Autor Tópico: Sombras x Highlight  (Lida 2097 vezes)

Fábio José

  • Trade Count: (9)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.026
  • Sexo: Masculino
Online: 27 de Agosto de 2013, 15:21:35
Colegas ,

Tenho visto com frequencia 2 afirmações que me parece antagonicas  ( para Arquivos RAW ) .

Onde estara a Luz para este caso ( ou Sombras  :D  ).

1. Em fotografia digital é mais facil recuperar dados de áreas super expostas  [Highlights -  declaração mais frequente ]

2.  Em fotografia digital é mais facil recuperar dados de áreas sub expostas  [ Sombras - declaração mais rara  ]


Abraços
Fábio José
"...Tive de esperar a coisa se concretizar, em vez de montar algo posado...Eu me incorporava no ambiente e ficava a espera... "
W.  Eugene Smith


https://www.flickr.com/photos/fabio_jose_pereira_lima/


rscomex

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 256
Resposta #1 Online: 27 de Agosto de 2013, 16:47:37
Amigo, tbm tenho essa duvida... oq eu vejo é a maioria falando que super expostas é melhor recuperar, inclusive ja vi fotografos que fazem tudo meio super pra garantir e dps corrigem... na pratica eu acho os dois ruins, prefiro sempre deixar a luz na medida pra nao precisar de muito ajuste.

abraço


AlexandreS

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.251
Resposta #2 Online: 27 de Agosto de 2013, 17:22:29
Na realidade, o sensor não guarda informações de forma linear. A maior capacidade de retenção de informações é na direita do histograma. Assim, quanto mais informação vc conseguir colocar a direita, antes de perder informação por clipping, melhor. Ao baixar este histograma levará lotes de informação para as áreas de sombra, informações que não estariam lá se tivesse "deixado a luz na medida". Com isso se ganha mais latitude, um melhor sinal ruído e mais possibilidade de edição.

Essa técnica, de superexpor o máximo antes do clipping, é muito conhecida e utilizada. Eu mesmo praticamente só fotografo superexposto quando estou fotografando paisagens. E claro que essa técnica só se aplica ao RAW. Existem algumas dezenas de tópicos aqui no MF falando sobre isso, inclusive com exemplos de como a técnica pode auxiliar.  E na internet, é só procurar por "Exposing To The Right" ou "ETTR".

Alguns links externos

http://digital-photography-school.com/exposing-to-the-right
http://www.cambridgeincolour.com/tutorials/digital-exposure-techniques.htm
http://www.luminous-landscape.com/tutorials/expose-right.shtml




« Última modificação: 27 de Agosto de 2013, 17:23:39 por AlexandreS »

Canon 60D - Canon 450D XSi
Tamron 17-50 f/2.8 VC - EF 50mm f/1.8 - EF 28-135 USM IS - EF-S 55-250 IS
SMC Takumar 50mm f/1.4 - S-M-C Takumar 135mm f/2.5 e mais alguns vidrinhos M42
Speedlite 430EX II - YongNuo YN460


isaacwga

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 233
  • Sexo: Masculino
  • E fez-se a luz!
Resposta #3 Online: 27 de Agosto de 2013, 19:45:18
Na realidade, o sensor não guarda informações de forma linear. A maior capacidade de retenção de informações é na direita do histograma. Assim, quanto mais informação vc conseguir colocar a direita, antes de perder informação por clipping, melhor. Ao baixar este histograma levará lotes de informação para as áreas de sombra, informações que não estariam lá se tivesse "deixado a luz na medida". Com isso se ganha mais latitude, um melhor sinal ruído e mais possibilidade de edição.

Essa técnica, de superexpor o máximo antes do clipping, é muito conhecida e utilizada. Eu mesmo praticamente só fotografo superexposto quando estou fotografando paisagens. E claro que essa técnica só se aplica ao RAW. Existem algumas dezenas de tópicos aqui no MF falando sobre isso, inclusive com exemplos de como a técnica pode auxiliar.  E na internet, é só procurar por "Exposing To The Right" ou "ETTR".

