Autor Tópico: Cultura da fotografia pessoal no Brasil  (Lida 389 vezes)

RafaZ

  • Trade Count: (4)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.330
  • Sexo: Masculino
  • Devagar e quase sempre.
Online: 21 de Janeiro de 2014, 19:24:57
Estava remexendo umas caixas antigas e encontrei umas fotos que me fizeram pensar. Morei nos EUA por um tempo quando estava no colegial. Achei muito interessante um hábito comum entre os alunos lá: no último ano do colegial, a maioria vai em um estúdio e tira uma série de fotos, e distribui como lembrança aos colegas ampliações do tamanho de um cartão de crédito, sempre com uma dedicátória no verso. Algumas muito bem produzidas, outras (a maioria) bastante bregas, mas eram um retrato daquele pessoa: os esportistas posavam com seus uniformes e equipamentos, os que curtiam o campo posavam com cavalos, ou em celeiros, os nerds com seus óculos tradicionais... Sempre tinham pelo menos 3 imagens diferentes, rosto, meio corpo, corpo inteiro, estúdio e externas. Isso tudo na época do filme. Busquem "senior portraits" no Google.

Isso me fez pensar que lá há uma cultura mais difundida de fotografia pessoal ou familiar, que aqui no Brasil está apenas começando. Outro exemplo: Nos EUA é muito comum que cada família contrate um fotógrafo no fim do ano para fazer um retrato que depois irá se transformar em um cartão de Natal, enviado para os familiares e amigos. Isso foi antes da popularização da fotografia digital, mas vejo que ainda é muito popular, só que agora, em vez de se enviar os cartões pelo correio, posta-se nas redes sociais.

Minha impressão é que no Brasil a maioria das pessoas pagam por fotos apenas uma vez na vida, no seu casamento. Em segundo lugar viriam as formaturas, e muito distante, uma tendência relativamente nova de gestantes e recém-nascidos.

Acredito que uma explicação possível seja a boa fase da economia, já que é bem mais comum do que 30 anos atrás que uma família de classe média já tenha um apartemento, carro, eletrodomésticos e demais bens de consumo, e agora esteja buscando serviços antes vistos como supérfluos, como fotos e viagens.

Minha pergunta para reflexão: como será o mercado na próxima década? Qual o nicho hoje inexistente ou pouco explorado que terá potencial amanhã? Ou será apenas mais do mesmo? Tenho algumas opiniões mas gostaria de ouvir os colegas primeiro.
Kodak Ektra 100 | Flash Magicube


Lindsay

  • Trade Count: (18)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.536
  • Sexo: Masculino
Resposta #1 Online: 22 de Janeiro de 2014, 01:34:30
Então eu tenho parentes nos EUA, e todos os anos eu recebo ainda pelo correio as fotos de final de ano, com felicitações, é legal são fotos das famílias, pais e filhos, colecionar esses cartões da uma noção incrível de tempo, pois as pessoas vão mudando uns crescendo e outros morrendo, muito louco isso.

Seções de fotos com jovens/adolescentes tbm são comuns fora, super bacana fazer fotos álbuns da moçada na melhor fase da vida!!!

Mas atualmente existe um excesso de informações na manipulação de celulares/redes sociais, penso que quase ninguém tem dinheiro ou acredita que precisa gastar com um profissional pra fazer umas fotos.

Se esse ramo de fotos de família vai crescer mesmo é difícil de prever, mas eu acho que não muda muita coisa em relação ao que ja existe hoje.
Fotografando com a memória


Raphael Sombrio

  • Trade Count: (0)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 2.909
  • O RAW é um diamante...bruto
Resposta #2 Online: 22 de Janeiro de 2014, 09:16:52
Minha pergunta para reflexão: como será o mercado na próxima década? Qual o nicho hoje inexistente ou pouco explorado que terá potencial amanhã? Ou será apenas mais do mesmo? Tenho algumas opiniões mas gostaria de ouvir os colegas primeiro.

Minha opinião é, baseada nos rumos que estamos seguindo: a personalização cada vez maior de tudo.

Individualização.

Cada vez mais "voce mesmo" faz as coisas, e isso vai aumentando. Então se ontem tinha profissionais que faziam determinadas coisas que hj nós mesmos fazemos, ainda que de formas as vezes tosca, amanhã isso se espalhará para outras atividades e cada vez mais.

Cada vez mais a informação está disponível a um nº maior de pessoas, cada vez mais as pessoas estão tendo acesso as coisas...


C R O I X

  • Trade Count: (0)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.107
  • Sexo: Masculino
  • Fotografo Multiformato
    • Marcio Faustino
Resposta #3 Online: 22 de Janeiro de 2014, 16:56:10
Eu acho que simplesmente culturas difenetes e nada disso muda se nao mudar a cultura.

Nos EUA a cultura de celebrar uma data eh muito mais forte, se dedicam mais a enfeites, celebracoes, etc. Tambem eh uma cultura de maior proximidade e coperacao com pessoas do mesmo bairro, classe, trabalho. As pessoas sao mais unidas nas reunioes de bairros, reunioes de pais e reunioes de trabalho, buscando melhorias para todos e nao indiviualmente, o que estimula a solidariedade.

No Brasil a cultura de celebrar uma data esta mais focada em se livrar da rotina/trabalho, fazer as malas e ir viajar, ou fazer aquelechurrasco com a familia. A data que esta sendo comemorada em si eh meio que uma questao secundaria. A relacao entre visinhos eh mais em relacao de ter quem mais gente para chamar para o churrasco ou beber no bar assistindo futebol, a do trabalho eh de ter aguem para contar piadas e fazer brincadeiras para distrair do stress do traballho, a da escola as pessoas estao tao empolgadas em sair de ferias do que ficar celebrando o final do ano, relembrando como foi o ano ou guardando lembrancas. No Brasil as reunioes de bairro, pais, etc sao mais para reclamacoes mesmo, menos coperacoes e experando mais do proximo do que de si mesmo (o que tambem acaba desestimulando aqueles que procuram ser mais solidarios).
« Última modificação: 22 de Janeiro de 2014, 17:00:02 por C R O I X »
http://www.marciofaustino.com/
https://www.instagram.com/marcio_faustino_photographer/

Regras sao para reproducao, e para criadores que nao ouvem ou confiam em sua voz interna [ainda]. Uma foto sincera eh a que tem sua propria voz e ritmo.