Autor Tópico: A estética perfeita ou a emoção à flor da pele na fotografia de casamento?  (Lida 628 vezes)

thipac

  • Trade Count: (8)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.130
Semana passada aconteceu, no Memorial da América Latina, em São Paulo, o congresso de fotografia de casamento “Wedding Brasil”, com vários palestrantes brasileiros e estrangeiros da melhor qualidade.

Encontros, festivais, congressos e feiras de fotografia são ocasiões muito bacanas para respirarmos fotografia, encontrarmos amigos, fazermos amigos, convivermos, vivermos e vivenciarmos em um espaço determinado de tempo muita coisa ligada à área que amamos (ou na qual trabalhamos). É também uma oportunidade para aprendermos, participarmos de workshops, assistirmos palestras e dividirmos conhecimento. São momentos de bastante intensidade, muitos acontecimentos, gente boa reunida, uma boa oportunidade para contatos.

A fotografia de casamento entrou na minha vida pela porta ao lado, através de meu casamento com a Anna Quast, que atua nessa área, com paixão, dedicação e sucesso.

Não pretendo e nem vou aqui fazer um balanço do Wedding Brasil. Cada um teve suas experiências e vivências, cada um colherá seus resultados. Aliás, quem não leu ainda, pode ler a coluna da “marida”, no Blog Wedding, desafiando cada um dos participantes a estabelecer três metas – e realiza-las em prazo certo. Post bacana, voltado para aqueles que são “fotógrafos empresários” e que querem conduzir bem seus negócios. A Anna, certamente, definiu muito melhor do que eu, de forma pontual, esse balanço do congresso, então deixo isso para ela.

Aqui eu vou focar no congresso sob outra ótica e por um diferente viés. Tivemos vários palestrantes, brasileiros e estrangeiros. Dentre as várias boas palestras, quatro me chamaram atenção – e eu poderia escrever essa coluna com base em qualquer uma delas. O esloveno Samo Rovan nos colocou em camadas, com suas complexas composições, usando e abusando de lentes angulares e sempre de olho, também, no que acontece “ao lado” dos noivos. Outra das palestras que chamou minha atenção foi da dupla Davina + Daniel, que chamam atenção para a beleza, para a simetria e o equilíbrio.  Mas não é deles que vou falar aqui.  Vou focar no Edoardo Agresti e na dupla de José Guardia (pai e filho).

Pincei – não por acaso – duas das boas palestras que tivemos e que retratam cada uma delas, trabalhos quase que antagônicos, mas que de alguma forma acabam ligados (diametralmente ligados…). Numa manhã, abrindo os trabalhos do congresso no dia, tivemos o italiano boa praça Edoardo Agresti. E fechando o mesmo dia, no comecinho na noite, quem palestrou foram os dois espanhóis Jose Guardia (pai e filho).

Creio que analisando um pouco o trabalho de cada um deles chegamos a uma das grandes magias dessa arte que a todos nós encanta, a fotografia.

Enquanto Agresti nos trouxe imagens quase sem tratamento, sem cortes, sem muita pós-produção, mas repleta de sensações, sentimentos e emoções, a dupla Guardia nos brindou com imagens impactantes, bonitas, mas cheias de pós-produção e feitas com a frieza da composição estudada e dirigida.

As primeiras indagações são: uma das fotografias é melhor do que a outra? Há certo ou há errado? Claro que não. São coisas diferentes, que nos produzem sensações diferentes, mas não se pode dizer que uma seja melhor que a outra – ou pior que a outra. Podemos de acordo como lemos as imagens, gostar mais de um dos estilos do que do outro. Como podemos, também, gostar de ambos, dependendo da situação e do momento.

Agresti, com uma filosofia e cultura pura de fotojornalista, nos brindou com fotos de composições irreverentes, livres da pose ou do cuidado exacerbado com detalhes, mas que nos colocam dentro de cada um dos casamentos, nos trazem emoções, nos mostram o momento do dia mais especial de cada um dos casais que ele fotografou. De olho em sorrisos – e lágrimas também – ele nos mostra afeição, emoções e sinceridade, mas também nos coloca em situações irreverentes ou divertidas que acontecem em cada um dos dias. São imagens bonitas, que nos transportam e mostram uma realidade e nos colocam no nível de espectadores emocionais.

