Autor Tópico: Nikon Patenteia camera com troca de sensores  (Lida 1624 vezes)

Brocatto

  • Trade Count: (32)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.356
  • Sexo: Masculino
Online: 01 de Outubro de 2013, 17:28:30
E ai Galera esta rolando essa informação que a Nikon patentiou uma projeto de camera com troca de sensores, pelo que vi não foi a primeira vez.
O que você acham?


edilsonfb

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 196
    • Edilson Borges
Resposta #1 Online: 01 de Outubro de 2013, 18:10:24
Fui ver isso só depois que vc falou.
Realmente a Nikon patenteou a ideia de uma câmera com troca de sensores. A descrição segue:

"Conventionally, there is a digital camera provided with a removable image sensor unit to a camera body. In such a digital camera, an image sensor unit is interlocked with a camera body by electronic contact including an image sensor and its peripheral circuit.

According to the present invention, in a digital camera with a removable image sensor unit, the digital camera which can realize higher mounting accuracy can be provided."



O texto acima formaliza/descreve a ideia que foi encaminhada ao órgão para validar a patente (não sei após isso). Detalha o conceito dizendo que a unidade do sensor é interligada a câmera por meio de um contato elétrico. Ou seja, um sensor de imagem fazendo papel de um seu circuito periférico.

Bom, é isso ae.


Fonte: http://nikonrumors.com/2013/09/27/nikon-files-a-patent-for-a-camera-with-interchangeable-sensor.aspx/
Digital: Canon 5D mark III + Canon 6D + Canon T1i + Canon 24-70mm f/2.8L II + Canon 24-105mm f/4L + Sigma 35mm f/1.4 DG Art + Canon 85mm f/1.8 + Canon Fisheye 15mm f/2.8 + Canon 40mm f/2.8 Pancake + Filtros + Grip  + Time-Lapse + ETTL Flash Trigger YN622 + Inúmeros Gadgets.
Analógico: Nikon FM + Nikkor 55mm f/2.8 micro + Negativos ILFORD PAN400.
Meu perfil no 500px.
Canal no YouTube (Sobre Foto).


AlexandreS

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 4.251
Resposta #2 Online: 01 de Outubro de 2013, 19:41:56
Por acaso não seria mais ou menos a mesma coisa que a Ricoh GXR ??

http://en.wikipedia.org/wiki/Ricoh_GXR

http://www.dpreview.com/reviews/RicohGXRa12

Canon 60D - Canon 450D XSi
Tamron 17-50 f/2.8 VC - EF 50mm f/1.8 - EF 28-135 USM IS - EF-S 55-250 IS
SMC Takumar 50mm f/1.4 - S-M-C Takumar 135mm f/2.5 e mais alguns vidrinhos M42
Speedlite 430EX II - YongNuo YN460


Palmeida

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.552
Resposta #3 Online: 01 de Outubro de 2013, 19:45:03
Pode se patentear o sistema específico, não a troca em si pois isso decorre do "estado da técnica". Ainda qq fabricante poderá fazer o seu sistema e câmeras com troca de sensor.  ;)
O que eu amo: Deus, família, amigos, trabalho,fotografia, contabilidade, estudar e tecnologia!


Brocatto

  • Trade Count: (32)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 1.356
  • Sexo: Masculino
Resposta #4 Online: 01 de Outubro de 2013, 22:43:46
Digo, o que vocês acham isso para o futuro em uma DSLR?
Eu particularmente posso estar enganado, mas creio algo um tanto fora do mercado atualmente


Hoogle

  • Trade Count: (4)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 970
  • Sexo: Masculino
  • Hello. It's me.
    • Alexander Hugo - Fotografia
Resposta #5 Online: 02 de Outubro de 2013, 17:17:31
Digo, o que vocês acham isso para o futuro em uma DSLR?
Eu particularmente posso estar enganado, mas creio algo um tanto fora do mercado atualmente
Para DSLR acho que seria quase inviável, já que tem que contar com o espelho e o prisma.
Faz muito mais sentido para mirrorless como a GXR.

