto Fácil
Resposta #2 Online: 24 de Janeiro de 2013, 10:47:54
Há quem diga que é justamente o contrário, que é o fim das compactas e estão apelando para todo tipo de penduricalho para arrebanhar os fãs de smartphones. Eu acho que é o fim das compactas mais simples assim como hoje não existe mais telefone celular que só fale e mande mensagem. E recentemente vimos empresas como Pentax e Sony entrarem no mercado das compactas premium além de uma enorme evolução nelas, até 201o não tinha nenhuma novidade e eram sempre os mesmos modelos de Canon e Panasonic, agora a coisa mudou bastante.

Acho que é o fim das compactas "bobinhas", essas perderam mercado para os smartphones.
Não respondo dúvidas por MP, aí ao lado estão todas as formas de contato comigo ou acesse meu blog de equipamentos fotográficos: http://www.foto-facil.com/

Minhas fotos: http://www.flickr.com/photos/rodrigojordy/


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.759
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Resposta #3 Online: 24 de Janeiro de 2013, 10:51:47
Acho que as "compactas premium" vão crescer cada vez mais no mercado. Eu ando coçando a mão por uma Sony RX100, mas se tivesse grana certamente investiria em uma RX1 ou em uma Fuji X100...


mad666

  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.828
  • Sexo: Masculino
  • "Aprendendo a cada dia..."
Resposta #4 Online: 24 de Janeiro de 2013, 15:51:40
Essas compactas q vc citou, Humberto, substituem as mirrorless com louvor em termos de sensor e optica.
"Um dia, crio coragem e me torno profissional!"

Duvidas!!!??? Agora, nada de mensagem pessoal. Use o forum!!!!


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 7.759
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Resposta #5 Online: 24 de Janeiro de 2013, 19:27:32
Essas compactas q vc citou, Humberto, substituem as mirrorless com louvor em termos de sensor e optica.

Também acho. Mas com a desvantagem de não poder trocar de objetivas e ainda assim serem mais caras...


Francisco

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.550
Resposta #6 Online: 24 de Janeiro de 2013, 19:39:39
Eu gostaria de ter hoje a recém-lançada X20. A X100S também é muito legal.

A verdade é que a LX3 me atende muito bem. Uma das coisas que gosto de fazer é sair fotografando com a LX e depois transferir as fotos diretamente para o meu celular com um leitor de cartões + cabo usb otg. A seguir, compartilho as fotos no Facebook, Estragram (Instagram), etc. O fato da LX3 suportar o formato quadrado (no firmware mais recente) ajuda a brincar com a linguagem pop do Instagram.
Francisco Amorim
Porto Alegre - RS
2x Canon F1 Old, AE1; Pentax MX, K100D; Fuji Finepix f10; Panasonic LX3


mad666

  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.828
  • Sexo: Masculino
  • "Aprendendo a cada dia..."
Resposta #7 Online: 25 de Janeiro de 2013, 17:00:53
Q celular vc usa pra isso? Um iphone?
"Um dia, crio coragem e me torno profissional!"

Duvidas!!!??? Agora, nada de mensagem pessoal. Use o forum!!!!


Francisco

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.550
Resposta #8 Online: 26 de Janeiro de 2013, 00:38:20
Q celular vc usa pra isso? Um iphone?

Um Galaxy Note da Samsung.
Francisco Amorim
Porto Alegre - RS
2x Canon F1 Old, AE1; Pentax MX, K100D; Fuji Finepix f10; Panasonic LX3


mad666

  • Trade Count: (31)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.828
  • Sexo: Masculino
  • "Aprendendo a cada dia..."
Resposta #9 Online: 26 de Janeiro de 2013, 11:23:41
Francisco, poste aqui o link desse acessorio q nem sabia q existia para Android. Tenho um Galaxy Nexus.
"Um dia, crio coragem e me torno profissional!"

Duvidas!!!??? Agora, nada de mensagem pessoal. Use o forum!!!!