Já os Guardia, ao contrário disso tudo, nos colocam imagens de beleza significativa, com composições estudadas, luz aprimorada e pose detalhada. São imagens que nos impactam visualmente, mas que, por outro lado, são distantes de emoções ou sentimentos. Os noivos de cada uma das fotos poderiam muito bem ser modelos, que nada mudaria no resultado final. Eles mesmos assumem que o que buscam são imagens muito impactantes e de beleza inegável – e certamente conseguem isso.

O italiano foi muito claro ao dizer que suas fotos não tem quase nada de pós-produção, nem mesmo “crop”, que ele raramente faz. Voltado para o purismo da “faixa preta” ao redor do negativo, que Bresson consagrou como demonstrativa da imagem não cortada, ele coloca acima de tudo aquele momento que, com seu olhar e cultura, perpetua através de suas lentes.

A dupla de espanhóis nos mostrou imagens em que, além da riqueza da composição, sofreram bastante pós-produção. “Falso HDR”, com tratamento “por zonas” de uma imagem, com todo cuidado ao trazer do arquivo raw os detalhes, as nuances e até mesmo com alteração da cena, apagando pessoas e definindo uma imagem esteticamente “perfeita”.

Agora que vem a grande graça disso tudo, na verdade as grandes graças. A primeira é que cada um de nós, leitores das imagens, vai fazer essa leitura de forma muito particular, especifica e determinada por nossa cultura e nossa bagagem – e também pelo que pretendemos e esperamos dela. Para cada um as imagens falarão de formas específicas e pontuais.  Mas, mais que isso, em cada momento as imagens terão sua leitura, que muda como muda a vida. E tem mais: certamente, o que mais importa em uma foto é seu conteúdo, não apenas sua forma. Forma serve para mostrar o conteúdo. E, assim sendo, a alquimia que fazemos nós os fotógrafos, nos leva à mágica final, que mostramos como reflexo do nosso eu e do que vivos, sentimos e fotografamos. A compreensão do incompreendido, ou incompreensível. O orgânico e o inorgânico, a mutação de como se enxerga ao depois o que se viu antes. A mudança do pensar e do sentir. As experiências, a vida. A soma e a subtração. E essa magia do eterno vivo, da alquimia, que faz todo sentido.

Voltando um pouco aos palestrantes Agresti e os Guardia, cada um de nós vai gostar mais de algumas das imagens, de seus conteúdos e da forma como esses conteúdos são mostrados, outros das diversas formas. A pluralidade e a liberdade encantam e precisam ser preservadas. É aí que entra outra importância de um congresso como o Wedding Brasil, que é a possibilidade de conhecermos. Sem conhecimento, sem experiência, sem competência, não se faz nem uma coisa nem outra. Então, o que resta é: quer ser um fotojornalista de casamento? Faça bem feito, seja o melhor que puder, dedique-se e mostre o resultado. Quer ser um mago da foto bem composta e bem tratada? Da mesma forma, estude, para fazer bem feito.

Entendo que a câmera não manda em nós. Nós que temos que mandar nela. E essa nossa soberania tem que se pautar pelo que desejamos mostrar, pelo que acreditamos e queremos. Se buscarmos a emoção, vamos mostra-la. Se buscarmos o impacto, vamos fazê-lo. A forma não pode e nem deve se sobrepor ao conteúdo. Temos que, conscientemente, escolher a forma, para adequadamente mostrarmos o conteúdo. O importante é essa consciência do que esperamos, pretendemos e queremos, e sua correta execução. Mas, creio eu, não devemos ficar presos a uma única forma ou receita. Vamos explorar, crescer, buscar todas as possibilidades e recursos.  E para completar a mágica e a alquimia, o fim de tudo é que, mesmo na foto dos Guardia, onde em princípio não há a emoção da cena ou na cena, há sim a emoção daquele que disparou a câmera, daquela forma e com aquele enfoque. Ali o autor expressou sua emoção, sua forma de ver e o que quis retratar.