Alguns links externos

http://digital-photography-school.com/exposing-to-the-right
http://www.cambridgeincolour.com/tutorials/digital-exposure-techniques.htm
http://www.luminous-landscape.com/tutorials/expose-right.shtml


Esclarecedor. Muito bom, AlexandreS!  :clap:


Palmeida

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.552
Resposta #4 Online: 27 de Agosto de 2013, 19:48:16
Na realidade, o sensor não guarda informações de forma linear. A maior capacidade de retenção de informações é na direita do histograma. Assim, quanto mais informação vc conseguir colocar a direita, antes de perder informação por clipping, melhor. Ao baixar este histograma levará lotes de informação para as áreas de sombra, informações que não estariam lá se tivesse "deixado a luz na medida". Com isso se ganha mais latitude, um melhor sinal ruído e mais possibilidade de edição.

Essa técnica, de superexpor o máximo antes do clipping, é muito conhecida e utilizada. Eu mesmo praticamente só fotografo superexposto quando estou fotografando paisagens. E claro que essa técnica só se aplica ao RAW. Existem algumas dezenas de tópicos aqui no MF falando sobre isso, inclusive com exemplos de como a técnica pode auxiliar.  E na internet, é só procurar por "Exposing To The Right" ou "ETTR".

Alguns links externos

http://digital-photography-school.com/exposing-to-the-right
http://www.cambridgeincolour.com/tutorials/digital-exposure-techniques.htm
http://www.luminous-landscape.com/tutorials/expose-right.shtml
Interessante . Mas tenho a impressão que as áreas de sombras são mais fáceis de recuperar, pelo menos nas Nikon que testei.
O que eu amo: Deus, família, amigos, trabalho,fotografia, contabilidade, estudar e tecnologia!


Raphael Sombrio

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.909
  • O RAW é um diamante...bruto
Resposta #5 Online: 27 de Agosto de 2013, 19:54:55
Eu já perdi ( ou ganhei ) dias e horas fazendo vários testes e sinceramente não consegui concordar com o fato de gravar imagens superexpostas.
Principalmente se estiver com o sol mais inclinado, pegando muitas vezes imagens com uma luz lateral ou de fundo ( contraluz ) bem forte.

Pra minha experiência, trabalhar com subexposição funciona bem melhor, claro que tbm não precisa gerar uma imagem onde o "chão" fique preto, senão além de não conseguir recuperar detalhes a imagem fica muito pesada.

Mas pode ser tbm que seja assim com a câmera que uso..... :ponder:


AlexandreS

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.251
Resposta #6 Online: 27 de Agosto de 2013, 23:10:05
Raphael, a grande jogada é que o sensor - qualquer sensor - registra muito mais informação nas áreas claras do que nas escuras. E a diferença é brutal

Tomando-se como padrão um sensor que grave 12 bits por pixel, este sensor poderá registrar uma gama de 4096 variações de tom quando "cheio". 1 stop abaixo, conseguirá registrar apenas 1024, 2 stops abaixo 512 e assim sucessivamente. Para cada ponto que a imagem se move da área mais clara para mais escura, é gravada metade da informação que a anterior. Evidentemente quando chegarmos às áreas mais escuras o sensor estará gravando pouquíssima informação e qualquer tentativa levantar a exposição nestas áreas incorrerá em aumento de ruído. Além disso, a transação tonal se tornará mais abrupta. Claro que com sensores que conseguem uma maior gama dinâmica este este efeito é menor do que com sensores com menor gama dinâmica. Mas ocorre com qualquer sensor, é física e inerente a sua forma de funcionamento.

O pulo do gato então é colocar a maior quantidade de informação dentro da área onde o sensor consegue gravar a maior gama de variações de tom, e depois baixá-la se necessário - respeitado claro a capacidade do sensor de manter estes dados. Ao invés de ter uma área de sombra com 64 variações de tom, se conseguir jogar esta área dois stops para cima vc terá 256 variações. Em qualquer situação a transição entre tons será muito mais suave.

Um exemplo que já postei em outro tópico

Fotometrado para a direita


Corrigido em -2EV


Fotometrado a direita para obter detalhes nas áreas de sombra, deixando o céu estourar. Esta foto é um bom exemplo, existiam duas opções
1) Fotografar assim e deixar o céu estourar
2) Fotografar para os highlights, deixando a área das árvores escura sendo que qualquer tentativa de recuperar poderia trazer ruído. Além disso, haveria perda de informação, prejudicando as transações tonais.