Edit:
Pensando bem, quem sabe apareça algo como as Phase One da vida, que permitem a troca do "back", que acaba permitindo a troca do sensor...
Exemplo: http://www.phaseone.com/en/Camera-Systems/IQ2-Series.aspx
« Última modificação: 02 de Outubro de 2013, 17:23:35 por Hoogle »


Karoll

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 33
  • Sexo: Feminino
Resposta #6 Online: 05 de Outubro de 2013, 13:05:12
Por acaso não seria mais ou menos a mesma coisa que a Ricoh GXR ??

http://en.wikipedia.org/wiki/Ricoh_GXR

http://www.dpreview.com/reviews/RicohGXRa12
Não, não é o mesmo.
No próprio link que vc citou mostra que não é o mesmo.
Na Ricoh, se destaca uma caixa, que é a frente da camera e quase todo o miolo dela. Esta caixa tem quase 100% do conjunto eletronico incluindo a mount e a lente. A frente da camera se destaca todinha. http://www.ricoh.com/r_dc/gxr/

Outra, se fosse exatamente igual, ou muito parecido, a patente seria recusada. E, acho que estão patenteando para não fabricar (só para impedir que outros fabriquem) porque, comercialmetne, trocar a camera toda, a cada 2-3 anos, dá mais lucro.
« Última modificação: 05 de Outubro de 2013, 13:09:47 por Karoll »


angelone

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.104
  • Sexo: Masculino
Resposta #7 Online: 05 de Outubro de 2013, 21:00:14
Não, não é o mesmo.
No próprio link que vc citou mostra que não é o mesmo.
Na Ricoh, se destaca uma caixa, que é a frente da camera e quase todo o miolo dela. Esta caixa tem quase 100% do conjunto eletronico incluindo a mount e a lente. A frente da camera se destaca todinha. http://www.ricoh.com/r_dc/gxr/

Outra, se fosse exatamente igual, ou muito parecido, a patente seria recusada. E, acho que estão patenteando para não fabricar (só para impedir que outros fabriquem) porque, comercialmetne, trocar a camera toda, a cada 2-3 anos, dá mais lucro.

Na citaçao que voce baseia sua critica é dito  -"por acaso nao seria mais ou menos a mesma coisa que a Ricoh GXR?"- o que  totalmente diferente de uma afirmação  ou negaçao de igualdade com o sistema patenteado pela Nikon, indicando apenas que pode haver semelhança, que no caso é com  com o tema de intercambiar sensores,  que esta correto: no sistema da Ricoh também há o intercambio de sensores (em relaçao à camera) mas de um modo peculiar,  pois ele faz parte do conjunto embutido na objetiva. Em nenhum momento é dito que é igual ao da Nikon, mas voce contesta como se assim fosse qdo diz que "se fosse exatamente igual, ou muito parecido, a patente seria recusada", probleminha de interpretaçao de texto.. Por isso também a conclusão de que a patente seria recusada também nao tem sentido, mesmo porque nem sabemos se ela existe e nem  sob quais termos ela foi registrada.
Por fim, ainda remetendo a sua interpretaçao  sobre a presumível  igualdade, voce comparou os sistemas físicos, lente, encaixe, etc.. da Ricoh com o da Nikon, o que também nao cabe, visto que a comparaçao sugerida referia-se a possível semelhança com o sistema de intercambio de sensores como um todo. As diferenças físicas são mais do que evidentes, basta ver as imagens..
A logica do consumismo baseada na obsolescência tecnológica na era da fotografia digital,  que parece se resumir a substituição rápida de câmeras em pouco tempo,  nao signfica que será eterna para as empresas continuarem subsistindo.  Por exemplo, se um fabricante lançar uma camera em que seja possivel atualizar sensores ele terá uma vantagem imensa em relaçao aos demais, e sem dúvida alguma poderá vender muito mais suas cameras, o que nao significa que ninguem nunca mais comprará outros modelos desse ou de outro fabricante, como voce sugere. Exemplo: vide a época dos filmes. Mesmo podendo utilizar inumeros tipos de filmes, sempre lançavam e vendiam cameras mais avançadas, rápidas, etc.. Será que intercambiando sensores seria muito diferente? Atualmente as possibilidades das cameras incorporarem avanços são infinitamente maiores do que na era analógica.. os recursos atuais de muitos modelos de cameras sao quase irresistíveis, vide EM-1, isso até lançarem a EM-2 e assim por diante, ou seja, cada vez mais percebe-se que a qualidade de camera nao é só o sensor... (outros modelos podem compartilhar o mesmo sensor mas nao ter a mesma qualidade, em imagens e recursos, por processamento, algoritimos diferentes, etc..).  Logo, a possibilidade de atualizaçao do sensor seria sim um fator de aumento de lucro, mais um, que poderia aumentar a venda de cameras cada vez mais avançadas,  além dos lucros que outros componentes importantíssimos incorporam  como  objetivas e outros acessórios. Enquanto nós vemos o presente imediato, os estrategistas das grandes empresas pensam e projetam seus produtos para cenários de anos a nossa frente, e sobreviverá e/ou prosperará aquele que inovar primeiro.
Concluindo: a contribuiçao do nosso amigo com a sugestão do sistema  da Ricoh foi  um exemplo comparativo bastante construtivo, pois eu, como possivelmente muitos outros,  nao o conheciam, além do que  abriu  novas possibilidades de enriquecimento para a discussão sobre o tema da troca de sensores.


