Autor Tópico: Histograma  (Lida 2793 vezes)

affalcao

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 938
  • Sexo: Masculino
Online: 11 de Fevereiro de 2014, 00:36:51
Pessoal,

Entendo como funciona o histograma, mas não entendo como usar isso para analisar a foto, para saber se está bem exposta ou não. Existe uma forma objetiva de analisar ou é subjetivo mesmo ?

Analisando o histograma, a imagem abaixo está bem exposta ?



 :ok:
Canon T3 (1100 D) + 10-18mm + 55-250mm
Nikon D3300 + 18-55 + 35mm 1.8


Claudio Rombauer

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.743
  • Sexo: Masculino
Resposta #1 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 00:52:20
Está bem exposta sim.
Pra começar a "enxergar" a foto através do histograma, bem como saber se a foto está bem exposta, use ele de forma seletiva.

Por exemplo, aquela primeira ponta alta e aguda, da esquerda pra direita, são os objetos cinza escuros, quase pretos, no lado esquerdo da foto, mais o chinelo e as almofadas, se você fizer um Crop na foto, retirando eles, vai ver que o histograma não apresentará mais aquela ponta tão forte.

Faça um pequeno Crop na pele do rosto do seu filho, assim perceberá onde o histograma posiciona este tom.

Assim, analisando parte por parte, você terá uma idéia do conjunto todo.
« Última modificação: 11 de Fevereiro de 2014, 00:54:02 por Claudio Rombauer »


dimigobbo

  • Trade Count: (10)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 5.698
  • Sexo: Masculino
    • Meu Flickr
Resposta #2 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 01:02:12
"If your pictures aren't good enough, you're not close enough"

RTFM


Claudio Rombauer

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.743
  • Sexo: Masculino
Resposta #3 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 01:49:49
Tenho este também, escrevi faz tempo:
http://www.midiaarte.com.br/midiafoto/luz/test/


Alexandre ABC

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 546
Resposta #4 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 08:35:27
Pelo que percebi dos livros que li, os fotógrafos que usam histograma, usam de forma seletiva SEMPRE, como já disse o Cláudio.
De forma mais resumida : usam os dois extremos do Histograma.
Essa é a grande confusão, alguns artigos sobre histograma e nos manuais, eles explicam como funciona, mas não como usar na prática.
Se no histograma, como o seu, não existe corte na direita e nem na esquerda, a fotometria está dentro dos parâmetros, sendo assim, vc pode mexer com os tons à vontade, pois todos eles tem informações, nada foi sub ou superexposto.
Não disse que a fotometria está correta, mas sim dentro dos parâmetros, pq é um conceito um tanto subjetivo e usando sua imagem como exemplo, talvez esse sofá não fosse tão claro, mas vc sempre pode escurecer os tons, quando não cortados, ao contrário de clarear, quando houver corte no lado esquerdo do histograma.
Então como usar para fotometrar ? Como usar "antes" o histograma no disparo ?
Dê uma olhada nessa imagem do fotófrafo Neil van Niekerk, que no post fala exatamente sobre isso.
É um histograma da Canon e olhando na margem direita, para a máquina dele, é onde exatamente as altas luzes tem de ficar antes de serem cortadas, sendo assim, mantem os detalhes. Obviamente, se tiver ao lado pretos intensos, esses serão cortados, pq o contraste é bem mais alto que o alcance do sensor para captação de todos os detalhes. Nesse aso, sempre se tem que priorizar e geralmente se prioriza o vestido da noiva. E como colocar as altas luzes desse vestido ali ? Na máquina dele (e na minha também) se faz uma compensação da exposição de 1.7 EV (1 + 2/3).  Para altas luzes menos intensas se compensa menos, e o contrário tb nas baixas luzes. A coisa é bem empírica.


affalcao

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 938
  • Sexo: Masculino
Resposta #5 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 08:44:12
Canon T3 (1100 D) + 10-18mm + 55-250mm
Nikon D3300 + 18-55 + 35mm 1.8


affalcao

  • Trade Count: (5)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 938
  • Sexo: Masculino
Resposta #6 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 09:08:33
Tenho este também, escrevi faz tempo:
http://www.midiaarte.com.br/midiafoto/luz/test/

Muito bom também, muito esclarecedor. Me ajudou a entender melhor e a ver na prática como funciona.  :clap:
Canon T3 (1100 D) + 10-18mm + 55-250mm
Nikon D3300 + 18-55 + 35mm 1.8


Fabio Azzo

  • Trade Count: (2)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 1.199
Resposta #7 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 09:28:07
De forma mais resumida : usam os dois extremos do Histograma.



Depois de um bom tempo lendo sobre histograma que fui aprender isso na prática. Realmente os artigos são confusos, dão a entender que o gráfico é como aquelas letras do Matrix que ficam passando na tela e eles sabem o que está acontecendo. Hoje eu só vejo se tem alguma ponta clipando, se sim, identifico na foto onde foi. Até porque se você faz uma foto low key, todo o grafico ficará deslocado pra direita.