Para vocês que nos leem, achem seus caminhos e trilhem por eles. Para os que foram ao Wedding Brasil e estão “mordidos pela mosquinha azul” da instigação e do aprendizado, desfrutem disso como privilegiados.

Por Ricky Arruda


FeLopes

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 610
Muito legal o texto !

Uma coisa que não foi abordada diretamente é que são duas tendências fortes do mercado e que quem tende a escolher qual é o melhor são os contratados, mas que os fotógrafos necessitam ter uma postura de definir o que é seu trabalho.


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.991
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Estive no Wedding Brasil, e assim o texto ganha muito significado, os personagens ganham rosto e personalidades, e as imagens vêm à minha cabeça. Concordo demais com o autor do texto, que não conhecia (conheço sim sua "marida", cuja palestra assisti no Wedding Brasil do ano passado).

Vou dizer que, apesar de ser das mais aguardadas do congresso, a palestra dos Guardia foi bem fraquinha no meu ponto de vista. Não gostei do estilo do tratamento das fotos e muito menos da didática deles em palco. O Agresti é igualmente pouco didático, mas gostei muito mais das imagens dele. Eu tendo muito mais par ao lado fotojornalista, embora eu goste de interferir em algumas poucas cenas.

Ontem mesmo estava dizendo ao meu amigo Roberto Dellano: entre um bom momento capturado e uma foto feita com técnica perfeita, sempre vou preferir o bom momento. Pra mim vale mais do que uma estética perfeita. Mas, claro, o ideal é conseguir conciliar ambos.

Abraços


C. Ferrari

  • Trade Count: (11)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.768
  • Sexo: Masculino
  • Em busca de conhecimento, sempre.
    • Trabalhos

Ontem mesmo estava dizendo ao meu amigo Roberto Dellano: entre um bom momento capturado e uma foto feita com técnica perfeita, sempre vou preferir o bom momento. Pra mim vale mais do que uma estética perfeita. Mas, claro, o ideal é conseguir conciliar ambos.

Abraços


Fotografia é sempre o momento, técnica é secundário, até terciário..

Quem pensa que fotografia é puramente técnica, ta ralado :ok:



Agora minha opinião sobre esses Guardiola e o portofólio deles colocado do WB.
O trabalho dos caras seria bom se não tivesse toda essa manipulação e tratamento. É tudo artificial, falta realismo e o humano fica secundário.... sinto falta do lado pessoal do casal.

Parece um editorial de moda, não um casamento.

A técnica é perfeita, mas falta o momento.
« Última modificação: 03 de Maio de 2013, 14:33:29 por Carlos Ferrari »


thipac

  • Trade Count: (8)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.130

Fotografia é sempre o momento, técnica é secundário, até terciário..

Quem pensa que fotografia é puramente técnica, ta ralado :ok:



Agora minha opinião sobre esses Guardiola e o portofólio deles colocado do WB.
O trabalho dos caras seria bom se não tivesse toda essa manipulação e tratamento. É tudo artificial, falta realismo e o humano fica secundário.... sinto falta do lado pessoal do casal.

Parece um editorial de moda, não um casamento.

A técnica é perfeita, mas falta o momento.

Amigo é Guardia, Guardiola é o técnico de futebol   :hysterical:  :hysterical: :hysterical:
« Última modificação: 03 de Maio de 2013, 15:58:39 por thipac »


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.991
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Parece um editorial de moda, não um casamento.

Pois é! Em editoriais de moda, fotos de estúdio, de paisagens, etc, a técnica é mais importante que tudo (claro, incluindo aí as técnicas de composição). Mas em fotografia de casamento, eu acho que o momento é mais importante que tudo. Eu usaria até uma foto ligeiramente fora de foco, desde que o momento seja bom.

É inegável que os Guardia são muito bons, e as fotos deles são excelentes, verdadeiras obras de arte (diga-se de passagem, os dois possuem mais de 600 prêmios em fotografia!!!). Mas foto de casamento pra mim não é isso. Se não me engano, durante a palestra eles não mostraram nenhuma foto de cerimônia... Pelo menos nenhuma que eu me lembre, ou seja, nenhuma que tenha se destacado muito.
« Última modificação: 03 de Maio de 2013, 16:05:50 por Humberto Teté »


thipac

  • Trade Count: (8)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.130
Pois é! Em editoriais de moda, fotos de estúdio, de paisagens, etc, a técnica é mais importante que tudo (claro, incluindo aí as técnicas de composição). Mas em fotografia de casamento, eu acho que o momento é mais importante que tudo. Eu usaria até uma foto ligeiramente fora de foco, desde que o momento seja bom.