« Última modificação: 05 de Outubro de 2013, 21:04:53 por angelone »
Olympus OM-D E-M5 mk II  e uns vidros..


Karoll

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 33
  • Sexo: Feminino
Resposta #8 Online: 06 de Outubro de 2013, 02:05:23
Na citaçao que voce baseia sua critica é dito  -"por acaso nao seria mais ou menos a mesma coisa que a Ricoh GXR?"- o que  totalmente diferente de uma afirmação  ou negaçao de igualdade com o sistema patenteado pela Nikon, indicando apenas que pode haver semelhança, que no caso é com  com o tema de intercambiar sensores,  que esta correto: no sistema da Ricoh também há o intercambio de sensores (em relaçao à camera) mas de um modo peculiar,  pois ele faz parte do conjunto embutido na objetiva. Em nenhum momento é dito que é igual ao da Nikon, mas voce contesta como se assim fosse qdo diz que "se fosse exatamente igual, ou muito parecido, a patente seria recusada", probleminha de interpretaçao de texto.. Por isso também a conclusão de que a patente seria recusada também nao tem sentido, mesmo porque nem sabemos se ela existe e nem  sob quais termos ela foi registrada.
Por fim, ainda remetendo a sua interpretaçao  sobre a presumível  igualdade, voce comparou os sistemas físicos, lente, encaixe, etc.. da Ricoh com o da Nikon, o que também nao cabe, visto que a comparaçao sugerida referia-se a possível semelhança com o sistema de intercambio de sensores como um todo. As diferenças físicas são mais do que evidentes, basta ver as imagens..
A logica do consumismo baseada na obsolescência tecnológica na era da fotografia digital,  que parece se resumir a substituição rápida de câmeras em pouco tempo,  nao signfica que será eterna para as empresas continuarem subsistindo.  Por exemplo, se um fabricante lançar uma camera em que seja possivel atualizar sensores ele terá uma vantagem imensa em relaçao aos demais, e sem dúvida alguma poderá vender muito mais suas cameras, o que nao significa que ninguem nunca mais comprará outros modelos desse ou de outro fabricante, como voce sugere. Exemplo: vide a época dos filmes. Mesmo podendo utilizar inumeros tipos de filmes, sempre lançavam e vendiam cameras mais avançadas, rápidas, etc.. Será que intercambiando sensores seria muito diferente? Atualmente as possibilidades das cameras incorporarem avanços são infinitamente maiores do que na era analógica.. os recursos atuais de muitos modelos de cameras sao quase irresistíveis, vide EM-1, isso até lançarem a EM-2 e assim por diante, ou seja, cada vez mais percebe-se que a qualidade de camera nao é só o sensor... (outros modelos podem compartilhar o mesmo sensor mas nao ter a mesma qualidade, em imagens e recursos, por processamento, algoritimos diferentes, etc..).  Logo, a possibilidade de atualizaçao do sensor seria sim um fator de aumento de lucro, mais um, que poderia aumentar a venda de cameras cada vez mais avançadas,  além dos lucros que outros componentes importantíssimos incorporam  como  objetivas e outros acessórios. Enquanto nós vemos o presente imediato, os estrategistas das grandes empresas pensam e projetam seus produtos para cenários de anos a nossa frente, e sobreviverá e/ou prosperará aquele que inovar primeiro.
Concluindo: a contribuiçao do nosso amigo com a sugestão do sistema  da Ricoh foi  um exemplo comparativo bastante construtivo, pois eu, como possivelmente muitos outros,  nao o conheciam, além do que  abriu  novas possibilidades de enriquecimento para a discussão sobre o tema da troca de sensores.
Vixi, :doh: tá falando assim comigo porque ? Não tenho culpa que a Ricoh é novidade para vc. Para mim não é.  :ok:
Eu coloquei a minha opinião sem ser malcriada com vc. Se a minha conclusão tem sentido ou não para vc é outra coisa. Antes de corrigir a interpretação do texto dos outros, aprenda a ser educado ao falar/escrever. Pois de nada vale ser inteligente se não se tem boas maneiras ao conversar.
Tenho certeza que alguem que se preocupa tanto com interpretação de texto pode expor sua opinião de forma mais polida.
« Última modificação: 06 de Outubro de 2013, 02:10:57 por Karoll »


AFShalders

  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.148
  • Sexo: Masculino
  • "Bela câmera, mas mostre as fotos..."
    • Old Good Light
Resposta #9 Online: 06 de Outubro de 2013, 02:48:41
Vamos para a parte PRATICA da coisa em termos de engenharia em vez de ficarmos falando sobre pornografia angélica.