Uma forma boa de aprender isso é usar o Adobe câmera raw. Abre a imagem e fica brincando com o exposure, prestando atenção no que ela faz ao gráfico.


Claudio Rombauer

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.743
  • Sexo: Masculino
Resposta #8 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 09:46:27
Pelo que percebi dos livros que li, os fotógrafos que usam histograma, usam de forma seletiva SEMPRE, como já disse o Cláudio.
De forma mais resumida : usam os dois extremos do Histograma.
Essa é a grande confusão, alguns artigos sobre histograma e nos manuais, eles explicam como funciona, mas não como usar na prática.
Se no histograma, como o seu, não existe corte na direita e nem na esquerda, a fotometria está dentro dos parâmetros, sendo assim, vc pode mexer com os tons à vontade, pois todos eles tem informações, nada foi sub ou superexposto.
Não disse que a fotometria está correta, mas sim dentro dos parâmetros, pq é um conceito um tanto subjetivo e usando sua imagem como exemplo, talvez esse sofá não fosse tão claro, mas vc sempre pode escurecer os tons, quando não cortados, ao contrário de clarear, quando houver corte no lado esquerdo do histograma.
Então como usar para fotometrar ? Como usar "antes" o histograma no disparo ?
Dê uma olhada nessa imagem do fotófrafo Neil van Niekerk, que no post fala exatamente sobre isso.
É um histograma da Canon e olhando na margem direita, para a máquina dele, é onde exatamente as altas luzes tem de ficar antes de serem cortadas, sendo assim, mantem os detalhes. Obviamente, se tiver ao lado pretos intensos, esses serão cortados, pq o contraste é bem mais alto que o alcance do sensor para captação de todos os detalhes. Nesse aso, sempre se tem que priorizar e geralmente se prioriza o vestido da noiva. E como colocar as altas luzes desse vestido ali ? Na máquina dele (e na minha também) se faz uma compensação da exposição de 1.7 EV (1 + 2/3).  Para altas luzes menos intensas se compensa menos, e o contrário tb nas baixas luzes. A coisa é bem empírica.

É útil usar o meio do histograma também, de forma seletiva. Se fotografamos um produto com um tom esécífico e é exigida precisão absoluta na apresentação daquela tonalidade, ficamos prestando atenção naquela zona do histograma. Produtos brancos em fundo branco, que muitas vezes precisam ser representados em cinza claro, também fazem bom uso desta técnica.

Tudo isso lembrando que o histograma é relativo sempre ao jpg, seja o final, seja o incorporado ao preview do raw, é necessário entender o quanto e como ele pode se "expandir" durante a conversão.
« Última modificação: 11 de Fevereiro de 2014, 09:46:52 por Claudio Rombauer »


Alexandre ABC

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 546
Resposta #9 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 09:53:47
É útil usar o meio do histograma também, de forma seletiva. Se fotografamos um produto com um tom esécífico e é exigida precisão absoluta na apresentação daquela tonalidade, ficamos prestando atenção naquela zona do histograma. Produtos brancos em fundo branco, que muitas vezes precisam ser representados em cinza claro, também fazem bom uso desta técnica.

Tudo isso lembrando que o histograma é relativo sempre ao jpg, seja o final, seja o incorporado ao preview do raw, é necessário entender o quanto e como ele pode se "expandir" durante a conversão.

Obervação necessária a sua, mas me referi ao que a imensa maioria dos fotógrafos fazem, na correria dos eventos sociais ou outra modalidade qualquer que não tenha muito tempo e não exija precisão máxima.
Mas se tem outra utilidade, tem que ser reportada.
Mas nesse caso, de fotografia de still, fotômetros de qualidade e calibrados não são o suficiente ?
« Última modificação: 11 de Fevereiro de 2014, 10:00:32 por Alexandre ABC »


Humberto Yoji

  • Trade Count: (23)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 6.826
  • Sexo: Masculino
    • Humberto Yoji - fotógrafo
Resposta #10 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 10:07:26
Só acrescentando que não existe "exposição correta", mas sim a exposição desejada. Uma foto bem exposta ou não vai depender da sua intenção com ela. Por exemplo, pro meu gosto pessoal a foto inicial está um pouco sobrexposta, mesmo que a curva do histograma indique que está tudo "dentro dos conformes". Acho muito importante que na hora da captura evite-se ao máximo os estouros, tanto na direita quanto na esquerda, mas na imagem final (e, obviamente, dependendo da proposta), a liberdade artística pode falar mais alto que a "exposição correta".