Foto superexposta recuperada, mantendo-se toda a informação da área de sombras. Posteriormente foi feito o ajuste do WB


Existe vasto material na internet, é só dar uma pesquisada. E garanto que vale a pena, as possibilidades que se abrem na conversão do RAW são muitas. Quanto ao limite de superexposição, eu hoje mais ou menos conheço o limite da minha câmera e nunca forço ao extremo, mas muitos preferem fotografar usando UniWB para conseguir chegar ao limite extremo sem risco de perder informação.
« Última modificação: 27 de Agosto de 2013, 23:17:36 por AlexandreS »

Canon 60D - Canon 450D XSi
Tamron 17-50 f/2.8 VC - EF 50mm f/1.8 - EF 28-135 USM IS - EF-S 55-250 IS
SMC Takumar 50mm f/1.4 - S-M-C Takumar 135mm f/2.5 e mais alguns vidrinhos M42
Speedlite 430EX II - YongNuo YN460


Pictus

  • Trade Count: (3)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.119
  • Sexo: Masculino
    • http://www.flickr.com/photos/10986424@N02/sets/
Resposta #7 Online: 27 de Agosto de 2013, 23:47:56
Mas pode ser tbm que seja assim com a câmera que uso..... :ponder:

Quanto maior o dymanic range, melhor o resultado.


Fábio José

  • Trade Count: (9)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.026
  • Sexo: Masculino
Resposta #8 Online: 28 de Agosto de 2013, 00:49:33
Colegas

Obrigado por compatilhar o conhecimento conosco .

Em nenhuma área de conhecimento humano há unanimidade .

Toda discussão e opinião sempre trará mais Luz a qualquer tema .

Lembre nada somente 0 ou 1 . Ate os bits se redem hora a um ,  hora a outro



Abraços


"...Tive de esperar a coisa se concretizar, em vez de montar algo posado...Eu me incorporava no ambiente e ficava a espera... "
W.  Eugene Smith


https://www.flickr.com/photos/fabio_jose_pereira_lima/


jesieltrevisan

  • Trade Count: (3)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.655
  • Sexo: Masculino
  • Harmonize-se
Resposta #9 Online: 28 de Agosto de 2013, 09:04:47
Matematicamente falando quanto mais informação melhor, se fotos super expostas armazenam mais informações do que fotos sub expostas, então na hora em que você for editar para obter o resultado esperado, a imagem que possuir mais informação ficará mais "limpa", ou seja, com menos ruído.
« Última modificação: 28 de Agosto de 2013, 09:05:58 por jesieltrevisan »
Canon EOS 5D + BG-E4 + Canon EOS Kiss (300D) 
Canon EF 50mm f/1.8 mk I + Canon EF 100mm f/2 + Canon EF 28-70mm  f/3.5~4.5 II + Sigma 18-50mm f/2.8 DC EX  + 430EX II
--
Dúvida sobre as regras do fórum? --> REGRAS GERAIS
Dúvidas gerais? -->FAQ


heptas

  • Trade Count: (4)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 257
  • Sexo: Masculino
  • A vida através da Lente
Resposta #10 Online: 28 de Agosto de 2013, 09:46:41
Tópicos como esse deveriam ser fixos. :clap: :clap: :clap: :worship: :worship:
5D Mark III + Canon 6D + Canon T3i + Canon 50 mm 1.4 + Canon 85 mm 1.8 + Canon 24-70 2.8 II + Canon 70-200 f4 IS L + YongNuo 468ex II + Canon 600 ex


isaacwga

  • Trade Count: (0)
  • Freqüentador(a)
  • **
  • Mensagens: 233
  • Sexo: Masculino
  • E fez-se a luz!
Resposta #11 Online: 28 de Agosto de 2013, 11:16:29
Isso mesmo. Assistindo a alguns vídeos de alguns "making of" de filmes, mesmo para uma cena 'escurecida' para dar um ar mais sombrio, eles gravam com mais iluminação; e só na pós produção fazem a graduação voltando pro clima mais escuro.  :ok:
Mesmo eu falando aqui de captação de vídeos, sensor é sensor e a técnica em muitos aspectos margeia as técnicas da fotografia. Mas é claro que vocês sabem disso.  8-)
« Última modificação: 28 de Agosto de 2013, 11:18:31 por isaacwga »


AlexandreS

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.251
Resposta #12 Online: 28 de Agosto de 2013, 11:32:21
Somente uma correção,

Onde se lê

"um sensor que grave 12 bits por pixel, este sensor poderá registrar uma gama de 4096 variações de tom quando "cheio". 1 stop abaixo, conseguirá registrar apenas 1024, 2 stops abaixo 512 e assim sucessivamente. "

Leia-se

"um sensor que grave 12 bits por pixel, este sensor poderá registrar uma gama de 4096 variações de tom quando "cheio". 1 stop abaixo, conseguirá registrar apenas 2048, 2 stops abaixo 1024 e assim sucessivamente. "

Acho que estava meio dormindo ontem :) Novamente, se algum moderador quiser alterar no post para deixar correto..