Para um sistema permitir a troca de sensores, puramente, em primeiro lugar é necessário que todos os eventuais sensores sejam compatíveis em termo de protocolo de funcionamento, ou seja, devem pertencer a uma mesma familia, e provavelmente de um mesmo fabricante. Isso pode (ou não) ser um problema.

Se forem usados sensores compativeis em termos elétricos e lógicos, o restante da eletronica da camera, como drivers (eletronicos) e firmware serão mais facilmente implementáveis. Para que um corpo aceite sensores com protocolos e caracteristicas eltronicas diferentes, a coisa vira o caos.

Nisso a Ricoh mandou muito bem, porque ela troca um MODULO que contém o sensor, uma objetiva (ou um mount no caso do modulo Leica-M), mais toda eletronica e firmware necessários para "falar" com o restante da câmera, que contém a bateria, os circuitos de armazenagem de informação e o processamento básico de imagem. Isto é um sistema modular em duas camadas. Ou seja, o sistema da Ricoh é muito bem pensado e tremendamente flexível.

Já fazer uma eletronica e um firmware que aceite simplesmente plugar um sensor novo vai ser muito, muito problemático, e pelo que está escrito no Dep. Japones de Patentes

"Conventionally, there is a digital camera provided with a removable image sensor unit to a camera body. In such a digital camera, an image sensor unit is interlocked with a camera body by electronic contact including an image sensor and its peripheral circuit."

A coisa é exatamente a simples troca do sensor, seja pelo usuário ou pela assistência técnica. Ou seja, se os sensores não forem das mesmas dimensões, com pinagem e protocolo idênticos, a coisa não será viável.

Tenho um amigo na ex Kodak, agora Truesense Imaging, que já havia mencionado que a troca puramente de sensores tem um monte de complicações e que ninguem fez isso ate hoje justamente porque é tremendamente complicado. Pode até ser sim, que a Nikon esteja jogando sujo e patenteando algo que ela não tenha a tecnologia para fazer simplesmente para que os outro não possam fazer. Pelo menos desse jeito. Eu não contaria com algo assim por um longo tempo.

A verdade é que todo mundo anda patenteando qualquer coisa, mesmo as mais loucas, para eventualmente ganhar uma grana processando alguém depois.



A maioria das câmeras e lentes são melhores que a maioria dos fotógrafos.

www.oldgoodlight.blogspot.com / www.flickr.com/groorj


AFShalders

  • Trade Count: (27)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 9.148
  • Sexo: Masculino
  • "Bela câmera, mas mostre as fotos..."
    • Old Good Light
Resposta #10 Online: 06 de Outubro de 2013, 02:50:07
Pode se patentear o sistema específico, não a troca em si pois isso decorre do "estado da técnica". Ainda qq fabricante poderá fazer o seu sistema e câmeras com troca de sensor.  ;)

É mais ou menos por ai
A maioria das câmeras e lentes são melhores que a maioria dos fotógrafos.

www.oldgoodlight.blogspot.com / www.flickr.com/groorj


Karoll

  • Trade Count: (0)
  • Conhecendo
  • *
  • Mensagens: 33
  • Sexo: Feminino
Resposta #11 Online: 06 de Outubro de 2013, 04:10:54
Vamos para a parte PRATICA da coisa em termos de engenharia em vez de ficarmos falando sobre pornografia angélica.

Para um sistema permitir a troca de sensores, puramente, em primeiro lugar é necessário que todos os eventuais sensores sejam compatíveis em termo de protocolo de funcionamento, ou seja, devem pertencer a uma mesma familia, e provavelmente de um mesmo fabricante. Isso pode (ou não) ser um problema.

Se forem usados sensores compativeis em termos elétricos e lógicos, o restante da eletronica da camera, como drivers (eletronicos) e firmware serão mais facilmente implementáveis. Para que um corpo aceite sensores com protocolos e caracteristicas eltronicas diferentes, a coisa vira o caos.