É inegável que os Guardia são muito bons, e as fotos deles são excelentes, verdadeiras obras de arte (diga-se de passagem, os dois possuem mais de 600 prêmios em fotografia!!!). Mas foto de casamento pra mim não é isso. Se não me engano, durante a palestra eles não mostraram nenhuma foto de cerimônia... Pelo menos nenhuma que eu me lembre, ou seja, nenhuma que tenha se destacado muito.

é complicado, tem gosto pra tudo, mas pra mim isso tb não é fotografia e mais moda, editorial, casamento é sentimento, claro que em certos momento uma foto posada e com impressão de natural cai bem!


spositom

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.429
Não dou fotografo e o que gosto de ver e muito me impressiona é a direção do casal, a sinergia dos modelos junto com o fotografo.

A composição das fotos é olho.A técnica é saber utilizar as ferramentas corretas para "digitalizar" o que esta se desejando.





fuca66

  • Trade Count: (1)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.464
  • Sexo: Masculino
Fazendo advogado do diabo (para reflexão):
Hoje, tem coisa mais artificial que uma cerimônia de casamento?
Talvez o estilo de fotografia esteja apenas seguindo esta tendência, de tão enraizada não percebemos o quão fora de propósito se tornaram as cerimônias de casamento, que hoje não passa de uma festa.
Lentes Antigas + Sony E-Mount


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.991
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Fazendo advogado do diabo (para reflexão):
Hoje, tem coisa mais artificial que uma cerimônia de casamento?
Talvez o estilo de fotografia esteja apenas seguindo esta tendência, de tão enraizada não percebemos o quão fora de propósito se tornaram as cerimônias de casamento, que hoje não passa de uma festa.


A cerimônia pode ser até "artificial" (o que concordo apenas em partes), mas as emoções de um casamento são muito reais. E se a fotografia do casamento não passa essa emoção, pra mim não está totalmente completa.


Mr. Hyde

  • Trade Count: (4)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 16.575
  • Sexo: Masculino
    • Faceboock
Me parece que é um linha de trabalho bastante em voga ultimamente.
Os trabalhos de casamento tentam, nos últimos anos, se diferenciar do que era feito no passado com o filme (onde não havia a possibilidade dessa manipulação).
Então, até como forma de se distanciar da fotografia analógica, os especialistas em casamentos foram enveredando cada vez mais pela fotografia de espetáculo (com luzes em posições e cores diferenciadas), de paisagem (com locações externas para os pre-weding e trash the dress) e, agora (ou não tão agora assim), na moda.

Me parece que é uma opção para se diferenciar no mercado (que é super concorrido). E, para alguns, vem dando certo.
A questão é: será que precisa disso tudo para ser um referencial nesse mercado? Sinceramente não sei.

E fico pensando muito nessa questão colocada pelo fuca66. Tem lógica, EMHO, o ponto colocado por ele.

____________________
"Deus perdoe o Mal que habita em mim" M. Nova


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.991
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Outra coisa pra se levar em conta é o mercado. Na Europa e Am. do Norte parece que há uma demanda maior para fotos desse tipo, indo muito mais para o lado artístico do que o lado emocional. Claro que, mesmo assim, existe mercado tanto para isso quanto para coberturas mais fotojornalísticas, mas ambas têm bastante espaço.

Aqui no Brasil parece que a demanda mesmo é para essa cobertura mais fotojornalística. Não o fotojornalismo tão puro como o que o Edoardo Agresti faz, mas certamente muito mais distante das fotos absolutamente artísticas que os Guardia fazem.

Respondendo a pergunta do Hyde, na minha opinião não precisa de tudo isso para se destacar no mercado não, nem tanto para um lado e nem tanto para o outro. Tem grandes fotógrafos que se destacam em ambos os extremos, como também no meio termo.

Abraços