« Última modificação: 28 de Agosto de 2013, 11:34:56 por AlexandreS »

Canon 60D - Canon 450D XSi
Tamron 17-50 f/2.8 VC - EF 50mm f/1.8 - EF 28-135 USM IS - EF-S 55-250 IS
SMC Takumar 50mm f/1.4 - S-M-C Takumar 135mm f/2.5 e mais alguns vidrinhos M42
Speedlite 430EX II - YongNuo YN460


Patagonico

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.979
  • Sexo: Masculino
Resposta #13 Online: 28 de Agosto de 2013, 13:38:58
O ETTR para min é uma grande bobagem se usada como padrão, em uma composição com ampla distinção de contraste de high lights e deep shadows você perde nos dois em uma composição mais dinâmica ( paisagem ) onde se se tem uma ampla observação focal, nela existem diferentes contrastes. Expondo pra "direita" você corrompe o contraste e brilho geralmente no primeiro plano (estouro),  geralmente em detalhes de elementos próximos, aí já não é mais recuperável qualquer informação ( bit ) no pixel. Altas luzes em planos superiores também ficam com a gama de cor alterada e pouco recuperável, por aí se vê fotos de com artefatos e pouca qualidade, justamente pelo engano uso de ETTR, principalmente em paisagem com grande amplitude de contraste e gama de cores, cada plano e elementos tem um contraste que o olho humano percebe, mas o sensor não, unificar é alterar a impressão do real ( tridimensionalidade ), gerando imagens alteradas, sem ideia de profundidade. Eu usava um bloco para anotar detalhes antes de fotografar, como tons de sombra e cores em cada plano e elementos para fotometrar no meio termo e depois recuperar se necessário ( é importante saber as características da imagem fotografada ). Fotometro pra direita ou esquerda a partir da observação e situação, uma fotometria diferente, não como uma regra que não cabe a todas as situações. Uma coisa importante é o uso de filtros nd grad.
Exemplo de anotação/observação, como se vê. Fotos com fotometria negativa ( pra esquerda ) Geralmente faço em imagens que acho que valham a pena de transpor ao papel.

1° plano: elemento água com contraste acentuado, chão soft, tom de preto soft blue, verde frio.
2° plano: cores intensas frias, sombra soft, tom de preto frio, contraste forte.
3° plano: azul profundo frio, high light soft, sem cor.
Cast geral: azul.



Em exposições mais longas a alteração é maior, mas anoto mesmo assim.

1° plano: água contraste suave, tom de branco azul, pretos suaves, tom azul, bom contraste de cores e contraste geral, brilhos suaves( pedras, geralmente o plano próximo sempre é mais contrastado )
2° plano contraste geral bom, contraste de cores soft com cast geral azul/magenta.
3° plano: azul/magenta, intenso, vermelho purpuro.
Cast geral: azul/magenta



Isso me ajuda na pós pra manter a realidade tonal e contraste, poderia não anotar nada e com certeza seria uma imagem alterada e talvez não daria a ideia que gostaria de passar.
Usando O ETTR numa situação com essa poderia comprometer detalhes principalmente no 1° plano ( reflexos )

Abs


Raphael Sombrio

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.909
  • O RAW é um diamante...bruto
Resposta #14 Online: 28 de Agosto de 2013, 21:10:01
Pessoal, obrigado pelas informações, como disse ( baseado em estudos que eu mesmo realizei ) não vi esse resultado que vcs mencionam aqui; não tenho "conhecimento de causa" sobre assunto, já li na net sobre estourar um pouco o arquivo RAW na captura, mas não gostei do resultado.
Vou fazer mais testes, tlvz eu tenha exagerado na superexposição...mas o maior problema que encontrei foi o de que geralmente, como disse, fotografo ao fim e principalmente no início do dia, muitas vezes contraluz, e aí não consegui recuperar pois as áreas claras criaram um
espaço muito grande de "branco" na foto.

Tenho muito o que aprender, admiro profundamente a técnica do amigo Patagônico, acho que se me dedicasse mais em observar como ele faz, tlvz conseguiria evoluir um pouco.