Nisso a Ricoh mandou muito bem, porque ela troca um MODULO que contém o sensor, uma objetiva (ou um mount no caso do modulo Leica-M), mais toda eletronica e firmware necessários para "falar" com o restante da câmera, que contém a bateria, os circuitos de armazenagem de informação e o processamento básico de imagem. Isto é um sistema modular em duas camadas. Ou seja, o sistema da Ricoh é muito bem pensado e tremendamente flexível.

Já fazer uma eletronica e um firmware que aceite simplesmente plugar um sensor novo vai ser muito, muito problemático, e pelo que está escrito no Dep. Japones de Patentes

"Conventionally, there is a digital camera provided with a removable image sensor unit to a camera body. In such a digital camera, an image sensor unit is interlocked with a camera body by electronic contact including an image sensor and its peripheral circuit."

A coisa é exatamente a simples troca do sensor, seja pelo usuário ou pela assistência técnica. Ou seja, se os sensores não forem das mesmas dimensões, com pinagem e protocolo idênticos, a coisa não será viável.

Tenho um amigo na ex Kodak, agora Truesense Imaging, que já havia mencionado que a troca puramente de sensores tem um monte de complicações e que ninguem fez isso ate hoje justamente porque é tremendamente complicado. Pode até ser sim, que a Nikon esteja jogando sujo e patenteando algo que ela não tenha a tecnologia para fazer simplesmente para que os outro não possam fazer. Pelo menos desse jeito. Eu não contaria com algo assim por um longo tempo.

A verdade é que todo mundo anda patenteando qualquer coisa, mesmo as mais loucas, para eventualmente ganhar uma grana processando alguém depois.
É bem por aí !  :ok:


sopa_ls

  • Trade Count: (1)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 569
  • Sexo: Masculino
Resposta #12 Online: 06 de Outubro de 2013, 11:59:07
Também existe a questão do alinhamento do plano focal do sensor em relação ao mount,  que é um ponto que deve ser feito com extrema precisão.
Acho eu que mesmo com um mecanismo robusto para a troca do sensor,  seria bastante difícil o usuário repetir o ajuste dentro da tolerância necessária
Gabriel Gomes
__________________________________
Canon 5Dc (2x) + Canon 1000D
50mm 1.8 + 18-55mm modificada para FF + 85mm 1.8 + 70-300mm
YN568EX + YN468


Hoogle

  • Trade Count: (4)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 970
  • Sexo: Masculino
  • Hello. It's me.
    • Alexander Hugo - Fotografia
Resposta #13 Online: 06 de Outubro de 2013, 22:01:06
Fonte: http://nikonrumors.com/2013/09/27/nikon-files-a-patent-for-a-camera-with-interchangeable-sensor.aspx/
Eita. Não tinha visto esse link antes.  :assobi:
Aparentemente vai ser troca de back mesmo.

Para um sistema permitir a troca de sensores, puramente, em primeiro lugar é necessário que todos os eventuais sensores sejam compatíveis em termo de protocolo de funcionamento, ou seja, devem pertencer a uma mesma familia, e provavelmente de um mesmo fabricante. Isso pode (ou não) ser um problema.

Se forem usados sensores compativeis em termos elétricos e lógicos, o restante da eletronica da camera, como drivers (eletronicos) e firmware serão mais facilmente implementáveis. Para que um corpo aceite sensores com protocolos e caracteristicas eltronicas diferentes, a coisa vira o caos.
Não creio que isso seria problema.
Obviamente os sensores e a corpo seriam projetados com a comunicação em vista.
No final não muda nada. É apenas um desacoplamento.

Também existe a questão do alinhamento do plano focal do sensor em relação ao mount,  que é um ponto que deve ser feito com extrema precisão.
Acho eu que mesmo com um mecanismo robusto para a troca do sensor,  seria bastante difícil o usuário repetir o ajuste dentro da tolerância necessária
Com algum sistema de encaixe e travas não fica tão difícil.
Você não trocaria só o sensor, mas sim um módulo onde o sensor se encontra.
« Última modificação: 06 de Outubro de 2013, 22:18:48 por Hoogle »


skyhawk

  • Trade Count: (0)
  • Novato(a)
  • Mensagens: 4
Resposta #14 Online: 06 de Outubro de 2013, 22:36:55
Já pensaram se for algo para facilitar na fabricação e não para o usuário final ? tipo reduzir custos de produção e "prá nóis nada"  :D Como usar o mesmo sistema na D600, D800 e D4 só trocando o sensor ? entende ?