O Claudio deu um show de histograma nos comentários! Como ele bem disse, tem que saber ler o histograma e identificar no gráfico o que representa cada pico. Nas minhas fotos de casamento, por exemplo, eu dou muito mais importância ao meio do histograma. Eu identifico na cena o que quero que esteja próximo do cinza médio, e aí ajusto a exposição para aquele tom. Eu evito um pouco que hajam estouros no lado direito, mas não me incomodo com estouros do lado esquerdo e, na verdade, em muitos casos eu até forço um estouro das zonas escuras.

Um fotógrafo de paisagens tem um procedimento bem diferente, pra ele não é interessante que hajam estouros em nenhum dos lados, dentro do possível. Pra uma foto de publicidade a mesma coisa. Então depende totalmente do seu uso e intenção.

Abraços


Mr. Hyde

  • Trade Count: (4)
  • Referência
  • *****
  • Mensagens: 16.575
  • Sexo: Masculino
    • Faceboock
Resposta #11 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 10:18:52
Histograma é meio e não fim.

É uma base que vc se utiliza para coletar informação. A informação reflete tua decisão de exposição. Se a exposição será chave alto, chave baixa, equilibrada ou não, etc... é isso que o histograma vai te passar. De posse dessa informação você pode melhorar a exposição pensada inicialmente.

E corroboro a frase do Teté:

Só acrescentando que não existe "exposição correta", mas sim a exposição desejada. (...)

____________________
"Deus perdoe o Mal que habita em mim" M. Nova


Claudio Rombauer

  • Trade Count: (2)
  • Colaborador(a)
  • ****
  • Mensagens: 3.743
  • Sexo: Masculino
Resposta #12 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 10:19:06
Só acrescentando que não existe "exposição correta", mas sim a exposição desejada. Uma foto bem exposta ou não vai depender da sua intenção com ela. Por exemplo, pro meu gosto pessoal a foto inicial está um pouco sobrexposta, mesmo que a curva do histograma indique que está tudo "dentro dos conformes".
Abraços

Você toca em um ponto muito importante. Existe um padrão criado pelos manuais, por tradição, de que o "histograma dentro dos conformes" é aquela montanhazinha centralizada, mas isso só vale pra uma cena média, que pra falra a verdade, média, exatamente média, acredito que nunca exista, sempre vai haver um desvio, por menor que seja.

Então é importante, antes de tentar centralizar um histograma, observar a imagem e tentar perceber se ela realmente combina com um histograma centralizado. Pra estudar isso é simples, basta baixar imagens e abrir no PS, analizando o histograma delas.



Alexandre ABC

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 546
Resposta #13 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 10:24:07

Nas minhas fotos de casamento, por exemplo, eu dou muito mais importância ao meio do histograma. Eu identifico na cena o que quero que esteja próximo do cinza médio, e aí ajusto a exposição para aquele tom. Eu evito um pouco que hajam estouros no lado direito, mas não me incomodo com estouros do lado esquerdo e, na verdade, em muitos casos eu até forço um estouro das zonas escuras.


Humberto, no final das contas, é a mesma coisa. Dar atenção ao meio, como no teu caso, ou aos extremos dá no mesmo. Quem prioriza a direita, sabe que os tons médios estarão dentro do que ele espera, apenas acha mais fácil, priorizar as altas luzes pq um vestido de noiva, por exemplo, ocupa mais espaço que os médios e ele pode medir pontual ai ou enquadrar com zoom e medir matrix/evaluativa.
Obviamente que ninguém vai medir altas luzes totalmente estouradas. Com certeza muda para uma medição de meios tons ou de altas luzes com informação.
Como disse, medindo no meio ou a direita, é a mesma coisa, a finalidade é a mesma.
Quando vemos imagens de renomados fotógrafos de casamento, por exemplo, que consideramos bons, não sabemos se priorizam os meio tons ou as altas luzes, mas as fotos estão boas. Isso que quis dizer.
« Última modificação: 11 de Fevereiro de 2014, 10:26:44 por Alexandre ABC »


Alexandre ABC

  • Trade Count: (0)
  • Membro Ativo
  • ***
  • Mensagens: 546
Resposta #14 Online: 11 de Fevereiro de 2014, 10:29:17
Você toca em um ponto muito importante. Existe um padrão criado pelos manuais, por tradição, de que o "histograma dentro dos conformes" é aquela montanhazinha centralizada, mas isso só vale pra uma cena média, que pra falra a verdade, média, exatamente média, acredito que nunca exista, sempre vai haver um desvio, por menor que seja.

Então é importante, antes de tentar centralizar um histograma, observar a imagem e tentar perceber se ela realmente combina com um histograma centralizado. Pra estudar isso é simples, basta baixar imagens e abrir no PS, analizando o histograma delas.

Aí que começou todo o problema. Foi um erro das empresas ao deixar na mão dos técnicos a função de fazer o manual. Deveriam ter revisores fotógrafos para fazer esses ajustes. A partir daí começaram a reproduzir esses manuais e a maioria absoluta entendia como funcionava o histograma mas não tinha a mínima ideia de como usufruir na prática.