Helena Bsb

  • Trade Count: (37)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.486
Resposta #10 Online: 26 de Janeiro de 2013, 12:51:48
eu acho que estamos na era é da tecnologia acessível e descartável, em praticamente qualquer segmento.
Câmeras fotográficas são lançadas a rodo, sendo uma característica incluída a cada lançamento posterior (nem sempre características boas, como a questão dos megapixels). Falando-se em compacta, seria possível lançar UMA câmera MUITO boa, como por exemplo uma superzoom com sei lá, seus 500-600mm de equivalência, zoom e foco de anel, lente com abertura fixa, no máximo 10 megapixels, LCD móvel e sensores mais interessantes do que esses minúsculos. E ficar nessa câmera, pois usuário amador não precisa de mais do que isso (digo com relação às SZ, havendo algo tão significativo quanto nas compactas de tamanho). Mas pra que? a intenção é se fazer de grande com tantos números, empurrar porcarias fazendo com que cada usuário acredite que seu equipamento atual não vale mais, e incentivar a troca desnecessária. Sem contar com a dificuldade de conserto. E com isso tudo, cagar, ops, mandar pra o ralo a natureza.
E é a raça humana conduzindo a própria extinção...
Essa é a atual era.
« Última modificação: 26 de Janeiro de 2013, 12:56:16 por Helena Bsb »


Foto Fácil

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.537
  • Sexo: Masculino
    • Foto Fácil
Resposta #11 Online: 26 de Janeiro de 2013, 12:56:31
E ainda tem as baterias que são lançadas 2 ou 3 novas todo ano por todas as fabricantes, e as de 5 anos atrás começam a cair em desuso. Aí você procura uma pra comprar...

Por isso que eu acho importante quem usa câmera a bateria comprar logo duas extras, pra evitar de passar por isso, e burlar a "descartabilidade" das baterias.
Não respondo dúvidas por MP, aí ao lado estão todas as formas de contato comigo ou acesse meu blog de equipamentos fotográficos: http://www.foto-facil.com/

Minhas fotos: http://www.flickr.com/photos/rodrigojordy/


Helena Bsb

  • Trade Count: (37)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.486
Resposta #12 Online: 26 de Janeiro de 2013, 13:00:13
pois é... mais uma característica da triste era da descartabilidade.


Francisco

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.550
Resposta #13 Online: 27 de Janeiro de 2013, 02:39:33
Francisco, poste aqui o link desse acessorio q nem sabia q existia para Android. Tenho um Galaxy Nexus.

No Mercado Livre procure por cabo micro usb otg ou cabo host micro usb. O meu eu comprei no camelódromo por 10 reais. Aí vc liga um leitor de cartões nele e tá feito.
Francisco Amorim
Porto Alegre - RS
2x Canon F1 Old, AE1; Pentax MX, K100D; Fuji Finepix f10; Panasonic LX3


Francisco

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.550
Resposta #14 Online: 27 de Janeiro de 2013, 02:57:02
eu acho que estamos na era é da tecnologia acessível e descartável, em praticamente qualquer segmento.
Câmeras fotográficas são lançadas a rodo, sendo uma característica incluída a cada lançamento posterior (nem sempre características boas, como a questão dos megapixels). Falando-se em compacta, seria possível lançar UMA câmera MUITO boa, como por exemplo uma superzoom com sei lá, seus 500-600mm de equivalência, zoom e foco de anel, lente com abertura fixa, no máximo 10 megapixels, LCD móvel e sensores mais interessantes do que esses minúsculos. E ficar nessa câmera, pois usuário amador não precisa de mais do que isso (digo com relação às SZ, havendo algo tão significativo quanto nas compactas de tamanho). Mas pra que? a intenção é se fazer de grande com tantos números, empurrar porcarias fazendo com que cada usuário acredite que seu equipamento atual não vale mais, e incentivar a troca desnecessária. Sem contar com a dificuldade de conserto. E com isso tudo, cagar, ops, mandar pra o ralo a natureza.
E é a raça humana conduzindo a própria extinção...
Essa é a atual era.

A Ricoh fez algo assim, uma câmera com sensor e lente intercambiáveis, mas o sensor e a objetiva eram uma peça só. Se a lente era superzoom, o sensor era pequeno; se era uma uma prime, o sensor era grande. O problema é que o bicho não era muito prático... a economia de espaço e dinheiro em relação a ter duas câmeras não era muito empolgante.

O problema das baterias é complicado, mas com o tempo surgem hacks. Lembro que fiquei decepcionado quando descobri que a Canon F1 usava baterias de mercúrio que não existem mais. Aí descobri um holandês que vendia um adaptador para usar baterias de óxido de prata, que seria o mais parecido disponível atualmente. O fotômetro das Canon F1 era sensível ao decaimento de voltagem da bateria, daí a impossibilidade de usar alcalinas comuns, que decaem muito durante a vida útil.

Enfim... junto com a obsolescência, às vezes surgem as soluções feitas em casa.
Francisco Amorim
Porto Alegre - RS
2x Canon F1 Old, AE1; Pentax MX, K100D; Fuji Finepix f10; Panasonic LX3